Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História do Brasil
  3. Brasil Império
  4. O processo eleitoral no Brasil Império

O processo eleitoral no Brasil Império

Quando falamos em eleições, muitos logo associam esse tipo de prática aos regimes de natureza essencialmente democrática. No Brasil, tendo em vista a ocorrência da época de ditadura militar no país, o direito de participação política plena dos cidadãos se constitui como uma conquista recente. Para alguns analistas, a existência do voto obrigatório chega a ser justificada como uma ação educativa, pelo pouco tempo que os brasileiros voltaram a escolher diretamente os seus representantes políticos.

No entanto, o voto e o processo eleitoral não são nenhuma novidade em nossa história política. Já no ano de 1824, a constituição outorgada pelo imperador Dom Pedro I determinava a realização de eleições para a escolha de representantes dos poderes legislativo e executivo. Para ser considerado um eleitor apto, o cidadão deveria pertencer ao sexo masculino e ter no mínimo 25 anos. Essa idade mínima só não era válida no caso dos homens casados, clérigos, militares e bacharéis formados.

Além dessas primeiras exigências, o sistema eleitoral daquela época instituiu o emprego do voto censitário. Nessa modalidade de sistema eleitoral, o cidadão só estaria apto a votar caso comprovasse uma renda mínima anual proveniente de empregos, comércio, indústria e propriedade de terras. Em uma sociedade escravista, observamos que a utilização do voto censitário excluía a grande maioria da população. Assim, o voto se transformava em um instrumento de ação política exclusivo das elites.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Naquela época, as poucas pessoas consideradas aptas a exercer o voto não escolhiam diretamente os seus representantes. No império, os chamados cidadãos votantes eram divididos entre os eleitores de paróquia e os eleitores de província. Os eleitores de paróquia eram todos aqueles que comprovavam uma renda anual mínima de 100 mil réis para votar nos eleitores de província, que, por sua vez, deveriam comprovar uma renda anual mínima de 200 mil réis para votar nos candidatos a deputado e senador.

Ao perceber tal organização, vemos que o nosso processo eleitoral era organizado de forma indireta. Ou seja, os cidadãos eleitores (eleitores de paróquia) elegiam os representantes (eleitores de província) que, por sua vez, escolheriam quem deveria ser eleito para os cargos da Câmara e do Senado.

Vale lembrar que os deputados e senadores deveriam comprovar uma renda anual mínima ainda mais elevada do que os eleitores. Os candidatos à deputado deveriam ter renda mínima de 400 mil réis por ano e os candidatos ao Senado de 800 mil réis anuais. Dessa forma, vemos que os principais cargos legislativos do país eram unicamente alcançados por pessoas que tinham um poder aquisitivo bastante elevado naquela época e nunca poderiam contar com a participação das camadas populares.

Por Rainer Sousa
Mestre em História
Equipe Mundo Educação

A organização do sistema eleitoral durante o período imperial.
A organização do sistema eleitoral durante o período imperial.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Bandeira espanhola. O povo da Península Ibérica representou o terceiro maior grupo de imigrantes que veio para o Brasil
Imigração espanhola no Brasil
Conheça algumas características da imigração espanhola no Brasil.
D. Pedro I: a consolidação do Estado e a oposição ao mando do governo imperial.
Primeiro Reinado
Ações e conflitos que marcaram o primeiro governo monárquico brasileiro.
Os revoltosos invadiam as igrejas e tiravam das paredes os avisos dos decretos colocados pelo governo imperial brasileiro
Revolta do ronco da Abelha
Pesquise neste texto informações sobre a Revolta do ronco da Abelha, também conhecida como Revolta dos Maribondos.
No Segundo Reinado, regido por Dom Pedro II, buscou-se no Brasil a construção de uma “identidade nacional”
O “povo brasileiro” no Segundo Reinado
Saiba mais sobre o conceito de “povo brasileiro” no Segundo Reinado e entenda as contradições políticas e culturais dessa época de nossa história.
A atual bandeira do Brasil foi implantada logo após a Proclamação da República, que aconteceu em 1889.
Bandeira do Brasil
Veja este texto e saiba um pouco mais sobre a história da bandeira do Brasil. Veja como surgiu o atual modelo, o significado das cores e outras curiosidades.
Segundo Reinado
Conheça o longo reinado de Dom Pedro II. Veja como o café se tornou a principal atividade econômica do Brasil e os motivos que levaram à queda do Império em 1889.
Dom Pedro I deteve a criação de uma constituição liberal no Brasil.
Assembleia Constituinte
Em março de 1824, Dom Pedro I outorgou a primeira constituição do Brasil.
Com a independência, d. Pedro foi coroado imperador do Brasil e tornou-se d. Pedro I.[1]
Independência do Brasil
Acesse para saber como foi o processo de independência do Brasil. Entenda suas causas, seus principais acontecimentos e suas consequências.
O Brasil pagou uma pesada indenização para ter sua independência reconhecida por Portugal.
O reconhecimento da Independência do Brasil
As negociações que permitiram o reconhecimento da independência brasileira.
A chegada de Dom Pedro II ao trono visava dar fim às instabilidades do período regencial.
Período Regencial
Um tempo marcado por disputas políticas e várias revoltas.