Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Sociologia
  3. Etnocentrismo

Etnocentrismo

O etnocentrismo é a visão preconceituosa e unilateralmente formada sobre outros povos, culturas, religiões e etnias. Esse conceito refere-se, portanto, ao hábito de julgar inferior uma cultura diferente da sua própria cultura, considerando absurdo tudo que dela deriva e considerando a sua como a única correta. O extremo oposto do etnocentrismo é o relativismo cultural, que tende a olhar com extrema noção de alteridade para as diferenças e peculiaridades das outras culturas e reconhecê-las como sendo tão legítimas quanto a sua própria.

Leia também: Identidade cultural – questão desrespeitada na visão etnocêntrica

O que é etnocentrismo

Desmembrando a palavra etnocentrismo, encontramos o prefixo etno, advindo de etnia, e centrismo, que é ato de colocar algo no centro, ou seja, tornar algo fundamental ou principal. Enxergar o mundo de maneira etnocentrista significa perceber o mundo, a sua diversidade e as suas peculiaridades apenas com base em uma visão distorcida por aquilo que você acha que é culturalmente melhor ou correto.

O etnocentrismo consiste, portanto, numa visão de mundo que privilegie os hábitos de nossa própria cultura justamente por partirmos deles, o que faz com que nós mesmos coloquemo-nos no lugar central e olhemos o outro, o diferente, como o ridículo, o inferior, o errado, o pecador. Assim, são as nossas próprias noções de mundo que servem de referência para o que seria uma análise de mundo correta (isso ocorre na visão etnocentrista, mas não é verdadeiro), tornando o diferente algo menor, causando estranhamento, preconceito, falsas justificativas de dominação e até mesmo a hostilidade.

Os povos indígenas americanos sofrem com o etnocentrismo desde o primeiro movimento colonizador do século XVI.
Os povos indígenas americanos sofrem com o etnocentrismo desde o primeiro movimento colonizador do século XVI.

Etnocentrismo e outras formas de preconceito

O etnocentrismo também está relacionado a outras formas de preconceito que, infelizmente, ainda estão enraizadas em nossa cultura. Podemos achar relações estreitas do etnocentrismo com o racismo, a xenofobia e a intolerância religiosa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A religião é um dos traços culturais de um povo, e, talvez, na relação policêntrica do mundo globalizado, ela seja o ponto mais polêmico. Em suma, quando o pilar judaico-cristão que forma a sociedade ocidental é visto e interpretado de maneira radical por seus devotos, há uma forte tendência ao preconceito religioso contra praticantes de outras religiões. Nesse sentido, podemos dizer que o etnocentrismo está junto à intolerância religiosa, pois cultura e religião andam juntas. Essa situação forma o etnocentrismo religioso.

A antropologia é uma ciência que, apesar dos avanços e da importância social que tem hoje, fundou-se sob pilares etnocentristas e racistas. Os primeiros estudos antropológicos levantados pelos estudiosos ingleses Edward Burnett Tylor e Herbert Spencer intentavam demonstrar a inferioridade dos habitantes dos continentes africanos e asiáticos em meio à dominação europeia do neocolonialismo.

A visão do homem branco colonizador como um salvador dos “povos primitivos” é etnocentrista.
A visão do homem branco colonizador como um salvador dos “povos primitivos” é etnocentrista.

Nesse sentido, fundaram-se teorias etnocentristas e racistas que mediam o que os antropólogos chamavam de “nível de evolução humana” pelo “nível de evolução cultural e social”. O que esses estudiosos fizeram foi, à primeira vista, analisar a cultura de outros povos de maneira completamente etnocentrista, considerando a cultura europeia branca como superior e melhor, para assinalar a inferioridade daqueles outros povos e como que autorizar o domínio daquelas terras. A questão racial, obviamente, estava entrelaçada nessa tendenciosa análise que apontava justamente os povos negros como “inferiores” e os brancos como “superiores”.

Entre as formas de preconceito de origem etnocentrista, talvez a mais evidente seja a xenofobia. A aversão aos estrangeiros dá-se de um modo a causar o estranhamento daquele que veio de fora e é diferente justamente porque essa análise parte de alguém que vê o outro com base em si mesmo. A cultura, o modo de ser, os trajes e os costumes dos estrangeiros somente são considerados ruins porque há um parâmetro de medida que é a própria cultura da pessoa que analisa, o que, junto a questões ideológicas e político-sociais, em situação de imigração, gera o preconceito xenofóbico.

