Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Biografias
  3. Elizabeth II

Elizabeth II

A rainha Elizabeth II assumiu o trono britânico em 1952, sendo coroada em 1953. Era filha de Jorge VI e tornou-se rainha por ocasião da morte de seu pai. Sua ascensão ao poder era improvável, uma vez que ela era filha do segundo herdeiro na linha de sucessão do trono inglês.

Ficou noiva e casou-se em 1947 com Philip, príncipe da Grécia e Dinamarca. Desse casamento, nasceram quatro filhos. Elizabeth II é a monarca de reinado mais longevo da história da coroa britânica.

Leia também: A gestão de Margaret Thatcher foi um dos períodos mais marcantes do reinado de Elizabeth

Nascimento e infância

Elizabeth Alexandra Mary, conhecida a partir de 1952 como rainha Elizabeth II, nasceu em Londres, no dia 21 de abril de 1926. Ele era filha de Albert Frederick Arthur George, o duque de York, e de Lady Elizabeth Bowes-Lyon. Durante o nascimento de Elizabeth, o rei do Reino Unido era Jorge V, e seu pai, o duque de York, era o segundo na linha de sucessão ao trono inglês.

Elizabeth II em foto de sua juventude. Ela se casou com 21 anos de idade e tornou-se rainha do Reino Unido aos 25 anos. [1]
Elizabeth II em foto de sua juventude. Ela se casou com 21 anos de idade e tornou-se rainha do Reino Unido aos 25 anos. [1]

Quando Elizabeth nasceu, ela se tornou a terceira na linha de sucessão, estando atrás de seu tio Edward (Eduardo, em português) – filho mais velho de Jorge – e George (Jorge, em português), o duque de York e seu pai. Os pais de Elizabeth tiveram apenas duas filhas, sendo Elizabeth a filha mais velha do casal e Margaret a filha mais nova.

Elizabeth foi batizada na Igreja Anglicana, como é costume de toda a família real britânica, e teve uma educação digna de sua posição. Apesar disso, ela não era das mais cotadas para assumir o trono britânico, já que seu tio Eduardo era o primeiro na linha de sucessão e, caso ele tivesse filhos, eles estariam à frente de Elizabeth na linha sucessória.

Além disso, caso o pai de Elizabeth tivesse algum filho, este também estaria à frente de Elizabeth porque havia uma tradição de dar a preferência para o primogênito do sexo masculino na sucessão do trono britânico.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O ano de 1936 foi um momento de virada importante na vida de Elizabeth. Foi nesse ano que o seu avô, Jorge V, faleceu, em janeiro. Com isso, o seu tio foi coroado, tornando-se Eduardo VIII. Entretanto, o reinado dele durou menos de um ano porque ele abdicou do trono para casar-se com uma norte-americana divorciada chamada Wallis Simpson.

A posição conservadora da política e da sociedade britânica gerou uma crise institucional no Reino Unido quando Eduardo VIII anunciou seus planos de casar-se com Wallis. Como a opinião pública era contrária ao seu casamento, ele decidiu renunciar ao trono em favor de seu irmão, que foi coroado em 11 de dezembro de 1936 como Jorge VI.

Com isso, Elizabeth tornou-se a herdeira imediata ao trono britânico. No entanto, como mencionado, se seu pai tivesse um filho, este tomaria seu lugar na linha de sucessão. Quando seu pai foi coroado rei do Reino Unido, Elizabeth tinha apenas 10 anos de idade.

Leia também: Monarquia – a forma de governo mais antiga em vigência nos dias atuais

Participação na Segunda Guerra

Em 1939, o Reino Unido declarou guerra à Alemanha depois que a Polônia foi invadida por tropas germânicas. Iniciou-se então a Segunda Guerra Mundial, que se estendeu por um período de seis anos, tornando-se um dos maiores conflitos da história e também o responsável por grande destruição material e mortes.

Parte dos anos de guerra, Elizabeth residiu no Castelo de Windsor. Todavia, no último ano do conflito, ela aderiu ao Auxiliary Territorial Service, um grupamento de mulheres que serviam como voluntárias em funções variadas para o exército britânico. Nesse serviço, foi treinada como motorista e mecânica. Ao final da guerra, a futura rainha contou que saiu às ruas para comemorar a vitória dos Aliados com sua irmã. Nessa época, ela tinha apenas 19 anos.

Casamento e coroação

Elizabeth casou-se em 20 de novembro de 1947 com Philip, príncipe da Grécia e da Dinamarca. Elizabeth e Philip são parentes, algo que é muito comum entre as famílias reais europeias. Eram primos em segundo grau por descendência de Cristiano IX da Dinamarca e primos de terceiro grau por descendência da Rainha Vitória.

