Os tropeiros

O desenvolvimento da economia mineradora no Brasil foi responsável por uma série de transformações da colônia ao longo do século XVIII. O processo de interiorização promovido pelos bandeirantes, o incremento populacional, o enrijecimento fiscal da Coroa Portuguesa e a diversificação da sociedade são alguns dos poucos aspectos que podemos apontar nesse novo período. Contudo, não podemos resumir esse rico momento de nosso passado à extração do ouro e a cobiça metropolitana.

Nessa época, o cruzamento de um burro com uma égua foi responsável por toda articulação de uma nova fase da economia colonial. Contudo, não se trata de fazermos menção ao “papel histórico” de uma única mula, mas de todas as tropas de muares que carregaram em seu lombo os mantimentos e produtos que saíam de mais variadas regiões do país e, por conseguinte, abastecia as populações das regiões de Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás.

A necessidade desse transporte e a existência desse fluxo comercial foram, em grande parte, incentivadas pela própria Coroa Portuguesa. No início da atividade mineradora, a administração metropolitana proibiu o desenvolvimento da pecuária e da agricultura nas regiões exploradas. Tal ação tinha por objetivo reduzir ao máximo a quantidade de escravos envolvidos com outras atividades que não tivessem ligação direta com a extração de metais e pedras preciosas.

Dessa forma, o tropeirismo surgia como uma nova atividade que promovia a interligação dos polos econômicos antes inexistentes. As mercadorias importadas e alimentos eram trazidos no lombo de mulas que cortavam várias trilhas capazes de integrar diferentes pontos do território. Quando não aproveitavam as estradas há muito tempo abertas pelos índios, os tropeiros tinham o trabalho de desbravar a mata virgem para a criação de novas rotas.

Vale destacar que a obtenção das mulas utilizadas para a formação das tropas era um capítulo a parte nessa história. Boa parte dos animais era obtida no Rio Grande do Sul por meio do contrabando que buscava as mulas na região da colônia espanhola de Montevidéu. A preferência dada às mulas criadas nos pampas era justificada pela maior resistência apresentada.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

As mulas atravessavam longas estradas transportando a riqueza produzida na colônia.
As mulas atravessavam longas estradas transportando a riqueza produzida na colônia.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
D. João VI, rei de Portugal que transferiu a Corte para o Brasil em 1807-1808*
Período Joanino
Entenda as transformações ocorridas no Brasil durante o Período Joanino, iniciado com a transferência da corte portuguesa em 1808.
Filipe II, o rei que uniu as coroas portuguesa e espanhola.
União Ibérica
União Ibérica, História do Brasil, Brasil Colônia, Dom Sebastião, Dom Henrique, Filipe II, dominação colonial, Restauração, Invasão Holandesa, Tratado de Madri, uti possidetis.
Os feitos de Calabar incitam um acalorado debate historiográfico.
Domingos Fernandes Calabar
Um das mais polêmicas figuras da história colonial brasileira.
Tiradentes (esq.) e Cipriano Barata (dir.): personagens marcantes das revoltas coloniais brasileiras.
Revoltas Coloniais
Os levantes que marcaram o fim da colonização portuguesa no Brasil.
As irmandades leigas demonstram outro tipo de panorama sobre a sociedade colonial.
As irmandades leigas
Espaços de crença e socialização no interior da colônia.
O papel desempenhado pela mulher na colônia não se restringe à dominação.
A mulher no mundo colonial
Uma figura que nem sempre esteve fadada ao mando do homem.