Veja também: Florestan Fernandes – sociólogo brasileiro que evitava a visão etnocêntrica

Etnocentrismo e relativismo cultural

Para entender-se a relação contrária entre etnocentrismo e relativismo cultural, precisamos resgatar e continuar aquela história sobre a antropologia iniciada no tópico anterior. A antropologia foi se transformando com estudos posteriores, como os do geógrafo e antropólogo judeu alemão Franz Boas, que passaram a mudar a visão antropológica sobre os povos que habitavam outros continentes fora da Europa. Enquanto as teorias preconceituosas dos primeiros antropólogos pautavam-se em visões não científicas, pois não estavam embasadas em estudos concretos. Boas, ao conviver durante um tempo com povos que habitavam o extremo norte do Canadá, na Ilha de Baffin, percebeu a riqueza cultural daquele povo e a necessidade de entender-se a língua e a cultura de um povo para realmente compreendê-lo.

Na esteira dos trabalhos de Boas, foi o antropólogo polonês Bronislaw Malinowski que organizou uma metodologia que regulamentava o trabalho genuinamente científico da antropologia. O trabalho de campo era necessário para que o profissional submergisse efetivamente na cultura de um povo para compreendê-la em todos os seus detalhes. Após Malinowski, é o antropólogo belga Claude Lévi-Strauss quem toma a frente no cenário dos estudos antropológicos europeus e destaca a importância de reconhecer-se a necessidade de um enfrentamento relativista quanto às questões culturais.

O relativismo cultural é a maleabilidade para entender-se as peculiaridades de outras culturas. O ato de relativizar consiste em desprender-se de uma rigidez para analisar questões baseadas em casos específicos, ou seja, a análise baseia-se em questões relativas a cada caso. O relativismo é positivo e necessário para enfrentar-se o etnocentrismo, no entanto, não se pode, por meio de uma chave relativista, defender também todo o tipo de barbárie que fira os direitos humanos em nome de uma relativização da cultura.

Franz Boas, um dos primeiros a mudar a visão etnocentrista da antropologia.
Franz Boas, um dos primeiros a mudar a visão etnocentrista da antropologia.

Exemplos de etnocentrismo

Os exemplos de etnocentrismo podem ser percebidos nos mais minuciosos detalhes, como nos preconceitos empregados pela linguagem, em piadas e até em atos de violência. Relacionado aos preconceitos, o etnocentrismo pode ser expresso por piadas que ridicularizem a linguagem, a cultura e a religião dos outros povos.

Como visão de análise, o etnocentrismo é expresso pela maneira de enxergar o outro (de outra etnia, de outra cultura) como alguém inferior. É necessário entender que existem diferenças culturais entre os povos, mas quando essas diferenças são usadas para diminuir, classificar e subjugar os outros, cai-se numa visão etnocentrista.

Como evitar o etnocentrismo

Não há uma fórmula mágica que erradique de vez o etnocentrismo em toda uma sociedade. Talvez a maior força combativa ao etnocentrismo e a qualquer tipo de preconceito seja o estudo. O incentivo ao estudo e o investimento em educação são as principais armas para combater-se, gradativamente, o preconceito enraizado na cultura de um povo.

Publicado por: Francisco Porfírio
Assuntos relacionados
Adoção no Brasil
Clicando aqui você encontrará dados e estatísticas sobre a adoção no Brasil, além de saber como funciona o processo e por que muitas crianças não são adotadas.
Florestan Fernandes
Acesse este link para conhecer a vida e o intelecto de Florestan Fernandes, um dos principais pensadores da sociologia de nosso país.
O trabalho escravo e a exploração do trabalho infantil são exemplos de violações contra os direitos humanos.
Direitos Humanos
Clique e conheça a história da defesa e do reconhecimento dos Direitos Humanos, a atuação da ONU, além de ter acesso à Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Desigualdade Social
Desigualdade social: o que é, como mede, dados
Identidade cultural
Clique aqui para descobrir o que é identidade cultural, como ela é estabelecida e qual a importância dela para a preservação da cultura de um povo.
É preciso apagar o racismo de nossa sociedade e manter viva a história de luta de negros e indígenas para que essa barbárie não se repita no futuro.
Racismo
Clique aqui e entenda a definição sociológica de racismo e como o preconceito de raça se originou e ainda permanece em nossa sociedade.