Whatsapp icon Whatsapp

Eritroblastose Fetal

A eritroblastose fetal é um problema desencadeado pela incompatibilidade dos grupos sanguíneos da mãe e do bebê. Provoca anemia grave e pode levar à morte.
A incompatibilidade do fator Rh está relacionada com o desenvolvimento da eritroblastose fetal.
A incompatibilidade do fator Rh está relacionada com o desenvolvimento da eritroblastose fetal.

Eritroblastose fetal, também conhecida como doença hemolítica do recém-nascido e doença hemolítica perinatal, é uma doença que se caracteriza pela destruição das hemácias do feto ou recém-nascido como consequência da ação de anticorpos maternos. A doença resulta da incompatibilidade dos grupos sanguíneos da mãe e de seu filho, sendo comumente relacionada à incompatibilidade do fator Rh.

Ela pode provocar anemia, hidropsia e morte fetal, sendo fundamental, portanto, a realização de um pré-natal eficiente, a fim de que o diagnóstico do problema seja feito precocemente e medidas adequadas sejam tomadas para evitar complicações.

Leia também: Quais exames fazem parte do pré-natal?

Resumo sobre a eritroblastose fetal

  • Eritroblastose fetal é uma doença que se caracteriza pela destruição das hemácias do feto ou recém-nascido pelos anticorpos maternos.

  • Resulta de uma incompatibilidade entre os grupos sanguíneos da mãe e do bebê.

  • A doença é comumente relacionada com o fator Rh, ocorrendo em mulheres com Rh negativo que apresentam gestação de bebê Rh positivo.

  • O teste de Coombs permite indicar a presença de anticorpos anti-Rh.

  • Como forma de prevenção, a mulher Rh negativo deve receber a imunoglobulina anti-Rh para evitar a sensibilização. A administração deve ocorrer entre a 28ª semana ou a 34ª semana de gestação e até em 72 horas após o nascimento do bebê Rh positivo.

Videoaula sobre a eritroblastose fetal

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que é eritroblastose fetal?

Eritroblastose fetal, também conhecida como doença hemolítica do recém-nascido, é um problema que se caracteriza pela destruição das hemácias do feto ou recém-nascido por ação dos anticorpos da própria mãe. Esses anticorpos atravessam a barreira placentária e atacam o feto, levando a um quadro de anemia fetal.

Em casos mais graves, a hemólise (destruição das hemácias) pode provocar problemas como a congestão hepática e hidropisia fetal (acúmulo de líquidos em várias partes do corpo do bebê ainda durante a gestação) associada à insuficiência cardíaca. Nesses casos, quando já se observa a maturidade pulmonar, recomenda-se a interrupção imediata da gravidez, pois o risco de morte do bebê torna-se elevado. Pode ser realizada também a transfusão intrauterina de hemácias.

O que causa a eritroblastose fetal?

A eritroblastose fetal, na maioria dos casos, ocorre devido a uma incompatibilidade entre o fator Rh da mãe e de seu filho. Na membrana das células sanguíneas, existe uma grande variedade de antígenos capazes de produzir uma resposta imunológica. A presença de antígenos nas hemácias e anticorpos no plasma é responsável por reações de aglutinação.

No sistema ABO de grupos sanguíneos, observa-se a ocorrência natural de anticorpos. Já quando falamos em sistema Rh, uma pessoa deve ser exposta ao antígeno Rh para que seu corpo passe a produzir anticorpos. Pessoas Rh negativo não possuem o antígeno D, enquanto pessoas Rh positivo o possuem.

No caso da eritroblastose fetal, o problema surge quando a mãe Rh negativo, previamente exposta, tem uma gestação de um filho Rh positivo. A mãe pode ser sensibilizada ao antígeno D por uma gestação prévia de um filho Rh positivo ou por exposição a hemoderivados. Ao receber o estímulo antigênico, a mãe passa a produzir um anticorpo anti-D.

Vale salientar que, na primeira gestação de um feto Rh positivo, caso a mulher não tenha sido exposta a hemoderivados anteriormente, não há prejuízo ao bebê, uma vez que a sensibilização inicial raramente ocorre em momento anterior ao trabalho de parto. No entanto, se a mulher apresentar uma nova gestação com feto Rh positivo, os anticorpos por ela produzidos atravessarão a barreira placentária e se ligarão às hemácias fetais, provocando a sua hemólise.

Leia também: Diferenças entre antígenos e anticorpos

Diagnóstico de eritroblastose fetal

Para evitar complicações para o bebê, é importante que a eritroblastose fetal seja diagnosticada precocemente e, para isso, é necessário que a mulher tenha um acompanhamento pré-natal adequado. Um dos exames a serem realizados é o teste de Coombs, o qual avalia a presença de anticorpos. O tipo sanguíneo do feto pode ser definido por meio da amniocentese.

Além disso, a ultrassonografia auxilia na detecção de alterações no bebê em desenvolvimento, como o acúmulo de líquidos em diferentes partes do corpo do feto (hidropsia fetal).

