Whatsapp icon Whatsapp

Tipos de coerência

São seis os tipos de coerência que colaboram para a coerência global de um texto. São eles: coerência sintática, semântica, temática, pragmática, estilística e genérica.
Um texto que privilegie a inteligibilidade e o princípio da não contradição deve apresentar todos os tipos de coerência textual
Um texto que privilegie a inteligibilidade e o princípio da não contradição deve apresentar todos os tipos de coerência textual

A coerência textual é um elemento imprescindível para um bom texto. Ela está relacionada com os sentidos da redação, ou seja, com os recursos que garantem à escrita maior inteligibilidade e organização argumentativa. Um texto incoerente fica privado de significação, além de não cumprir sua principal função: comunicar.

Assim como existem os tipos de coesão, existem também os tipos de coerência, que garantirão a inteligibilidade, a organização e a não contradição das ideias e argumentos apresentados. Compreender os seis tipos de coerência textual é fundamental para quem quer, através da escrita, estabelecer uma interessante relação dialógica com o leitor.

Os tipos de coerência, quando empregados corretamente, sobretudo nos textos não literários, colaboram para a construção da coerência global de um texto. São eles:

⇒ Coerência sintática: Oração assim escreve uma coerência sintática, a ninguém ainda que conheça não. Não entendeu nada? Pois é, ainda que não conheça a coerência sintática, ninguém escreve uma oração assim. Esse é o princípio básico da sintaxe: construir frases nas quais os elementos da oração estejam dispostos na ordem correta. Além disso, a coerência sintática evita a ambiguidade e garante o uso adequado dos conectivos.

⇒ Coerência semântica: Quando falamos em semântica, estamos nos referindo ao desenvolvimento lógico das ideias, ou seja, à construção de argumentos harmônicos e livres de contradições. A Semântica é a área da Linguística que estuda o significado das palavras, isto é, as relações entre os signos e os seus referentes.

⇒ Coerência temática: Quando você recebe um determinado tema para discorrer sobre, você escolhe enunciados que estejam de acordo com a proposta. Esse é o princípio da coerência temática, que privilegia apenas ideias que sejam relevantes para o bom desenvolvimento do tema.

⇒ Coerência pragmática: Você sabe o que é pragmática? Trata-se da parte da Linguística que estuda o uso da linguagem tendo em vista a relação entre os interlocutores e a influência do contexto comunicacional. Todos os textos, sejam eles orais ou escritos, devem obedecer à coerência pragmática. Quando você faz uma pergunta, por exemplo, a sequência de fala esperada é uma resposta. Quando você faz um pedido, é pragmaticamente impossível que simultaneamente você dê uma ordem. Quando essas expectativas são quebradas, temos um claro exemplo de incoerência pragmática.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

⇒ Coerência estilística: O estilo diz respeito à variedade linguística adotada em um texto. Se você optou pelo uso da variedade padrão, é coerente que você a preserve em todo o texto. Não faz o menor sentido começar uma redação utilizando uma linguagem culta e de repente alterar o estilo e empregar a linguagem coloquial, não é mesmo?

⇒ Coerência genérica: está relacionada à escolha adequada do gênero textual. Existe um gênero disponível para cada ato de fala e escrita: por exemplo, se a intenção de quem escreve é anunciar algum produto para a venda, provavelmente ele optará pela linguagem utilizada nos classificados de um jornal. Se a intenção é contar uma história, o conto ou a crônica são opções possíveis.

Para que um texto seja considerado coerente, ele deve apresentar uma relação lógica e harmônica entre suas ideias. Não basta que ele tenha coesão: é fundamental que as suas partes também estejam conectadas no plano semântico, evitando assim deslocamentos de informações, lapsos e excesso de ideias e argumentos incoerentes. É importante ressaltar que coerência e coesão são dois elementos que devem caminhar lado a lado em um texto, pois enquanto um deles ocupa-se com o plano da significação (coerência), outro trabalha auxiliando a estruturação das ideias (coesão).

Publicado por Luana Castro Alves Perez
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

A coerência textual não está na superfície do texto: a construção de sentidos será feita de acordo com o conhecimento prévio de cada leitor
Coerência textual
Interpretando e construindo os sentidos do texto: Saiba mais sobre a coerência textual.
Coesão e coerência - nuances que realçam a beleza do texto
Coesão e Coerência
Elementos indispensáveis na construção textual.
A linguagem não literária tem como função informar de maneira clara e sucinta, desconsiderando aspectos estilísticos próprios da linguagem literária
Linguagem não literária
Linguagem e informação: Conheça os principais aspectos da linguagem não literária.
Operadores argumentativos
Conheça os operadores argumentativos, o que são esses elementos, quais suas utilidades na construção do texto, e aprenda como os empregar por meio de exercícios.
Os conectivos são como pecinhas de um elaborado quebra-cabeças: quando encaixadas adequadamente, resultam em um texto coeso e bem estruturado
Tipos de coesão
Construindo o texto e encaixando palavras: Clique e conheça os tipos de coesão textual.
video icon
Física
Força de atrito
Nesta videoaula, você vai entender de vez a força de atrito, um tipo de força dissipativa que surge quando superfícies que não são perfeitamente lisas são colocadas em contato. Ela faz com que parte da energia cinética de um corpo seja dissipada em forma de energia térmica. Vamos aprender a calculá-la?

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Matemática
Área da esfera
Clique para aprender a calcular a área da esfera.
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Estrangeirismo
Nessa videoaula você entende sobre o estrangeirismo na música "Samba do Approach."
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!