Cristãos-novos

Os cristãos-novos eram judeus convertidos à fé católica, em sua maioria de maneira forçada.

Para entendermos como surgiram os chamados cristãos-novos, na Península Ibérica, é necessário entendermos o contexto do processo de formação dos Reinos de Portugal e Espanha. Os modernos reinos de Portugal e Espanha formaram-se durante as guerras pela reconquista da Península Ibérica, entre os séculos XIV e XV, que foram travadas contra os mouros, isto é, muçulmanos de origem norte-africana que haviam dominado quase todo o território ibérico durante a Idade Média. Os reinos espanhol e português possuíam a característica principal de serem católicos e de defenderam a fé católica.

À medida que esses reinos católicos foram consolidando-se, várias medidas passaram a ser tomadas com vistas a expurgar a presença muçulmana da Península Ibérica. Ao mesmo tempo em que a política anti-islâmica ocorria no reino espanhol, também havia a política de oposição à presença das comunidades judaicas em seu território, haja vista que nessa época a prática do judaísmo era considerada heresia, e os judeus eram identificados como causadores de distúrbios sociais e catástrofes (como a Peste Negra).

Na década de 1490, milhares de judeus migraram da Espanha para Portugal em busca de trabalho e refúgio. O reino português valia-se da habilidade judaica em questões de comércio para poder melhorar o seu fluxo econômico. Porém, em 1497, o rei português D. Manuel I casou-se com a herdeira dos reis que unificaram a Espanha, Isabel de Aragão. Esse casamento fez com que Portugal tivesse que se adequar a algumas exigências da coroa espanhola. Uma dessas exigências era a expulsão dos judeus de seu território. Manuel I, então, propôs aos judeus que se encontravam em território português que se convertessem ao catolicismo ou deixassem o país.

Mais de 20 mil judeus decidiram deixar o país, o que levou D. Manuel I a fechar o Porto de Lisboa. A única saída que restou aos judeus foi permanecer em Portugal, e Manuel I ordenou que eles fossem convertidos à força. Nos anos que se seguiram, muitos judeus foram obrigados de diversas maneiras a se converterem ao catolicismo. Crianças judias, por exemplo, eram raptadas para serem batizadas e educadas em famílias católicas. Os judeus convertidos nesse contexto ficaram conhecidos como cristãos-novos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Sendo assim, a maior parte dos Cristãos-novos era constituída de judeus convertidos à força, que só se mostravam como católicos publicamente, mas que, no foro íntimo, continuavam a prática dos ritos judaicos ou a “judaizar”, como se dizia na época. Essa prática secreta dos ritos judaicos ficou conhecida como “criptojudaísmo”. Os criptojudeus tornaram-se alvos de perseguição a partir do século XVI no mundo ibérico, fosse nas metrópoles, fosse nas colônias americanas. A Igreja Católica teve que montar um Tribunal do Santo Ofício especial para o exame de ocorrência de criptojudaísmo entre cristãos-novos.

Em 1506, um acontecimento emblemático envolvendo a perseguição aos cristãos-novos ocorreu em Lisboa. Na Capela de Jesus, no Mosteiro de São Domingos, em 19 de abril, os fiéis acreditaram ter visto o rosto de Cristo, quando um cristão-novo replicou-lhes dizendo ser apenas o reflexo do crucifixo na parede provocado pela chama de uma vela. Essa observação crítica do cristão-novo bastou para que ele fosse arrastado para fora da capela e sofresse agressões até a morte. Depois desse linchamento, vieram centenas nos dias que se seguiram. A população encontrou nos judeus uma “válvula de escape” para os problemas que acometiam o país à época, haja vista que Portugal passava por uma crise intensa, provocada pela seca e pela peste, e os judeus passaram a ser acusados de “causadores” daquela situação, sobretudo por não observarem os preceitos da fé católica.

O rei de Portugal, Manuel I, foi o responsável pela medida de manter à força em território lusitano os cristãos-novos
O rei de Portugal, Manuel I, foi o responsável pela medida de manter à força em território lusitano os cristãos-novos
Publicado por: Cláudio Fernandes
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

Leia o texto abaixo e assinale a alternativa correta:

O número de cristãos-novos em algumas cidades do Brasil ultrapassou o número de judeus que viviam em Amsterdã no período de sua maior efervescência econômica e cultural. Mas devemos ter em mente que somente é possível obter dados demográficos sobre cristãos-novos em determinadas regiões do Brasil, através da contagem daqueles que foram presos pela Inquisição ou a ela denunciados como judaizantes. O número total será portanto sempre impreciso, pois a maior parte dos cristãos-novos que vieram para o Brasil não foram presos, e diluíram-se em meio a população brasileira. Em Minas Gerais arrolamos, até o presente, aproximadamente 500 cristãos-novos entre denunciados e presos. (NOVINSKY, Anita. “Das pesquisas sobre a Inquisição e os Cristão-Novos no Brasil ao Museu da Tolerância da Universidade de São Paulo.” [entrevista]. In: WebMosaica: revista do instituto cultural judaico Marc Chagall. v.3 n.2, jul-dez, 2011. p. 168.)

Levando-se em consideração as afirmações da citação acima, é possível afirmar que, no Brasil:

a) era permitida, em todo o território, a prática dos ritos judaicos.

b) a inquisição investigava exclusivamente os judeus emigrados dos Países Baixos.

c) nas regiões do Nordeste administradas pela Holanda, os ritos judaicos eram permitidos.

d) nenhum cristão-novo podia frequentar missas nas Igrejas de Minas Gerais.

e) os cristãos-novos eram denunciados pela população por representarem os interesses econômicos holandeses na Colônia.

Questão 2

Os cristãos-novos, isto é, judeus convertidos ao cristianismo, na maior parte das vezes, não observavam os preceitos da fé católica e continuavam a praticar os ritos judaicos nos reinos católicos durante a Idade Moderna. Essa prática velada do judaísmo ficou conhecida como:

a) judaísmo heterodoxo.

b) judaísmo cabalístico.

c) judeo-cristianismo.

d) criptojudaísmo.

e) judaísmo messiânico.

Mais Questões
Assuntos relacionados
O processo de formação das Monarquias Nacionais atribuiu novas feições à Europa.
Formação das Monarquias Nacionais
Monarquia, Monarquias Nacionais, formação das monarquias nacionais, instalação do poder monárquico, crise do feudalismo, instalação do poder real, Baixa Idade Média, Europa, Mercantilismo, Idade Moderna, Revoluções Liberais, Absolutismo.
Jerusalém, considerada cidade “santa”, retornou para os judeus com a criação do Estado de Israel no ano de 1948.
Judeus na história
Venha conhecer a história dos judeus, perseguidos desde a Antiguidade até o nazismo, no século XX. No ano de 1948, a comunidade judaica conseguiu criar o Estado de Israel.
A unificação da Espanha formalizou-se com o casamento entre Fernando de Aragão e Isabel de Castela
Formação da Monarquia Nacional Espanhola
Saiba como ocorreu a formação da Monarquia Nacional Espanhola durante o processo de guerras pela reconquista da Península Ibérica.