Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Redação
  3. Textualidade

Textualidade

A textualidade é um conjunto de elementos necessários em toda produção textual. Ela é composta por sete fatores (coerência, coesão, intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade, informatividade e intertextualidade) mais os elementos (clareza, expressividade e originalidade), que, juntos, são os responsáveis por indicar cada aspecto envolvido na comunicação do texto.

O texto é o produto final da textualidade e apresenta aspectos estruturais e pragmáticos — textualidade — e aspectos ideológicos, como valores morais e culturais, analisados pela discursividade.

Leia também: O que são os operadores argumentativos?

O que é textualidade?

A textualidade é o conjunto de características básicas de todo texto. Ela é responsável por garantir que, em uma situação comunicativa, algo seja compreendido como um texto, e não um aglomerado de palavras e frases justapostas. Os princípios da textualidade embasam toda produção textual, logo é essencial compreendê-los e dominá-los.

Vejamos um exemplo. A expressão “Fogo!”, sem contexto comunicativo, representa uma palavra da língua portuguesa acompanhada do ponto exclamativo. Entretanto, se pensamos em uma situação cotidiana, onde um morador grita “Fogo!”, isso pode se configurar como um texto, por quê?

O texto não é composto apenas pela base material (palavras e frases), mas também por elementos pragmáticos, ou seja, extratextuais. No exemplo citado, a aplicação a um contexto indica que, ao gritar “Fogo!”, essa única palavra ganha valor de texto, pois comunica uma situação de perigo, bem como solicita ajuda.

Sendo assim, o ouvinte/leitor reconhece, em uma situação real, que essa expressão transmite uma mensagem maior, mas que, devido às próprias características do contexto, não pode ser explicada em longas frases. O estudo da textualidade explica quais fatores fazem com que “Fogo!” possa ser um texto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quais são os elementos da textualidade?

Os elementos da textualidade são características superficiais que se aplicam à matéria textual (palavras e frases). Eles são responsáveis por auxiliar na construção do sentido, garantindo a compreensão e interpretação do leitor. Falamos em três elementos principais, que se relacionam internamente no texto.

  • Clareza das palavras: refere-se à boa escolha vocabular. Toda palavra possui um significado denotativo, mas também diversos outros significados simbólicos. Na hora de escolher quais expressões utilizar, é importante atentar a quais outros sentidos elas podem evocar, evitando toda escolha que for prejudicial ao sentido. É importante que o vocabulário seja preciso e objetivo.

  • Expressividade: é o complemento da clareza vocabular. Ela se concentra no modo geral como o autor trabalha com as palavras, escolhe-as com objetividade e organiza-as com estratégia e direcionamento, permitindo que o sentido esteja acessível ao leitor. Por exemplo: no texto jornalístico, a expressividade avaliaria aspectos como objetividade, formalidade e impessoalidade no sentido do texto; já em um texto literário, a expressividade se voltaria ao aspecto estético utilizado para atingir o leitor.

  • Originalidade: refere-se ao aspecto autoral das produções textuais. Nenhum texto é totalmente novo, mas repetir informações conhecidas ou reproduzir ideias não é interessante ao texto. Sendo assim, é importante adicionar sua própria perspectiva tanto no trabalho conceitual do tema quanto na forma de organizar e expressar a mensagem.

Veja também: Como começar uma redação?

Quais são os fatores de textualidade?

Todo texto existe no centro de uma relação linguística e pragmática.
Todo texto existe no centro de uma relação linguística e pragmática.

Os fatores da textualidade são os elementos essenciais a toda produção textual, pois são as características básicas que abarcam os elementos textuais e contextuais, imbricados em toda comunicação. São sete os fatores da textualidade, dois linguísticos e cinco pragmáticos: coerência, coesão, intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade, informatividade, intertextualidade.

  • Coerência: trabalha no aspecto lógico, semântico e cognitivo do texto. Ela é a propriedade que garante a construção de um novo sentido, a partir das relações entre diferentes ideias e conceitos utilizados. Um texto coerente apresenta ideias conectadas e explicadas, bem como evita contradições.

  • Coesão: é a materialização da coerência, por meio dos elementos conectivos (conjunções, pronomes, preposições, etc.), responsáveis por estabelecer e caracterizar a natureza das relações entre as ideias do texto. O texto que apresenta muitas informações, mas não estabelece relações linguísticas entre elas, acaba deixando as frases soltas e o sentido total comprometido.

  • Intencionalidade: refere-se ao esforço linguístico do locutor (escritor/falante) em expressar a sua mensagem, por meio de um texto coerente e coeso. Todo texto é produzido com algum intuito comunicativo. Quando organizamos bem o sentido, a intenção do autor se faz mais evidente e contribui na compreensão do leitor/ouvinte.

  • Aceitabilidade: é o fator referente ao interlocutor (ouvinte/leitor), pois indica a expectativa do receptor em compreender a mensagem do texto. O sentido não se constrói somente pela intenção do autor, mas também pela abertura e conhecimento de mundo do leitor. Sendo assim, esse fator interfere na compreensão de um produto como texto.

  • Situacionalidade: indica o contexto no qual o texto está inserido, analisando a pertinência ou não da produção textual para a situação comunicativa. Um texto só pode ser reconhecido como tal se ele estiver contextualizado adequadamente.

  • Informatividade: é o fator que avalia o equilíbrio entre as novas informações e as informações já conhecidas. Nenhum texto produz um sentido totalmente novo, pois sempre considera conhecimentos já existentes. Entretanto, o texto que somente repete dados conhecidos não acrescenta nada de novo, apresenta-se mais como cópia. O autor, desse modo, deve balancear os conhecimentos que serão retomados e quais novos serão apresentados.

  • Intertextualidade: refere-se à presença de marcas, semânticas ou formais, de textos produzidos anteriormente no novo texto. Como dito anteriormente, o texto não pode apresentar informações totalmente novas, por isso nos referimos a outros textos para acrescentarmos ou criticarmos seu sentido. Todo texto apresenta intertextualidade, mas nem sempre ela vem indicada explicitamente.

Diferença entre texto e textualidade

A textualidade é o conjunto de características que permitem que uma produção seja reconhecida como texto, ou seja, são os atributos de toda produção textual. O texto é o produto da textualidade, uma manifestação verbal, oral ou escrita, na qual os elementos linguísticos são organizados e estruturados pelo locutor, com o intuito de permitir que o interlocutor compreenda a intenção do sentido e possa interagir com ele, criticando-o ou refletindo sobre.

Diferença entre textualidade e discursividade

A textualidade indica os fatores que são pertinentes a toda produção textual, focando-se apenas nos atributos gerais que envolvem as situações comunicativas. Ela avalia os aspectos que permitem que um texto seja entendido como tal, desconsiderando os valores semânticos e ideológicos.

Diferentemente, a discursividade analisa as expressões do texto como produto ideológico, considerando suas marcações identitárias (gênero, classe, raça), valores morais e/ou religiosos (noções de certo e errado), influências culturais, etc. Ela prioriza os sentidos e vê a estrutura como um instrumento de expressão deles.

Publicado por: Talliandre Matos
Assista às nossas videoaulas

Artigos de "Textualidade"