Whatsapp icon Whatsapp

Pan-africanismo

O pan-africanismo foi uma ideologia que defendeu a emancipação da população negra da opressão em que vivia e a união dessa população.
Bandeiras de países africanos que remetem ao pan-africanismo, com as cores vermelho, amarelo e verde.
Diversos países africanos utilizam as cores do pan-africanismo: vermelho, amarelo e o verde. O preto também é muitas vezes associado ao movimento.

O pan-africanismo foi um movimento que surgiu durante o período do imperialismo do século XIX e defendia a emancipação da população negra, a luta contra o racismo e por melhores condições de vida. A partir de 1900, diversos congressos pan-africanos foram organizados e participaram deles diversas lideranças da América, Europa e África.

O Quinto Congresso Pan-Africano, ocorrido em Manchester, é considerado um marco do movimento de emancipação dos países africanos. Diversos participantes do evento foram líderes do processo de independência em seus países na África. O pan-africanismo inspirou diversos movimentos no mundo, inclusive o Movimento de Direitos Civis nos Estados Unidos.

Na atualidade existe a União Africana, entidade composta por 55 países do continente que tem por principal objetivo integrar economica, politica e culturalmente todo o continente.

Leia também: A resistência ao neocolonialismo na África

Resumo sobre o pan-africanismo

  • O pan-africanismo é a ideologia que defende a união dos povos africanos e dos afrodescendentes de todo o mundo na luta contra a opressão.
  • A ideologia ganhou força no século XIX, quando o território africano e sua população eram controlados pelos países europeus.
  • Marcus Garvey e Du Bois são considerados os principais intelectuais do período inicial do pan-africanismo.
  • A ideologia se tornou um movimento político e social por meio da organização de diversos congressos pan-africanos.
  • O Quinto Congresso Pan-Africano ocorreu em Manchester em 1945. É considerado o marco inicial da independência do continente africano.
  • Bob Marley, fortemente influenciado pelas obras de Marcus Garvey, difundia o pan-africanismo pelo mundo por meio de sua música.

O que é o pan-africanismo?

O pan-africanismo é a ideologia que defende a união de todos os africanos e descendentes de africanos do mundo em defesa de direitos e na luta contra o racismo. Com origem no período do neocolonialismo, o objetivo inicial do pan-africanismo era garantir a independência dos países do continente e criar uma unidade entre eles.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Origem do pan-africanismo

No século XIX, o Martin Delany, um abolicionista dos Estados Unidos, acreditava que uma nação formada por afro-americanos deveria ser estabelecida e deveria ser independente dos Estados Unidos. Delany cunhou a frase “África para os africanos”.

Um grupo de intelectuais negros, entre eles o jamaicano Marcus Garvey e o norte-americano William. E. B. Du Bois, criou as bases do pan-africanismo. Garvey defendia a segregação entre afrodescendentes e descendentes de europeus, com esses grupos vivendo separados, pois acreditava que a opressão de um grupo sobre o outro sempre existiria.

Du Bois, o primeiro negro a se tornar doutor em Harvard, defendia a integração entre negros e brancos, convivendo nos mesmos espaços e sem diferenças sociais ou racismo de qualquer espécie.

Alguns dos participantes do Congresso Pan-Africano de Lisboa, 1923.
Alguns dos participantes do Congresso Pan-Africano de Lisboa, 1923.

A realização dos congressos pan-africanos foi importante para a difusão do pan-africanismo, das ideias anticoloniais e antirracistas. Os primeiros congressos ocorreram em território europeu, organizados por intelectuais negros do continente, e contaram com representantes de diversos países africanos.

O Primeiro Congresso Pan-Africano ocorreu em 1919, em Paris. Seguido pelos congressos de 1921 (Bruxelas, Londres e Paris), 1923 (Lisboa), 1927 (Nova Iorque), 1945 (Manchester), 1974 (Tanzânia), 1994 (Uganda) e 2014 (África do Sul).

O congresso realizado em Manchester, em 1945, é considerado um marco na luta dos povos africanos pela autonomia política. Do congresso de Manchester participaram Kwame Nkrumah, líder da independência de Gana; Jomo Kenyatta, líder da independência do Quênia; e Hastings Banda, líder da independência do Malaui.

Veja o início da Declaração do Congresso Pan-Africano de Manchester:

Os delegados do Quinto Congresso Pan-Africano acreditam na paz. Como poderia ser diferente quando, durante séculos, os povos africanos foram vítimas da violência e da escravidão? No entanto, se o mundo ocidental ainda está determinado a governar a humanidade pela força, então os africanos, como último recurso, podem ter que apelar para a força no esforço de alcançar a liberdade, mesmo que a força os destrua e ao mundo. Estamos determinados a ser livres. Queremos Educação, o direito de ganhar uma vida decente, o direito de expressar nossos pensamentos e emoções e adotar e criar formas de beleza. Sem tudo isso, morremos para viver. Exigimos autonomia e independência da África negra, um mundo para grupos e povos governarem a si mesmos sujeitos à inevitável unidade e federação mundial.