Mão com luva segura frasco com etiqueta, onde se lê: “Teste de Coombs”.
Alguns exames permitem diagnosticar a eritroblastose fetal antes da ocorrência de complicações, daí a necessidade de acompanhamento médico na gestação.

Sinais e sintomas da eritroblastose fetal

Em caso de eritroblastose fetal, uma das principais manifestações clínicas observadas é a anemia intensa. A criança pode apresentar ainda icterícia, ou seja, pele e mucosas amareladas. Essa coloração ocorre devido a um acúmulo de bilirrubina, sendo esse acúmulo resultado da degradação da hemoglobina, combinada com uma imaturidade hepática do recém-nascido.

Em casos mais graves da doença, a criança pode apresentar hidropsia fetal, ascite (acúmulo de líquido no abdômen), edema (inchaço) generalizado, hepatomegalia (aumento anormal do volume do fígado) e esplenomegalia (aumento anormal do baço). A eritroblastose fetal pode levar o bebê à morte durante a gestação ou após o parto.

Tratamento da eritroblastose fetal

O tratamento da eritroblastose fetal consiste na realização da exsanguineotransfusão, um método que consiste na retirada de sangue do recém-nascido e na administração de um sangue compatível. Esse processo é importante e garante a correção da anemia e diminuição da bilirrubina, além de evitar complicações mais graves.

Outro tratamento realizado após o nascimento é a fototerapia, que atua controlando os níveis de bilirrubina no sangue. Vale salientar ainda que, em casos graves de eritroblastose, o tratamento pode ser iniciado ainda durante a gestação, sendo a transfusão de sangue intrauterina um dos processos realizados. A antecipação do parto também pode ser realizada em casos graves.

Leia também: Icterícia do recém-nascido — por que alguns bebês ficam com a pele amarelada?

Prevenção da eritroblastose fetal

A prevenção da eritroblastose fetal pode ser feita em mulheres Rh negativo por meio da administração de imunoglobulina anti-Rh ou anti-D. A técnica permite que a produção de anticorpos pela mãe seja bloqueada e a sensibilização não ocorra, uma vez que os anticorpos atuarão nas hemácias fetais que entrarem na circulação materna antes que possam estimular o sistema imune.

A recomendação é que os anticorpos sejam administrados em uma dose profilática na 28ª semana ou 34ª semana de gestação e até em 72 horas após o nascimento do bebê Rh positivo. Recomenda-se também que a prática seja realizada após aborto, procedimentos invasivos, gravidez ectópica e outros problemas que possam causar hemorragia transplacentária.

Publicado por Krukemberghe Divino Kirk da Fonseca Ribeiro
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

A doença de Huntington é causada por um gene defeituoso no cromossomo quatro
Doença de Huntington
Você já ouviu falar em Doença de Huntington? Compreenda um pouco mais sobre esse distúrbio!
Os genes são porções de DNA contidas nos cromossomos
Genes e cromossomos
Aprenda mais sobre genes e cromossomos, dois conceitos que são relacionados entre si e essenciais para a compreensão dessa parte da Biologia.
A gravidez é marcada por sérias modificações físicas e psicológicas na mulher.
Gravidez
Aprenda um pouco mais a respeito da gravidez, um importante processo que ocorre no corpo da mulher e resulta na formação de um novo indivíduo.
O sinal de (+) ou (-) ao lado do tipo sanguíneo representa o fator Rh
Importância do Fator Rh
Em pesquisas com macacos do gênero Rhesus, pesquisadores descobriram o Fator Rh, que se tornou muito importante nas transfusões sanguíneas.
A maioria dos exames do pré-natal é feita pela análise de conteúdo sanguíneo.
Os exames do pré-natal
Na primeira consulta do pré-natal, alguns exames devem ser feitos, a fim de checar o estado de saúde da gestante.
 A ultrassonografia é um dos procedimentos que fazem parte do pré-natal.
Pré-natal
Pré-natal é o nome dado ao acompanhamento clínico e educativo fornecido a gestantes. Pelo pré-natal, muitos problemas de saúde podem ser evitados ou precocemente tratados.
Antes da descoberta dos tipos sanguíneos muitos acidentes fatais ocorreram
Sistema ABO e as possíveis transfusões sanguíneas
Conheça mais sobre o sistema ABO e quais são as possíveis transfusões sanguíneas que podem ser feitas entre os grupos sanguíneos.
video icon
Guia de Profissões
Guia de Profissões | O que é Cultura Maker?
Você sabe o que é Cultura Maker? Novas tecnologias aparecem o tempo todo, e isso muda a relação das pessoas e do mercado de trabalho. Makers são pessoas que usam suas expertises para mudar o mundo a sua volta e melhorar suas experiências diárias. Nós conversamos com Ricardo Cavallini, fundador da "Makers — Consultoria de Inovação", para saber mais sobre esse mundo.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Matemática
Área da esfera
Clique para aprender a calcular a área da esfera.
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Estrangeirismo
Nessa videoaula você entende sobre o estrangeirismo na música "Samba do Approach."
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!