Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Média
  4. Cisma do Oriente e a divisão do catolicismo

Cisma do Oriente e a divisão do catolicismo

O Cisma do Oriente levou o mundo cristão a se dividir, em 1054, entre os ortodoxos e os católicos.

O Cisma do Oriente é o nome dado à divisão da Igreja Católica, ocorrida em 1054, entre a Igreja chefiada pelo papa, em Roma, e a igreja chefiada pelo patriarca, em Constantinopla (antiga Bizâncio e atual Istambul). O Cisma foi o resultado de um constante distanciamento entre as práticas cristãs efetuadas pelas duas vertentes do catolicismo, além de representar uma disputa pelo poder político e econômico na região mediterrânica.

Antes da cisão entre as duas igrejas havia uma unidade entre elas em decorrência da estrutura do Império Romano. Em Roma, localizava-se o papa, exercendo no continente europeu a autoridade máxima, além da existência de duas outras autoridades com o mesmo poder, um patriarca em Alexandria, no Egito, e outro patriarca em Constantinopla. O patriarca de Alexandria perdeu sua importância após a anexação do Egito ao Império Muçulmano.

Com as invasões bárbaras ao Império Romano do Ocidente, esse caiu em 476, restando apenas o Império Romano do Oriente, conhecido posteriormente como Império Bizantino. A divisão dos Impérios por Deocleciano, em 286, resultou no plano religioso em um paulatino afastamento entre a concepção doutrinária das duas vertentes do cristianismo.

Na igreja cristã de Constantinopla surgiram algumas práticas religiosas, consideradas heréticas pelo ocidente, por ir contra a fé estabelecida. As principais heresias existentes no Império Bizantino foram as práticas dos monofisistas e dos iconoclastas.

Os monofisistas acreditavam que Jesus Cristo tinha uma existência unicamente divina, visão teológica que se opunha à prerrogativa ocidental da natureza humana e divina de Cristo. Contrariavam ainda o dogma católico da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo) como representação de Deus. O movimento dos monofisitas iniciou-se no século V e alcançou sua maior força com o reinado de Justiniano.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Já o movimento dos iconoclastas caracterizava-se pela oposição à adoração de imagens, levando-os a destruírem os ícones religiosos. Afirmavam, dessa forma, uma percepção religiosa de caráter mais espiritual. Tais posições distanciavam-se do cristianismo pregado pelo papa em Roma.

Essas heresias e sua aceitação por parte das autoridades cristãs de Constantinopla inseriam-se na necessidade de manter a unidade do Império Bizantino, aceitando a assimilação de características religiosas dos povos asiáticos mais ligados à espiritualidade.

As heresias causavam instabilidade social em virtude da ação de seus divulgadores, levando os imperadores a intervirem na estrutura administrativa da Igreja de Constantinopla. Essa prática ficou conhecida como cesaropapismo, que consistia na supremacia do Imperador, o eleito de Deus, sobre a Igreja. O objetivo era administrar os conflitos decorrentes das heresias e manter a unidade do Império e da Igreja.

Ao longo dos séculos, essas diferenças foram se acentuando, passando a ser consideradas como uma crise de autoridade sobre a verdade da crença cristã. Em 867, a Igreja de Constantinopla, dominada pelo imperador bizantino, não reconheceu mais a autoridade da Igreja de Roma, em virtude, principalmente, da independência e do poder que esta havia constituído no continente europeu.

O Cisma do Oriente ocorreria em 1054, após o patriarca Miguel Cerulário ser excomungado pelo papa de Roma. Com essa decisão, Cerulário proclamou a separação oficial entre as duas igrejas, já que, para os orientais, Roma afastara-se das pregações originais de Jesus Cristo. A partir daí surgiria a Igreja Ortodoxa ou Igreja Católica do Oriente, com sede em Constantinopla, e a Igreja Católica Apostólica Romana, sediada em Roma.

Até os dias atuais as igrejas permanecem cindidas, apesar de algumas tentativas de reaproximação realizadas desde o Cisma do Oriente.

Mosaico bizantino representando Cristo. As diferenças de interpretação religiosa geraram o Cisma do Oriente entre bizantinos e católicos
Mosaico bizantino representando Cristo. As diferenças de interpretação religiosa geraram o Cisma do Oriente entre bizantinos e católicos
Publicado por: Tales dos Santos Pinto
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

(Mackenzie) O ano de 1054 foi marcado pelo "Cisma do Oriente". Após um longo processo de conflitos, ocorreu a ruptura entre o papado romano e o patriarca de Constantinopla, ocasionando:

a) a criação da igreja Cristã Ortodoxa Grega.

b) a transferência da sede do papado para a cidade de Avignon.

c) o conflito denominado Querela das Investiduras.

d) a fundação da Igreja Cristã Protestante.

e) a divisão do Clero em secular ortodoxo e regular monástico.

Questão 2

Podemos dizer que, entre as características históricas da tradição cristã oriental que definiriam a Igreja Ortodoxa, podemos apontar que aquela que entrou diretamente em confronto com a autoridade do Papa, de Roma, foi:

a) o culto a dois deuses.

b) a escolha do idioma grego na celebração das missas.

c) o cesaropapismo.

d) a iconoclastia.

e) a crença na Trindade Santa.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Palácio do papa na cidade de Avignon, sede do papado católico entre 1307 e 1377
Cisma do Ocidente na Igreja Católica
Saiba o que foi o Cisma do Ocidente e o que ele representou para a Igreja Católica.
Santo Ambrósio enfrentou o imperador Teodósio para defender os princípios cristãos
Imperador Teodósio e a Igreja
Entenda a relação entre o imperador Teodósio e a Igreja cristã no fim da Idade Antiga.
Vitral de uma igreja, localizada na Bélgica, retrata cruzados durante a Primeira Cruzada*
Primeira Cruzada
Entenda como foi a Primeira Cruzada, convocada pelo papa Urbano II e que resultou na conquista de Jerusalém em 1099.