Egito – Médio Império

A história do Médio Império egípcio tem início com o retorno do governo centralizado pelas mãos do faraó. Nas últimas décadas do século XXI a.C., Mentuhotep II chegou ao poder contra a resistência dos nomarcas que defendiam a manutenção do regime descentralizado. Nessa mesma fase de reestruturação da autoridade faraônica, a cidade de Tebas passou a ser capital do império e o reforço do sistema de servidão coletiva permitiu a realização de grandes obras públicas.

A estabilidade experimentada durante essa fase possibilitou o crescimento populacional, a realização de colheitas abundantes e a intensa articulação das atividades comerciais. Além disso, observamos a concepção de grandes projetos arquitetônicos com a construção de tumbas e templos majestosos e o florescimento da literatura e das artes pictóricas. Sobre esse último aspecto, devemos salientar que a pintura tinha grande importância na reafirmação da autoridade faraônica através do registro de seus feitos.

Apesar de marcar o desenvolvimento de uma sociedade próspera, o Médio Império foi marcado pelas contradições dessa mesma riqueza gerada. Com o passar do tempo, muitos camponeses resistiam ao trabalho compulsório exigido pelos representantes do poder faraônico. Concomitantemente, alguns membros da classe nobiliárquica reivindicavam maior autonomia política e, muitas vezes, desafiavam o poder do faraó ao permitirem a entrada de estrangeiros no país.

Por volta de 1630 a.C., o desequilíbrio gerado pela competição política favoreceu a invasão dos hicsos. Essa civilização, proveniente da Ásia, detinha uma tecnologia de guerra superior a dos egípcios, já que utilizavam cavalos e armas de grande resistência. Por mais de um século essa civilização exerceu controle sobre o Egito, sendo que o processo de expulsão dos hicsos assinala o início dos acontecimentos históricos ligados à formação do Novo Império.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

A reunificação de Mentuhotep II e o desenvolvimento da arte pictórica marcam o Médio Império.
A reunificação de Mentuhotep II e o desenvolvimento da arte pictórica marcam o Médio Império.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Reconstrução do zigurate de Ur, no Iraque
Sumérios e Acádios
Conheça duas grandes civilizações que habitaram a Mesopotâmia: os sumérios e os acádios.
As pirâmides eram enormes túmulos que ostentavam o poder dos Faraós
Pirâmides egípcias
Veja qual o significado das pirâmides para a vida dos antigos egípcios, como elas foram construídas e qual sua principal função.
O Deus Aton era representado, no Egito Antigo, pelo Disco Solar
Aton, o Deus único do Egito
Saiba mais sobre Aton, o Deus único do Egito, e modo como ele foi alçado a essa condição na época do faraó Amenófis IV.
O Reino de Axum foi um dos mais poderosos do continente africano
Reino de Axum
Conheça a origem e as características do Reino de Axum, um dos mais poderosos do continente africano.
Os faraós estabeleceram a formação de um governo teocrático no Antigo Egito.
Faraó
A origem e as funções da autoridade máxima do Egito Antigo.
Relevo onde Amenófis IV e sua família são iluminados pelos raios do deus Aton.
A reforma de Amenófis IV
O período em que o Egito se tornou uma civilização monoteísta.
Imagem em que a pesagem do coração no Tribunal de Osíris é representada.
A morte no Egito Antigo
Sabia como os antigos egípcios encaravam a morte.
A escrita tinha papel central na organização das atividades estatais no Antigo Egito.
Escrita Egípcia
A utilidade e os tipos de escrita desenvolvidos pela civilização egípcia.