Epistasia

A epistasia é uma situação em que um gene influencia a ação de outro, inibindo-a. O gene que inibe é chamado de gene epistático, e o inibido é chamado de hipostático.

A epistasia (do grego epi: sobre e stasia: inibição) pode ser definida como um processo em que um gene mascara ou interrompe a ação de outro gene não alelo. Isso quer dizer que um gene terá ação inibitória sobre outro gene, sendo um caso, portanto, de interação gênica.

O gene que exerce a ação inibitória é chamado de gene epistático, e o gene que sofre a inibição é o hipostático. Quando o gene epistático atua em dose simples e já é capaz de causar a inibição de outro gene, dizemos que a epistasia é dominante. Algumas vezes, no entanto, para garantir a inibição de um gene, o gene epistático deve aparecer em dose dupla, o que configura a epistasia recessiva.

Exemplo de epistasia recessiva

A epistasia recessiva pode ser observada, por exemplo, na coloração do pelo de labradores (veja figura no início do texto). Esses animais podem apresentar coloração preta, marrom ou dourada, o que é determinado por dois genes: o “b” e o “e”. O alelo B determina a cor preta, o alelo b determina a cor marrom e os alelos ee determinam a cor dourada.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A cor dourada, portanto, ocorre quando o indivíduo apresenta constituição recessiva ee, que é epistática ao gene B. Assim, um indivíduo com coloração dourada poderia apresentar os seguintes genótipos: BBee, Bbee, bbee. Veja que, independentemente do alelo ser B ou b, os alelos ee inibem sua ação.

Exemplo de epistasia dominante

Um exemplo que podemos citar de epistasia dominante ocorre na plumagem em galinhas. O alelo C determina plumagem colorida e o alelo c determina plumagem branca. O alelo I, no entanto, é epistático e, se ocorrer no indivíduo, impedirá o desenvolvimento de plumagem colorida.

Assim sendo, um indivíduo será branco quando apresentar genótipo com o alelo c em homozigose (cc) ou quando apresentar um alelo epistático I. Para que tenha pelagem colorida, por sua vez, a ave deve apresentar um alelo C e nenhum alelo I: CCii ou Ccii.

Atenção: É importante frisar que, em casos de epistasia, podem ocorrer distorções nas frequências mendelianas esperadas.

A pelagem dos labradores é um exemplo de epistasia recessiva
A pelagem dos labradores é um exemplo de epistasia recessiva
Publicado por: Vanessa Sardinha dos Santos
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

A epistasia pode ser definida como

a) um problema genético em que uma alteração estrutural leva à inativação de um gene.

b) um processo em que dois genes expressam-se no mesmo momento.

c) um problema genético em que se observa o rompimento de um gene.

d) um processo em que um gene mascara ou impede a ação de outro.

e) um processo em que um gene desencadeia a produção de proteínas que destrói outro gene.

Questão 2

A epistasia é um caso de

a) codominância.

b) alelos múltiplos.

c) interação gênica.

d) alteração cromossômica.

e) recombinação genética.

Mais Questões
Assuntos relacionados
O DNA é um acido nucleico que se relaciona com a hereditariedade
DNA
Saiba mais sobre o DNA (ácido desoxirribonucleico), um ácido nucleico que garante a transmissão da informação genética de um indivíduo para outro.
Os genes são porções de DNA contidas nos cromossomos
Genes e cromossomos
Aprenda mais sobre genes e cromossomos, dois conceitos que são relacionados entre si e essenciais para a compreensão dessa parte da Biologia.
Genótipo e Fenótipo
Clique e entenda as particularidades e relações entre genótipo e fenótipo.
Os cromossomos são fios de DNA associados a proteínas
Cromossomos
Amplie seus conhecimentos sobre cromossomos e entenda sua classificação!
Os cromossomos apresentam genes que determinam nossas características
Homozigoto e heterozigoto
Entenda o significado dos termos homozigoto e heterozigoto e amplie seus conhecimentos em Genética, a ciência que estuda a hereditariedade.