Anglicanismo

Ao contrário dos primeiros movimentos protestantes que tomaram conta da Europa no século XVI, o anglicanismo surgiu em torno de questões que envolviam diretamente os interesses da monarquia britânica. A monarquia Tudor, que na época controlava o trono inglês, buscava meios para reforçar a autoridade real frente à forte influência das autoridades eclesiásticas. Tal disputa se sustentava principalmente no fato da Igreja ter em mãos uma grande extensão de terras sob o seu controle.

Na Inglaterra, o rei Henrique VIII (1491 – 1547) teve grande importância na consolidação da reforma religiosa. Henrique VIII e a Igreja já tinham uma relação pouco harmoniosa quando, no ano de 1527, o rei inglês exigiu que o papa anulasse seu casamento com a rainha espanhola Catarina de Aragão. Henrique VIII alegava que sua esposa não teve condições para lhe oferecer um herdeiro forte e saudável que desse continuidade à sua dinastia.

O papa Clemente VII resolveu não atender as súplicas do monarca britânico. Isso porque o tio de Catarina de Aragão, o rei Carlos V, estava auxiliando a Igreja contra o avanço dos luteranos no Sacro Império Romano Germânico. Inconformado com a indiferença papal, Henrique VIII obrigou o Parlamento britânico a votar uma série de leis que colocavam a Igreja sob o controle do Estado. No ano de 1534, o chamado Ato de Supremacia criou a Igreja Anglicana.

Segundo os ditames da nova Igreja, o rei da Inglaterra teria o poder de nomear os cargos eclesiásticos e seria considerado o principal mandatário religioso. A partir dessa nova medida, Henrique VIII casou-se com a jovem Ana Bolena. Além disso, realizou a expropriação e a venda dos feudos pertencentes aos clérigos católicos. Essa medida fez com que os nobres, fazendeiros e a burguesia mercantil passassem a exercer maior influência política.

No governo de Elizabeth I (1533 – 1603), novas medidas foram tomadas para reafirmar o poder da Igreja Anglicana. Alguns dos traços do protestantismo foram incorporados a uma hierarquia e uma tradição litúrgica ainda muito próximas às do catolicismo. Essa medida visava minimizar a possibilidade de um conflito religioso que desestabilizasse a sociedade britânica. No seu governo foi assinado o Segundo Ato de Supremacia, que reafirmou a autonomia religiosa da Inglaterra frente à Igreja Católica.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Os interesses pessoais e políticos motivaram Henrique VIII a romper relações com a Igreja Católica.
Os interesses pessoais e políticos motivaram Henrique VIII a romper relações com a Igreja Católica.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
A troca de alianças simboliza o compromisso firmado pelos noivos
História do casamento
Clique para conhecer os papeis desempenhados pelo casamento ao longo da história humana!
O Concílio de Trento reformulou as posições da Igreja Católica frente ao avanço protestante.
Contrarreforma
Saiba mais sobre a Contrarreforma, a reação da Igreja Católica frente às consequências da Reforma Protestante.
Anabatistas e a igualdade social
Pregando a igualdade social, os anabatistas se revoltaram contra a nobreza e foram duramente reprimidos. Saiba mais!
Gravura de Thomas Müntzer (1488-1525)
Thomas Müntzer e a Reforma Protestante
Conheça os posicionamentos religiosos de Thomas Müntzer e sua participação nas lutas dos camponeses alemães no século XVI.
Jan Huss sendo queimado em uma fogueira, em representação do século XV
Jan Huss e os primórdios da Reforma
Conheça as principais ideias de Jan Huss e os motivos que o levaram a ser queimado na fogueira.
Retrato de Jan Zizka, principal líder dos hussitas
Revolução Hussita e a crise do catolicismo
Conheça a Revolução Hussita e sua importância para a Reforma Protestante.
A reunião do Concílio de Trento foi importante para o processo de ação contrarreformista da Igreja Católica
Concílio de Trento
Saiba mais sobre o Concílio de Trento e as suas consequências para o contexto da Europa do século XVI.
A Reforma Luterana promoveu a criação de uma nova denominação cristã na Europa.
Reforma Luterana
Reforma Protestante, Martinho Lutero, Luteranismo, Wittenberg, Sacro Império Germânico, papa Leão X, Dieta de Worms, Wartburg, anabatistas, Filipe Melanchthon, 95 teses, Paz de Augsburg.
Huldrych Zwingli e João Calvino: os principais líderes da reforma no interior da Suíça.
Calvinismo
Calvinismo, Reforma Calvinista, Genebra, Zurique, Basiléia, Berna, Huldrych Zwingli, zwinglianismo, Paz de Kappel, João Calvino, “Instituições da religião cristã”, Teoria da Predestinação Absoluta.