Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Química
  3. Físico-Química
  4. Eletroquímica
  5. Potencial-padrão de redução das pilhas

Potencial-padrão de redução das pilhas

Uma pilha pode ser definida como um equipamento que consegue converter energia química em energia elétrica. Para tal, ela precisa conter dois eletrodos, o cátodo e o ânodo, que são formados por diferentes metais, por onde os elétrons irão fluir gerando a corrente elétrica.

Conforme explicado no texto Diferença de potencial de uma pilha, esse fluxo de elétrons sempre irá correr no sentido do ânodo para o cátodo, isto é, do eletrodo que tem menor potencial de redução para o eletrodo que possui maior potencial de redução. Além disso, foi mostrado o exemplo da pilha de Daniell, que tem a força eletromotriz ou diferença de potencial entre os eletrodos igual a 1,10 V.

Encontramos esse valor diminuindo o potencial-padrão (de redução ou de oxidação) de um eletrodo por outro. No caso dessa pilha, o cátodo é o cobre e o ânodo é o zinco. Os potenciais-padrão de redução de cada um são + 0,34V e – 0,76 V, respectivamente. Fazendo a conta, temos:

ΔE0 = E0red (maior) - E0 red (menor)
ΔE0 = Ered Cu2+ - Ered Zn2+
ΔE0 = + 0,34 – (- 0,76)
ΔE0 = + 1,10 V

Mas daí surge uma questão: De onde surgiram os valores dos potenciais-padrão de redução desses dois metais?

Para poder calcular a força eletromotriz de uma pilha, convencionou-se medir o potencial (de redução e de oxidação) de cada eletrodo em relação a um eletrodo padrão, isto é, um eletrodo que estivesse em condições padrão e que serviria de referência para se comparar com os demais eletrodos.

O escolhido foi o eletrodo de hidrogênio, que é formado por um fio de platina (Pt) com uma placa de platina na ponta dentro de um tubo de vidro que está preenchido com gás hidrogênio (H2) sob pressão de 1 atm. O gás hidrogênio fica adsorvido na placa de platina, que é inerte e não participa da reação. Esse conjunto fica mergulhado numa solução de ácido sulfúrico de concentração 1 mol/L, em temperatura de 25ºC ou 298 K.

Esquema de eletrodo de hidrogênio usado como padrão

Adotou-se por convenção que os potenciais-padrão de redução e de oxidação normais do hidrogênio, medidos em condições padrão, são iguais a zero.

Portanto, ligando o eletrodo de hidrogênio com um eletrodo de outro metal, medimos a diferença de potencial dessa pilha formada com um voltímetro e, então, sabemos o valor do potencial-padrão do metal.

Por exemplo, digamos que formemos uma pilha em que um eletrodo é de zinco e o outro é o de hidrogênio. O valor medido no voltímetro é igual a - 0,76 V.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Pilha zinco-hidrogênio usada para medir o potencial-padrão do zinco

O fato de ter dado um valor negativo indica que a corrente está fluindo do eletrodo de zinco para o eletrodo de hidrogênio. Isso significa que nesse caso o zinco é o ânodo (polo negativo, onde o zinco metálico sofre oxidação, perdendo elétrons), e o hidrogênio é o cátodo (polo positivo, onde os cátions de hidrogênio sofrem redução, ganhando elétrons).

 Sabendo que o potencial-padrão do hidrogênio é igual a zero, podemos descobrir o potencial-padrão do zinco:

Semirreação do ânodo: Zn( s)   ↔  Zn2+(aq) + 2 e-

Semirreação do cátodo: 2 H3O+(aq) + 2 e-  ↔  H2(g) + 2 H2O(?)

ΔE0 = E0red (cátodo) - E0 red (ânodo)
- 0,76 = Ered H2 - Ered Zn2+
- 0,76 = 0  - Ered Zn2+
Ered Zn2+ = - 0,76 V

Assim, descobrimos que o potencial-padrão de redução do zinco é – 0,76 V. O seu potencial-padrão de oxidação é numericamente igual, mas com sinal contrário, isto é, +0,76 V.

Agora considere uma pilha formada entre o eletrodo de cobre e o de hidrogênio:

Pilha cobre-hidrogênio usada para medir o potencial-padrão do cobre

Dessa vez, o voltímetro marcou um valor positivo, igual a + 0,34. Isso quer dizer que agora ocorre o contrário da pilha anterior, a corrente está fluindo do eletrodo de hidrogênio para o eletrodo de cobre. O hidrogênio é o ânodo (polo negativo, onde o gás hidrogênio sofre oxidação, perdendo elétrons), e o cobre é o cátodo (polo positivo, onde os cátions de cobre sofrem redução, ganhando elétrons).

