Questão Religiosa

Ao longo do tempo, a Igreja e o Império Português consolidaram relações próximas nas esferas políticas e religiosas. No espaço colonial, membros da Igreja ocupavam posição de destaque auxiliando na administração e no regulamento dos costumes. Em contrapartida, o próprio Vaticano emitira, no século XVI, uma autorização para que os reis ibéricos pudessem tratar do ordenamento da Igreja nas regiões ultramares pelo chamado padroado régio.

Por meio desse sistema, o imperador acumulava as funções de nomear e sustentar os membros do clero nos espaços coloniais. Além disso, todas as bulas e encíclicas papais só teriam validade mediante a aprovação prévia do rei. No Brasil, mesmo com o estabelecimento da independência, esse modelo das relações entre Estado e Igreja acabou sendo preservado pelos apontamentos da Constituição de 1824.

Durante o Segundo Reinado, o sistema de padroado instaurou uma grave crise entre Dom Pedro II e os clérigos católicos brasileiros. Tudo começou em 1864, quando o papa Pio IX enviou uma bula que determinava, entre outras coisas, que todos os católicos envolvidos com a prática da maçonaria fossem imediatamente excomungados da Igreja. O anúncio acabou atingindo diretamente Dom Pedro II, que integrava os quadros da instituição censurada.

Valendo-se dos poderes garantidos pelo sistema de padroado, o imperador brasileiro formulou um decreto em que não reconhecia o valor da ordem dada pela Santa Sé. Inicialmente, a ação de D. Pedro II não teve maiores repercussões, tendo em vista que a maioria dos clérigos brasileiros apoiava incondicionalmente o regime monárquico. Entretanto, os bispos de Olinda e Belém preferiram acatar a orientação de Pio IX, promovendo a expulsão dos párocos envolvidos com a maçonaria.

Inconformado com a insubordinação destes bispos, o imperador reagiu com a condenação dos mesmos à reclusão e prestação de trabalhos forçados. Imediatamente, os membros da Igreja passaram a atacar o regime imperial dizendo que D. Pedro II cometera um ato de extremo rigor e autoritarismo. Mesmo anulando a decisão posteriormente, o governo imperial perdeu uma fundamental e influente base de apoio político ao regime.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

O conflito entre Dom Pedro II e a Igreja enfraqueceu os sustentáculos do regime imperial.
O conflito entre Dom Pedro II e a Igreja enfraqueceu os sustentáculos do regime imperial.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
O governo de Dom Pedro II, período de estabilidade e transformações.
A política do Segundo Reinado
Segundo Reinado, Brasil no século XIX, política no Segundo Reinado, a questão escravista, a política conciliatória de Dom Pedro II, o movimento abolicionista, a ascensão dos militares o fim do governo imperial.
Ilustração do século XIX retrata combate travado entre as duas forças durante a Guerra do Paraguai
Guerra do Paraguai
Clique e conheça as causas e os principais acontecimentos da Guerra do Paraguai (1864-1870), evento que trouxe mudanças aos países envolvidos.
Os conflitos da Revolução Praieira se espalharam pelas ruas de Recife.
Revolução Praieira
Revolução Praieira, liberais, conservadores, Recife, Diário Novo, Rua da Praia, eleições do cacete, Antônio Pinto Chicorro da Gama, conflitos, Olinda, Pedro Ivo, anistia, Dom Pedro II.
A Lei de Terras retardou a formação de uma classe de pequenos e médios proprietários no Brasil.
Lei de Terras de 1850
Lei de Terras, Lei de Terras de 1850, Segundo Reinado, políticas agrárias, elite agro-exportadora, Lei Eusébio de Queiroz, imigração, tráfico negreiro, compra de terras, políticas agrárias, concentração de terras.
As leis abolicionistas promoveram a abolição gradual, conforme desejavam as elites econômicas do Brasil.
Leis abolicionistas
Acesse e entenda quais foram as leis abolicionistas e o que elas decretaram. Entenda também o contexto da aprovação de cada uma delas.
Interesses econômicos e políticos distintos transformaram o Prata em uma região conflituosa.
O Império Brasileiro na região platina
As disputas políticas e conflitos militares que antecederam a Guerra do Paraguai.