Elizabeth casou-se com Philip em 20 de novembro de 1947 e tiveram quatro filhos.[2]
Elizabeth casou-se com Philip em 20 de novembro de 1947 e tiveram quatro filhos.[2]

Os dois se conheceram em 1939, quando Elizabeth tinha 13 anos. Depois desse encontro, ela disse para algumas pessoas próximas que estava apaixonada por Philip. Logo depois os dois começaram a trocar cartas. Ficaram noivos em julho de 1947 e, em novembro, casaram-se na Abadia de Westminster, em Londres. O casamento gerou controvérsias, uma vez que Philip tinha alguns parentes com associações claras com nazistas.

Para casar-se com Elizabeth, Philip foi obrigado a abandonar os seus títulos das coroas dinamarquesa e grega, além de ter se convertido ao anglicanismo. Ele também teve de adotar o sobrenome Mountbatten, nome herdado de seus parentes britânicos. Ao longo de sua vida, Elizabeth e Philip tiveram quatro filhos: Charles, Anne, Andrew e Edward.

Aos 25 anos, Elizabeth tornou-se rainha do Reino Unido, no dia 6 de fevereiro de 1952, o dia que seu pai, Jorge VI, faleceu. No último ano do reinado de Jorge VI, sua saúde estava muito debilitada em razão do câncer de pulmão, doença que o matou. Isso fez com que Elizabeth o substituísse em eventos públicos com grande frequência, afinal, ela era a herdeira do trono.

Quando seu pai faleceu, Elizabeth e seu marido estavam em viagem, mais especificamente no Quênia. Após o falecimento do pai, ela retornou imediatamente para a Inglaterra e, nesse mesmo dia, um conselho se reuniu no Reino Unido e anunciou que ela sucederia o trono. Os preparativos para a coroação de Elizabeth duraram quase um ano.

Em março de 1953, sua mãe faleceu, mas os preparativos seguiram, e Elizabeth foi coroada rainha do Reino Unido, tornando-se Elizabeth II. Sua cerimônia de coroação aconteceu em 2 de junho de 1953 e foi a primeira do tipo que foi televisionada.

Acesse também: Commonwealth, a república puritana de Cromwell na Inglaterra

Reinado e sucessão

A rainha Elizabeth segue no trono britânico e, em 2017, recebeu o Jubileu de Safira, uma homenagem por ter completado 65 anos no trono. Ela é a única monarca a receber essa homenagem em toda a história da monarquia britânica, o que significa que nunca antes na história um monarca britânico ficou tanto tempo no trono.

Na imagem estão Charles, William (ambos de vermelho), George (no colo de William) – herdeiros do trono – e a rainha Elizabeth. [3]
Na imagem é possível ver Charles, William (ambos de vermelho), George (no colo de William) – herdeiros do trono – e a rainha Elizabeth. [3]

A rainha Elizabeth II é extremamente discreta, evitando aparições públicas frequentes, além de não ter o costume de realizar entrevistas. Apesar de ser rainha, os poderes dela são bastante limitados, porque ela é chefe de Estado, e não chefe de Governo. Na monarquia constitucional inglesa, a função de chefe de Governo é exercida pelo primeiro-ministro.

Atualmente, seu filho Charles, nascido em 1948, é o primeiro na linha de sucessão ao trono britânico. O filho mais velho de Charles com Diana, conhecido como príncipe William, é, por sua vez, o segundo na linha de sucessão. Essa ordem segue com o filho mais velho do príncipe William, chamado George, que é o terceiro na linha de sucessão.

Créditos da imagem:

[1] McCarthy's PhotoWorks e Shutterstock

[2] neftali e Shutterstock

[3] Lorna Roberts e Shutterstock

Publicado por: Daniel Neves Silva
Assuntos relacionados
Estátua da rainha Vitória, símbolo do apogeu do Império Britânico
Rainha Vitória e o apogeu do Império Britânico
Com a influência política e comportamental, a rainha Vitória emprestou seu nome a uma era de fortalecimento do imperialismo britânico.
Margaret Thatcher, primeira-ministra britânica entre 1979 e 1990, também conhecida como a Dama de Ferro.*
Margaret Thatcher, a Dama de Ferro
De perfil conservador, Margaret Thatcher marcou a política britânica na década de 1980.
A Família Real inglesa é uma das famílias reais mais tradicionais e um símbolo das monarquias no mundo todo.*
Monarquia
Clique aqui para saber mais a respeito da forma de governo mais antiga que existe atualmente: a monarquia. Conheça os modelos e as características das monarquias.
Em 23 de junho de 2016, o Reino Unido, por meio de um referendo, saiu da União Europeia.
Saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit)
Saiba o que foi o Brexit, isto é, a saída do Reino Unido da União Europeia e entenda por que esse fato é tão importante para o mundo atual.