Seguindo o mesmo raciocínio da pilha anterior, temos:

Semirreação do ânodo: H2(g) + 2 H2O(?) ↔  2 H3O+(aq) + 2 e- 

Semirreação do cátodo: Cu2+(aq) + 2 e- ↔  Cu( s)  

ΔE0 = E0red (cátodo) - E0 red (ânodo)
+ 0,36 = Ered Cu2+ - Ered H2
+ 0,36 = Ered Cu2+ - 0 
Ered Cu2+ = + 0,36 V

O potencial-padrão de redução do cobre é igual a + 0,36 V e o seu potencial-padrão de oxidação é + 0,36 V.

Desse modo foi possível obter experimentalmente os valores de potenciais-padrão de redução de vários metais e os de oxidação dos seus cátions. Também foram obtidos os potenciais-padrão de oxidação de alguns ametais e de redução de seus ânions. Esses valores estão na tabela abaixo:

Tabela de potenciais-padrão de redução e de oxidação

O eletrodo de gás hidrogênio é usado como padrão de referência para se descobrir os potenciais-padrão de redução dos outros eletrodos
O eletrodo de gás hidrogênio é usado como padrão de referência para se descobrir os potenciais-padrão de redução dos outros eletrodos
Publicado por: Jennifer Rocha Vargas Fogaça
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

(PUC-MG) O valor do ΔE0 para a célula representada pela equação:
2 Ag+(aq) + Mg(s) → 2 Ag(s) + Mg2+(aq)
conhecendo-se os potenciais-padrão de redução:
Ag+ + e? Ag(s) E0 = +0,80 volt
Mg+2 + 2 e ? Mg(s) E0 = –2,37 volts
é igual a:

a) +3,17 volts.
b) +1,57 volt.
c) +0,77 volt.
d) –3,17 volts.
e) –0,77 volt.

Questão 2

(PUC-PR) Uma célula galvânica é constituída de 2 eletrodos:

1º eletrodo: 1 lâmina de ferro metálico submersa numa solução de FeSO4 1M.

2º eletrodo: 1 lâmina de prata metálica submersa numa solução de AgNO3 1M.

Sabendo-se que os potenciais normais de redução desses dois elementos são:

Fe+2 + 2e-? Fe           E0= - 0,44 V
Ag+ + 1e- ? Ag           E0= + 0,80 V

o potencial dessa célula, quando os dois eletrodos são ligados entre si internamente por uma ponte salina e externamente por um fio de platina, será:

a) + 0,36 V

b) - 0,36 V

c) - 1,24 V

d) - 1,36 V

e)+ 1,24 V 

Mais Questões
Assuntos relacionados
O ágar-ágar é uma substância gelatinosa extraída de algas vermelhas e é utilizado nas extremidades do tubo da ponte salina
A Ponte Salina das Pilhas
Descubra por que é preciso que se use uma ponte salina ou uma parede porosa para o bom funcionamento de uma pilha.
O alumínio metálico produzido por eletrólise encontra-se no estado líquido
Produção de alumínio por eletrólise
O alumínio é atualmente um dos metais mais empregados em estruturas metálicas e na produção de objetos. Veja como ele é obtido industrialmente.
Ilustração da pilha de Daniell
Pilha de Daniell
Conheça a pilha de Daniell ou pilha de zinco-cobre, como ela é montada e seu funcionamento.
O potencial da pilha é calculado a partir dos potenciais de oxidação ou redução
Cálculo do potencial de uma pilha
Clique e aprenda a realizar o cálculo do potencial de uma pilha!
A equação de Nernst é utilizada no potenciômetro (representado na imagem), equipamento que mede o pH ou o Kps de uma solução
Equação de Nernst
Clique e aprenda a determinar a voltagem de uma pilha em um determinado momento do seu funcionamento por meio da Equação de Nernst!
Equipamento que determina pH de solução por meio do cálculo com a equação de Nernst
Cálculos com a equação de Nernst
Veja como realizar os cálculos com a equação de Nernst para determinar valores de pH ou Kps de uma solução.
O cloro utilizado em piscinas passa por Eletrólise.
Como obter cloro líquido?
Aprenda sobre Eletrólise e como esse processo transforma gases em líquidos.
Esquema da pilha alcalina por dentro
Pilhas alcalinas
As pilhas alcalinas são essencialmente aquelas que possuem uma base como eletrólito em vez de um ácido.
Tubos de aço galvanizado
Galvanização
A corrosão de peças de ferro e de aço traz muitos prejuízos econômicos e ambientais. Conheça uma das alternativas para impedir isso, a galvanização.
Medindo a força eletromotriz ou diferença de potencial de uma pilha
Diferença de potencial de uma pilha
Entenda o que é a diferença de potencial de uma pilha (ddp) ou força eletromotriz, como ela pode ser medida e também calculada.