Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Média
  4. As influências germânicas e romanas no Ocidente Medieval.

As influências germânicas e romanas no Ocidente Medieval.

No estudo da passagem da Antigüidade para a Idade Média estamos acostumados a assinalar o processo das invasões bárbaras como o grande marco inicial do mundo medieval. Dessa forma, temos a enganosa impressão de que tal fato histórico gerou um fenômeno de substituição dos costumes dentro da Europa. Em outros termos, a cultura da civilização romana morreria para dar lugar aos “rudimentares” costumes dos povos bárbaros.

Contrariando tal idéia, podemos assinalar claramente como existem algumas permanências de origem clássica e germânica que subsistem em meio às profundas transformações da Idade Média. Dessa maneira, podemos ver que o consolidado ideal renascentista que coloca a Idade Média como o momento de interrupção da cultura greco-romana, pode ser observado em outra perspectiva.

Entre os germânicos podemos notar a questão do individualismo como uma das bases de sua cultura política. Os clãs guerreiros tinham grande autonomia e, em épocas de paz, não havia nenhuma lei que pudesse estar acima da responsabilidade que o indivíduo tinha sobre os seus atos. Dessa maneira, cada chefe familiar tinha autoridade para estabelecer as leis submetidas à sua família. A maior experiência de organização política observada entre os germânicos se dava durante a formação do comitatus.

O comitauts era um tipo de organização política temporária que se empreendia durante a ocorrência de alguma guerra ou conflito. Um chefe guerreiro era designado para comandar um grupo de soldados organizados contra a invasão de um outro povo guerreiro. Nesse acordo, o chefe do grupo militar prometia defender o interesse de seus comandados. Em troca, os comandados prometiam obedecer às decisões do chefe guerreiro. Esse tipo de relação social instituída pela lealdade influenciou na criação das relações de servidão; e susserania e vassalagem, presentes na Idade Média.

A economia dos povos germânicos também estabeleceu uma série de práticas que foram desenvolvidas no interior dos feudos. A produção de riquezas era concentrada no uso das terras cultiváveis. A produção agrícola, o pastoreio e a caça eram as principais atividades desenvolvidas. A lógica da produção não era voltada para o acúmulo, mas para a subsistência da população local. O comércio era feito em baixa quantidade, sendo a grande parte feita a partir de trocas naturais.

Outro traço característico da cultura germânica a se introduzir na Europa Medieval tem a ver com a organização social. Divididos entre guerreiros, homens livres inferiores e escravos, a sociedade germânica era desprovida de mecanismos capazes de permitir a ascensão social dos indivíduos. Na sociedade medieval essa mesma imobilidade era justificada pela influência cultural e ideológica exercida pela Igreja no interior dos feudos.

Entre os romanos, as mudanças causadas pela crise da sociedade escravista trouxeram uma série de práticas que também se instituíram no mundo medieval. A crise agrícola promovida pela falta de escravos incentivou a divisão das grandes propriedades em villas que se dedicavam ao consumo local e tinham suas terras distribuídas entre arrendatários que davam parte de sua produção ao proprietário das terras.

Além disso, a desintegração das classes sociais romanas e a ruralização da população trouxeram à tona a formação de novos grupos sociais. Os colonos, que arrendavam as terras de um grande proprietário, poderiam ser antigos escravos, plebeus e clientes que não mais poderiam se servir da assistência do Estado, do poder econômico de um senhor, ou de práticas econômicas vinculadas ao comércio. Essa transformação proporcionou o aparecimento da vindoura e predominante classe servil da Idade Média.

A partir do entrecruzamento dessas características dos povos romanos e germânicos temos uma compreensão maior de como a Idade Média e as práticas feudais se instituíram durante determinado período histórico. De fato, os traços predominantes do sistema feudal se consolidaram a partir do século IX. Entre os séculos XII e XV o predomínio do sistema feudal perdeu espaço para outro conjunto de transformações que abriu portas para a formação das sociedades modernas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Villa: unidade produtiva romana que influenciou na formação dos feudos medievais.
Villa: unidade produtiva romana que influenciou na formação dos feudos medievais.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Baixo-relevo romano mostrando uma batalha. Povo marcadamente bélico, os romanos tiveram nos guerreiros bárbaros seus principais algozes
As invasões bárbaras e a queda de Roma
As invasões bárbaras levaram à desintegração do Império Romano do Ocidente e à constituição das características do mundo medieval.
Os povos germânicos dominaram o Antigo Império Romano.
Povos Germânicos
Idade Média, Queda do Império Romano, bárbaros, tribos germânicas, crise do Império Romano, economia agrícola, agricultura de subsistência, comitatus, Odin, Valhalla, feudalismo, relações de fidelidade.
Joana d’Arc: heroína francesa na Guerra dos Cem Anos.
Guerra dos Cem Anos
Guerra dos Cem Anos, França, Inglaterra, Carlos IV, Eduardo III, Carlos IV, região de Flandres, Filipe de Valois, Batalha de Creci, João, o Bom; de Btretigny, Joana d’Arc, batalha de Calais.
Albigenses sendo perseguidos pelas autoridades religiosas.
Heresias Medievais
Idade Média, Heresias Medievais, Igreja Católica, nicolaísmo, crise dos valores religiosos, heresias, valdenses, Pedro Valdo, França, Flandres, Península Itálica, Albi, albigenses, Tribunal da Santa Inquisição.
O Papa Urbano II convocou os cristãos europeus a integrar os exércitos do movimento cruzadista.
A Igreja e as Cruzadas
A Igreja e as Cruzadas, Cruzadas, movimento cruzadista, Terra Santa, Jerusalém, peregrinos, expansão muçulmana, turcos seldjúcidas, Concílio Clermont, papa Urbano II.
Império Carolíngio: devoção religiosa e militarismo em um dos maiores governos da Europa Medieval.
Império Carolíngio
A fase áurea da dominação dos francos na Europa Medieval.
O Alcorão reúne os elementos fundamentais da religião muçulmana.
Os princípios islâmicos
O desenvolvimento das crenças fundamentais da religião muçulmana.
O xadrez pode ser visto como um documento que expôs os valores da sociedade medieval
O xadrez e o mundo medieval
Saiba como o xadrez pode ser um jogo capaz de expor uma gama de valores existentes no mundo medieval.
O dragão é uma das figuras que povoam o imaginário do maravilhoso na Idade Média
O maravilhoso no mundo medieval
Entenda a importância do maravilhoso no mundo medieval e como isso estava associado às tradições culturais que formaram a Idade Média.
Alta Idade Média
Clique e acesse para saber mais detalhes da Alta Idade Média. Entenda como a queda do Império Romano deu início a esse período e veja suas características.
Mesquita Azul, construída pelos otomanos, e Santa Sofia, ao fundo, construída no período bizantino, ambas em Istambul
Império Otomano
Conheça alguns aspectos do Império Otomano e a importância desse grande império para a História.
Igreja: a mais poderosa instituição da Idade Média
Igreja na Idade Média
Observe aqui como se deu a trajetória da Igreja na Idade Média.
Clero, nobreza e campesinato: a tríade fundamental da sociedade feudal.
A Sociedade Feudal
A organização social da Europa durante a Idade Média.
O sistema de rotação garantia um maior tempo de uso das terras cultiváveis.
O sistema de produção feudal
Clique aqui e confira as técnicas de exploração da terra no sistema de produção feudal!
A tortura era considerada pelos inquisidores como uma forma de se buscar a confissão do pecador.
Inquisição
A perseguição da Igreja contra aqueles que não seguiam seus preceitos.