Condiloma acuminado

O condiloma acuminado é uma doença sexualmente trans- missível causada pelo Papilomavirus humano (HPV), compreendendo mais de cem subtipos e, de acordo com estes, manifestações espe- cíficas. Estes têm preferência pelo epitélio da mucosa que reveste a vagina e o colo do útero.

Em alguns tipos há a manifestação de pequenas lesões, difíceis de serem visualizadas. Entretanto, na maioria dos casos, a doença não oferece manifestações detectáveis.

As variedades 16, 18, 45 e 56, por exemplo, podem ser responsáveis pelo surgimento do câncer de colo de útero e vulva e, mais raramente, de pênis e ânus, sendo percebidos via exames genitais de rotina.

Podem também aparecer pólipos nas cordas vocais e verrugas de tamanhos variáveis e aspecto de couve-flor, na mucosa genital e na pele – mais frequentemente em pessoas imunocomprometidas.

Jacaré, jacaré de crista, crista de galo, cavalo de crista, figueira e verruga genital são alguns sinônimos desta DST.

TRANSMISSÃO

O contato direto com a região infectada, mesmo que a pessoa saudável não esteja com lesões na região, é a principal forma de transmissão deste vírus. Vale lembrar que, mesmo em casos de sexo oral ou anal, o indivíduo está sujeito à doença.

Mães podem transmiti-las aos recém-nascidos durante o parto. Toalhas, roupas íntimas, vasos sanitários, banheiras, saunas, instrumentais ginecológicos, dentre outros objetos compartilhados com pessoas contaminadas podem também, embora em porcentagem bem menor.

Vale lembrar que homens, apesar de raramente desenvolverem a doença, são capazes de transmiti-la com eficiência. Felizmente, parte significativa das pessoas que têm contato com este vírus desenvolve imunidade para o subtipo específico.

PREVENÇÃO

O uso da camisinha é capaz de evitar a maioria das contaminações, visto que o vírus pode estar alojado em outra região que não seja, necessariamente, o pênis.

Mulheres, inclusive as gestantes, devem fazer, pelo menos uma vez ao ano, o papanicolau, a fim de verificar a presença de alterações celulares típicas e, caso seja confirmada, iniciar tratamento específico.

Em 2006 foi aprovada uma vacina capaz de prevenir alguns tipos mais comuns (e perigosos) da doença, administrada em três doses. Entretanto, questões como público-alvo e gratuidade x valores estão, ainda, sendo discutidas.


TRATAMENTO

Não há medicação específica para o papilomavírus, mas, no entanto, métodos químicos, quimioterápicos, imunoterápicos e cirúrgicos podem ser utilizados para que o tecido adoecido seja destruído.
É necessário que o parceiro seja avaliado, a fim de detectar ou não a doença.

Abstinência sexual, neste período, é indicada.
 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia

O uso da camisinha é capaz de evitar a maioria das contaminações
O uso da camisinha é capaz de evitar a maioria das contaminações
Publicado por: Mariana Araguaia de Castro Sá Lima
Assuntos relacionados
A vacina contra HPV será oferecida pelo SUS inicialmente para meninas de 11 a 13 anos de idade
Vacinação contra HPV
Compreenda o que é o HPV e a importância da vacinação em meninas que ainda não tiveram a primeira relação sexual.
HPV é um vírus capaz de infectar pele e mucosas.
HPV
Você já ouviu falar em HPV? Clique aqui e saiba mais sobre esse vírus. Neste texto, abordaremos os diferentes tipos de HPV, os sintomas da infecção por esse grupo de vírus, como é o HPV em homens, as formas de transmissão, de tratamento e de prevenção desse vírus. Falaremos também sobre a vacina contra HPV.
Bactéria Chlamydia
Clamídia
Clamídia, o que é clamídia, bactéria que provoca a clamídia, sintomas da clamídia, tratamento para a clamídia, prevenção contra a clamídia.
Células epiteliais infectadas por Gardnerella vaginalis.
Gardnerella
Vaginose cujo agente causador é uma bactéria, típica da flora vaginal.