Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História do Brasil
  3. Brasil República
  4. Governos militares
  5. A Ditadura Militar no Brasil através da Música Popular Brasileira

A Ditadura Militar no Brasil através da Música Popular Brasileira

Em 2 de abril de 1964, os militares, apoiados pelos Estados Unidos, derrubaram o governo de João Goulart e tomaram o poder. Estava instaurada a Ditadura Militar no Brasil. Milhares de pessoas foram agredidas, torturadas e assassinadas. Outras milhares desapareceram. Sob o pretexto de redemocratizar o país, limpando-o da escória, como comunistas e outros seres pensantes (possíveis ameaças à ditadura), inaugurou-se um período de terror (e vergonha) nas terras tupiniquins.

Um grupo que se destacou na luta contra a opressão foi o dos artistas: atores, músicos, cineastas, artistas plásticos, poetas, escritores... Cada um contribuía com o que melhor sabia fazer, questionando os fatos e informando a população, apesar de censurados pelos órgãos opressores. E, como bons artistas, os músicos populares brasileiros descreveram os horrores da ditadura nos mínimos detalhes. Descrições que perpetuam até os dias atuais, trazendo à tona toda a covardia aplicada contra nosso povo, e que não nos deixam esquecer todas as atrocidades cometidas contra nosso país.

Na década de 60, a censura tentou calar quem tinha algo a falar. Mas alguns músicos acharam uma brecha e deixaram para a posteridade seu pesar. Um dos mais ilustres artistas militantes foi Chico Buarque. Junto com outro grande músico, Gilberto Gil, compuseram uma música que reflete bem a situação da época. “Cálice” traz referências ao Santo Cálice de Cristo e a uma passagem bíblica (Pai, afasta de mim esse cálice, de vinho tinto de sangue), mas é uma metáfora com o verbo “calar”. Foi a forma que os músicos acharam de dizer ao mundo que a liberdade de expressão estava caçada no Brasil.

Outro grande expoente do período foi o músico Geraldo Vandré. Geraldo compôs “Pra não dizer que não falei das flores”, um hino contra a ditadura. Nessa canção, Geraldo enfatizava as injustiças (pelos campos há fome em grandes plantações), destacava a presença do exército nas ruas (Há soldados armados, amados ou não) e convocava as pessoas para se unirem na luta contra a ditadura (Vem, vamos embora que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer). Geraldo foi preso, torturado e exilado, mas “Caminhando” (como ficou popularmente conhecida) é um clássico da música popular brasileira e, com certeza, deve incomodar até hoje. A “flor” da canção é uma referência ao movimento “Flower Power” que surgiu nos Estados Unidos. Pregava a não violência contra os povos e foi teorizado depois da Guerra do Vietnã em 1959.

Em 1979, João Bosco e Aldir Blanc compuseram “O bêbado e a equilibrista”, que fala sobre os exilados. É um retrato do Brasil no final do período ditatorial, com mães chorando (Choram Marias e Clarisses) pela falta de seus filhos, os “Carlitos” tentando sobreviver (alusão a um personagem de Charles Chaplin. Representa a população que, mesmo oprimida, ainda consegue manter o bom humor) e a equilibrista (nossa esperança, se equilibrando e sobrevivendo).

Várias outras músicas também confrontaram o regime militar. “Panis et Circenses” (de Caetano e Gil), “Apesar de você” (Chico Buarque) e “Cartomante” (de Ivan Lins e Victor Martins).

Em 1985 foi eleito o primeiro presidente pelo colégio eleitoral. Tancredo Neves nem chegou a assumir. Em 21 de abril de 1985, faleceu de diverticulite, uma inflamação dos divertículos presentes no intestino grosso. Há quem diga que Tancredo foi envenenado por militares, descontentes com o fim da ditadura, mas é só especulação. Seu vice, José Sarney, assumiu. Depois, em 1989, foi eleito o primeiro presidente pelo voto popular: Fernando Collor de Melo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Geraldo Vandré, preso, torturado e exilado. Compos uma música que se tornou o hino do período militar no Brasil
Geraldo Vandré, preso, torturado e exilado. Compos uma música que se tornou o hino do período militar no Brasil
Publicado por: Demercino José Silva Júnior
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
A organização do Comício da Central do Brasil em que João Goulart reafirmou a execução das reformas de bases foi o estopim para o Golpe Militar
Estopim do Golpe Militar
Forças políticas contrárias e as Reformas de Base explicam o golpe militar brasileiro.
Os senadores biônicos e o pacote de Abril
Os senadores biônicos foram parlamentares nomeados nos últimos anos da ditadura para garantir o controle dos militares no Congresso Nacional.
Luiz Inácio Lula da Silva foi a principal figura do sindicalismo nos fins dos anos 70. *
As greves no ABC e o fim da ditadura
Conheça mais sobre as greves no ABC paulista e seu papel para o fim da ditadura militar.
A presença do apoio civil: um dos elementos centrais para a eficiência do golpe militar
Origem do Golpe Militar
Saiba quem foram os grupos políticos e os eventos que marcaram a deflagração do golpe militar no Brasil.
Presidente Humberto Castello Branco (em pé) em passeata militar realizada em 7 de setembro de 1964.*
Governo Castello Branco
Clique no link e tenha acesso a este texto a respeito do primeiro presidente militar do período da Ditadura Militar no Brasil. Veja como o marechal Humberto Castello Branco assumiu a presidência do país e quais foram os principais feitos realizados nesse governo.
Por meio dos Atos Institucionais, o governo militar garantiu sua permanência no poder.
As bases do Estado Autoritário
Regime Militar, golpe Militar, Golpe de 1964, Governo Castelo Branco, Linha Dura, Frente Ampla, Atos Institucionais, AI-2, AI-3, AI-4, Constituição de 1967, Governo Costa e Silva, regime militar.
O Golpe de 1964: a crise política que tirou João Goulart da Presidência do Brasil.
Fatores do Golpe Militar
Fatores do Golpe Militar, Golpe de 1964, Governo João Goulart, parlamentarismo, reformas de base, Marcha da Família com Deus pela Liberdade, Jango, Golpe Militar, Ditadura Militar.
A Guerrilha do Araguaia optou pela luta armada como meio de combate à Ditadura Militar.
Guerrilha do Araguaia
O movimento revolucionário que lutou contra a Ditadura Militar no interior do Brasil.
Ato Institucional nº 5
Clique e entenda o que foi o AI-5. Conheça o contexto do ano de 1968, as justificativas usadas pelos militares e o que decretava esse ato institucional.
O Milagre econômico da ditadura
Conheça as características do “Milagre Econômico” do regime militar na década de 70.