Whatsapp icon Whatsapp

Afinal, o cigarro eletrônico (vape) realmente faz mal à saúde?

Muitas pessoas se questionam se o cigarro eletrônico (vape) realmente faz mal à saúde. Fato é que esse cigarro pode ser tão prejudicial quanto o convencional.
Jovem fumando um cigarro eletrônico.
O cigarro eletrônico tornou-se muito popular entre os jovens.

Afinal, o cigarro eletrônico (vape) realmente faz mal à saúde? O cigarro eletrônico (vape) é um dispositivo eletrônico com venda proibida no Brasil, entretanto, é vendido ilegalmente em várias partes do território nacional.

Muitas pessoas se perguntam se o cigarro eletrônico realmente faz mal à saúde, uma vez que, diferentemente do convencional, ele não depende de combustão para que ocorra seu uso. Fato é que, apesar de ser vendido, muitas vezes, como uma alternativa mais segura para fumar, o vape pode causar danos à saúde, desencadeando, por exemplo, problemas pulmonares graves.

Veja também: Cocaína — uma droga com grande potencial para causar dependência

O que é o cigarro eletrônico (vape)?

Cigarros eletrônicos, também conhecidos como vapes ou e-cigarrettes, surgiram no mercado no ano de 2004 e são dispositivos eletrônicos mantidos por uma bateria, além de comportarem uma solução líquida aerossolizada constituída de diferentes produtos químicos.

Essas soluções são conhecidas como e-líquidos e podem conter variadas concentrações de nicotina, água, aromatizante, aditivos, glicerina, propilenoglicerol, entre outras substâncias.

No Brasil, a venda, a importação e propagandas desses dispositivos são proibidas. No entanto, o que se observa é que, cada dia mais, os cigarros eletrônicos estão nas mãos de jovens e adultos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quais os males do cigarro eletrônico (vape) para a saúde?

Muitas pessoas consideram que o cigarro eletrônico não causa danos à saúde por não existir combustão nele, ao contrário do cigarro convencional. Entretanto, a ausência de combustão não faz do cigarro eletrônico (vape) um produto livre de riscos à saúde humana.

Seu risco à saúde está relacionado com as várias substâncias nocivas presentes no produto. Dentre elas podemos destacar: nicotina, metais pesados, aromatizantes, glicerol, propilenoglicol, compostos orgânicos voláteis e agentes cancerígenos.

Em relação à nicotina, por exemplo, sabe-se que se trata de uma substância altamente estimulante e que está relacionada com mais de 50 tipos de doenças, como cânceres, problemas cardiovasculares e pulmonares.

Uma das consequências no curto prazo do uso dos cigarros eletrônicos é a ocorrência da evali, sigla em inglês para e-cigarette or vaping product useassociated lung injury, ou, em português, “doença respiratória associada ao uso de cigarros eletrônicos ou vaping”. Essa doença é grave e pode levar à morte. Alguns dos principais sintomas dessa síndrome respiratória aguda são:

  • tosse;

  • falta de ar;

  • calafrio;

  • febre;

  • dor torácica;

  • perda de peso;

  • diarreia;

  • vômito;

  • náusea;

  • dor abdominal.

Além da evali, o uso de cigarro eletrônico está associado a vários outros problemas, como:

  • dificuldade para engolir;

  • rinite;

  • irritação na garganta e nos olhos;

  • pneumonia;

  • asma;

  • lesões na mucosa da boca;

  • perda dentária;

  • estresse;

  • irritação;

  • dependência da nicotina.

Além disso, a explosão dos dispositivos associa-se a acidentes com desenvolvimento de lesões. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) alerta ainda que “o uso de cigarro eletrônico aumenta em mais de três vezes o risco de experimentação de cigarro convencional e mais de quatro vezes o risco de uso do cigarro”.

Leia também: Tabagismo — uma doença crônica desencadeada pela dependência da nicotina

Gerações do cigarro eletrônico (vape)

Atualmente são consideradas quatro gerações do cigarro eletrônico. De acordo com a Anvisa, a primeira geração era de produtos descartáveis e que apresentavam um sistema fechado. Na segunda geração, permitiu-se o recarregamento do dispositivo, sendo possível personalizar o e-líquido adicionando, por exemplo, diferentes sabores e substâncias.

Vista superior de vários cigarros eletrônicos sobre uma superfície plana.
Atualmente, são consideradas quatro gerações do cigarro eletrônico.

A terceira geração apresentava maiores dimensões de reservatório, também denominado tank. Por fim, a quarta geração consiste no cigarro eletrônico com sistema pod. Ele se assemelha a um pendrive e apresenta refis em cápsulas que podem ter diferentes sabores. Em alguns desses cigarros, é possível encontrar sais de nicotina, uma substância ainda pouco estudada, mas que se sabe que apresenta alto potencial para causar dependência.

Publicado por Vanessa Sardinha dos Santos
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Cigarro
Cigarro, maior problema de saúde pública mundial, composição do cigaro, composição da fumaça do cigarro, efeitos provocados pelo cigarro.
Tabagismo
O tabagismo é um grave problema de saúde pública. Clique aqui e entenda o que é tabagismo e os riscos que o fumo provoca à saúde.
video icon
Professora ao lado do texto"Verbos irregulares".
Português
Verbos irregulares
Sabendo que o estudo de verbos não é uma tarefa fácil, nesta videoaula esclareceremos as formas de flexão dos verbos irregulares, ou seja, aqueles que, ao serem conjugados, apresentam alteração em seu radical ou em sua terminação. Não deixe de assistir!