Whatsapp icon Whatsapp

Inquilinismo

O inquilinismo é uma relação ecológica harmônica e interespecífica. Isso significa que nele temos uma interação entre indivíduos de espécies diferentes que resulta em uma associação em que nenhum dos envolvidos é prejudicado. Como exemplo de inquilinismo, podemos citar as plantas epífitas, que crescem sobre o tronco de outras árvores sem retirar delas nenhum nutriente.

Leia mais: Relações ecológicas – intraespecíficas ou interespecíficas e harmônicas ou desarmônicas

O que é o inquilinismo?

O inquilinismo é uma relação ecológica em que indivíduos de espécies diferentes interagem, porém apenas uma espécie beneficia-se da interação, e a outra não é prejudicada nem beneficiada.

No inquilinismo temos o organismo chamado de inquilino e o hospedeiro. O inquilino estabelece-se no corpo do hospedeiro de modo a conseguir abrigo, proteção ou suporte sem causar nenhum dano a esse outro ser vivo. O hospedeiro, nesse caso, diferencia-se do hospedeiro presente em uma relação de parasitismo, pois, nesta, o parasita retira os nutrientes de que precisa do outro organismo.

Plantas epífitas desenvolvem-se sobre outras sem retirar nenhum nutriente da planta que está servindo de suporte.
Plantas epífitas desenvolvem-se sobre outras sem retirar nenhum nutriente da planta que está servindo de suporte.

Exemplos de inquilinismo

  • Plantas epífitas que vivem sobre o tronco de árvores

As epífitas são, sem dúvidas, o exemplo mais conhecido de inquilinismo. Essas plantas, como bromélias e orquídeas, desenvolvem-se sobre o tronco de outras plantas (chamadas de forófitos), porém não causam nenhum prejuízo às plantas onde crescem. Diferentemente das chamadas plantas parasitas, que retiram nutrientes da planta hospedeira, as epífitas são capazes de retirar as substâncias necessárias para sua sobrevivência, por exemplo, da umidade atmosférica e detritos acumulados.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

As epífitas, ao desenvolverem-se no tronco de outras plantas, têm maior acesso à luminosidade, sendo esse um grande benefício para o vegetal, uma vez que são encontradas preferencialmente em florestas tropicais úmidas, as quais se destacam por possuírem copas das árvores que impedem que grande parte da luz solar atinja o solo. A planta epífita, portanto, ao desenvolver-se nesses locais, consegue condições ideais para sua sobrevivência sem causar benefícios ou prejuízos ao forófito.

Leia também: Nutrientes inorgânicos essenciais das plantas

  • Fierásfer e pepino-do-mar

O pepino-do-mar estabelece uma relação com o fierásfer. Nessa associação, o corpo do pepino-do-mar serve de abrigo para o peixe.
O pepino-do-mar estabelece uma relação com o fierásfer. Nessa associação, o corpo do pepino-do-mar serve de abrigo para o peixe.

Outro exemplo de inquilinismo bastante conhecido é a relação entre o peixe, conhecido como fierásfer ou peixe-agulha, e o pepino-do-mar. Esse pequeno peixe abriga-se do interior do corpo do pepino-do-mar, saindo para alimentar-se e depois voltando para o interior do equinodermo. O fierásfer, portanto, consegue proteção dentro do corpo do pepino-do-mar sem prejudicá-lo ou causar prejuízo.

Inquilinismo ou comensalismo?

Alguns autores classificam o inquilinismo como comensalismo. Isso se deve ao fato de que o comensalismo é uma relação ecológica interespecífica na qual um dos envolvidos é beneficiado e o outro não tem prejuízo ou benefício com essa associação, assim como ocorre no inquilinismo.

Os autores que aceitam essas duas relações como distintas consideram o inquilinismo uma relação ecológica que está associada à obtenção de abrigo ou suporte, enquanto o comensalismo preocupa-se apenas com a alimentação, com um organismo alimentando-se dos restos alimentares de outro.

Leia também: Comensalismo, uma relação ecológica interespecífica

Exercício sobre inquilinismo

Veja uma questão que aborda o tema inquilinismo:

(UFCG) Existem inúmeras formas de associação entre os seres vivos nas relações ecológicas e, consequentemente, uma classificação. A relação interespecífica harmônica, em que uma espécie é beneficiada e a outra nada sofre, é classificada como:

a) Mutualismo e amensalismo.

b) Comensalismo e mutualismo.

c) Mutualismo e inquilinismo.

d) Comensalismo e amensalismo.

e) Inquilinismo e comensalismo.


Resposta: Letra “e”, pois tanto o inquilinismo como o comensalismo são relações ecológicas que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes, e não há prejuízo para nenhum dos envolvidos. Devido à semelhança entre as duas relações, o inquilinismo é considerado por muitos autores como comensalismo. O mutualismo é uma relação interespecífica harmônica em que ambos os envolvidos são beneficiados. O amensalismo é uma relação interespecífica desarmônica.

Publicado por Vanessa Sardinha dos Santos

Artigos Relacionados

Colônia
Compreenda o que é colônia, conheça seus principais tipos e entenda a diferença dessa relação ecológica quando comparada à sociedade, clicando aqui.
Ecologia
Entenda mais sobre ecologia, aqui! Conheça o conceito de ecologia, os níveis de organização estudados nessa ciência, e alguns de seus conceitos básicos.
População e comunidade
Aprenda a diferença entre população e comunidade e amplie seus conhecimentos sobre os níveis de organização em Ecologia.
Predatismo
Uma relação ecológica interespecífica desarmônica, manifesta pela ação predatória.
Relações ecológicas
Você sabe o que são as relações ecológicas? Descubra o que são e os tipos existentes, além de conferir uma lista com exemplos e exercícios resolvidos sobre o tema.
Relações ecológicas interespecíficas
As relações ecológicas interespecíficas são classificadas em harmônicas e desarmônicas dependendo do tipo de relação que as espécies estabelecem entre si.
Relações ecológicas intraespecíficas
Saiba quais são os tipos de relações ecológicas intraespecíficas existentes e compreenda a diferença com as relações ecológicas interespecíficas.
video icon
Texto"Matemática do Zero | Soma dos ângulos externos de um polígono convexo" em fundo azul.
Matemática do Zero
Matemática do Zero | Soma dos ângulos externos de um polígono convexo
Nessa aula demonstrarei a fórmula da soma dos ângulos externos de um polígono convexo qualquer e como encontrar a medida de cada ângulo externo.