Whatsapp icon Whatsapp

Tivesse e estivesse

Tivesse e estivesse: uma forma pertence ao verbo estar; e a outra, ao verbo ter
Tivesse e estivesse: uma forma pertence ao verbo estar; e a outra, ao verbo ter

Tivesse e estivesse... Ambas as formas verbais nos fazem recordar daquelas palavras existentes na língua, que apresentam aspectos semelhantes, seja no som, seja na grafia. Em razão desses aspectos, outra recordação também insiste em vir à tona – a ocorrência daqueles inevitáveis desvios que às vezes cometemos, por descuido ou por falta de um conhecimento mais amplo acerca dos casos que regem os fatos linguísticos de forma geral.

Sim, “tivesse” e “estivesse” se enquadram nos famosos deslizes, escorregões, que nos derrubam e acabam comprometendo nossa performance linguística. Assim sendo, de modo a verificarmos acerca das características que nutrem tais formas, cerquemo-nos de algumas informações – por vezes necessárias:

A problemática reside no fato de que muitas pessoas utilizam as formas demarcadas pela terceira pessoa do singular (tivesse), bem como a terceira pessoa do plural (tivessem) no lugar de estivesse/estivessem. Assim, é muito comum nos depararmos com discursos materializados mais ou menos assim:

Nada disso teria acontecido se eu tivesse lá.

De forma a sanar esse questionamento, uma boa dica é analisar se depois do verbo aparece um termo que indique lugar, o qual, no exemplo em questão, é evidenciado por meio do adjunto adverbial “lá”. Alguém só pode “estar” em um local, ou seja, o uso do verbo “ter” é tido como inadequado. Assim sendo, tal discurso precisa ser reformulado: 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nada disso teria acontecido se eu estivesse lá.

O mesmo equívoco tende a estar presente também no futuro do subjuntivo, no qual a troca de uma forma pela outra é fator relevante. Assim, perceba o exemplo:

Quando eu tiver lá, não deixarei que nada aconteça. Quando na verdade deveria estar assim descrito:

Quando eu estiver lá, não deixarei que nada aconteça.

Com base nesses pressupostos elucidados, chegamos ao ápice de nossa discussão: apontar as diferenças existentes entre as formas verbais ora em estudo. Assim sendo, torna-se imperioso compreendermos que “tivesse” representa o pretérito imperfeito do modo subjuntivo, o qual exprime uma condição referente ao verbo “ter”; enquanto que “estivesse” pertence ao verbo “estar”. Constate que ambos os verbos tanto podem funcionar como principais, quanto auxiliares:

Se eu tivesse estudado para o concurso, teria obtido boa nota.
(funcionando como verbo auxiliar)

Se ela estivesse presente, faríamos a homenagem.
(funcionando como verbo principal)

Publicado por Vânia Maria do Nascimento Duarte

Artigos Relacionados

Dar-mos e Darmos
Dar-mos se refere à junção entre o pronome oblíquo “me” e o artigo masculino plural “os”; e darmos, à forma infinitiva flexionada.
Haja vista ou haja visto?
Haja vista ou haja visto: embora representem expressões usuais, apenas a primeira considera-se como adequada.
Perca ou perda? Qual usar?
Por que é errado quando dizemos “perca de tempo”?
Trata-se de ou tratam-se de?
Qual das duas formas é considerada correta: trata-se de ou tratam-se de? Dúvidas? Retire-as e ainda amplie sua competência linguística, clicando e conferindo!
video icon
Escrito"Educação e Cultura" sobre a imagem de um quadro-negro e livros.
Filosofia
Educação e Cultura
O que é educação? O que é cultura? Qual é a relação entre educação e cultura? Como a filosofia pensa a educação e a cultura? Assista a este vídeo e entenda!