Leia também: O regime de segregação racial que se instaurou nos EUA após a Guerra de Secessão

Principais características do pan-africanismo

A principal característica do pan-africanismo é de ser um movimento pan-nacionalista, esse tipo de movimento defende a união em um mesmo território de pessoas que possuem uma história comum e uma identidade cultural. Também reivindicam um território que não corresponde a territórios até então estabelecidos.

A ideologia pan-africana influenciou os movimentos de independência dos países africanos que se fortaleceram após o fim da Segunda Guerra. Também foi uma das referências para o movimento dos direitos civis nos Estados Unidos que culminou na revogação do conjunto de leis segregacionistas nos estados do Sul conhecido como Jim Crown.

Principais idealizadores do pan-africanismo

  • Marcus Mosiah Garvey: ativista político jamaicano, fundou em 1914 a Associação Universal para o Progresso Negro. Defendia que os negros deveriam ter independência econômica dos brancos, para isso, criou diversas empresas que só contratavam pessoas negras. Também defendia o retorno da população afro-americana para a África, chegou a criar uma empresa de transporte marítimo para tal fim, a Black Star Line.
  • William Edward Burghardt du Bois: foi um intelectual norte-americano e considerado um dos principais autores do pan-africanismo. Durante sua vida, publicou mais de 20 publicações acadêmicas. Suas obras criticavam as leis Jim Crown, o racismo, o colonialismo no continente africano, e defendiam o pan-africanismo, a maior representatividade da população negra na política, o maior acesso dessa população à educação e a melhoria da sua condição de vida. Ele ajudou na organização de diversos congressos pan-africanos, nos quais sempre defendeu a independência dos países africanos.
  • Amy Ashwood Garvey: jamaicana casada com Marcus Garvey, foi uma importante militante pan-africanista e feminista. Ela lutou para que as mulheres tivessem mais representatividade nos congressos pan-africanos e para que as pautas das mulheres fossem inseridas em suas discussões. Participou do Congresso de Manchester com Alma la Badie, as únicas duas mulheres participantes.

Leia também: Harriet Tubman — a biografia da abolicionista que resgatou centenas de escravizados nos EUA

Consequências do pan-africanismo

Por meio dos congressos pan-africanos, lideranças africanas iniciaram a organização dos movimentos de independência de diversos países africanos. Como pontuado, diversos líderes emancipacionistas do continente africano participaram do Quinto Congresso Pan-Africano, considerado um marco da luta pela independência da África.

Embora tenha ocorrido em um relativo curto espaço de tempo e dentro de um mesmo contexto histórico, marcado pelo mundo pós-guerra e a Guerra Fria, o processo de independência da África foi fortemente marcado pelo pan-africanismo.

Em 1963, foi criada a Organização da Unidade Africana, com sede na Etiópia e composta por 32 países africanos independentes. O objetivo da instituição era o de proteger os interesses dos países do continente. Essa instituição existiu até 2002, quando foi substituída pela União Africana, associação que atualmente possui 55 países-membros. A União Africana mostra como o pan-africanismo continua influenciando o mundo atual.

O cantor jamaicano Robert Nesta Marley, conhecido como Bob Marley, foi responsável pela difusão do pan-africanismo no mundo por meio de suas canções. Sua música, “Africa Unite” é considerada um hino do pan-africanismo. Durante sua carreira, ele vendeu aproximadamente 100 milhões de discos.

Fontes

ADI, Hakim. NETO, Mario Soares. Pan-africanismo – Uma história. EDUFBA, Salvador, 2022.

CANÊDO, Letícia Bichalho. A Descolonização da África e da Ásia. Editora Contexto.

LINHARES, Maria Yeda. A Luta contra a Metrópole (Ásia e África). Editora Brasiliense.

Publicado por Jair Messias Ferreira Junior

Artigos Relacionados

Bob Marley
Clique aqui para conhecer mais sobre a vida de Bob Marley. Veja detalhes da carreira musical de um dos maiores cantores de reggae da história.
Descolonização da Argélia
O processo que culminou no fim da dominação francesa naquele país.
Descolonização da África
Saiba como as nações africanas se tornaram independentes do domínio europeu no processo conhecido como descolonização da África.
Imperialismo
Clique aqui e acesse este texto para saber do que se trata o termo Imperialismo, bem como o que foi o Imperialismo no século XIX e quais as suas consequências.
Imperialismo na África
A dominação neocolonialista ao longo do século XIX.
Movimentos de resistência ao neocolonialismo na África
Conheça alguns dos movimentos de resistência ao neocolonialismo que lutaram contra o domínio europeu na África a partir do século XIX.
video icon
Planeta Terra em fundo azul
Geografia
Planeta Terra
Assista à videoaula e conheça as características mais relevantes sobre nosso planeta. Saiba quais são os elementos geográficos mais marcantes do planeta Terra.