Whatsapp icon Whatsapp

Boto-cor-de-rosa

A lenda do boto-cor-de-rosa apresenta o boto como um ser capaz de se transformar em homem, com o objetivo de seduzir mulheres em festas ribeirinhas.
Homem de terno branco que, segundo a lenda, é o boto cor-de-rosa.
Na lenda, o boto-cor-de-rosa transforma-se em um homem muito bonito e charmoso que vai às festas para seduzir mulheres.

O folclore brasileiro conta com a lenda do boto-cor-de-rosa, ser presente nos rios amazônicos que, segundo essa lenda, é capaz de se transformar em um homem galanteador, com o propósito de conquistar mulheres nas festas para, em seguida, engravidá-las e abandoná-las. A crença no boto como símbolo de luxúria pode se remeter a uma crença dos gregos antigos.

Acesse também: O folclore brasileiro na obra de Luís da Câmara Cascudo

Quem é o boto-cor-de-rosa?

O boto-cor-de-rosa é um ser que faz parte do folclore brasileiro, sendo protagonista de uma das lendas mais conhecidas na Região Norte do Brasil. Trata-se de um cetáceo encontrado nos rios amazônicos que, na lenda, assumiu uma conotação muito negativa, pois é responsável por seduzir mulheres, engravidá-las e abandoná-las.

É importante mencionar que a lenda do boto, como acontece com muitas lendas do folclore brasileiro, possui características regionalizadas que podem ter algumas diferenças dependendo do local do Brasil. De toda forma, entende-se que o boto-cor-de-rosa se transforma em um homem muito bonito, que dança bem e possui boa conversa.

Essas habilidades são usadas pelo boto para conquistar mulheres que ele encontra em festas. As diferentes versões da lenda falam que o boto vai atrás das mulheres em um período específico do ano: no período da Lua cheia, em junho, quando acontece as festas de Santo Antônio, São Pedro e São João. Entretanto, outras versões da lenda falam que o boto pode ser atraído por qualquer festa que é realizada nas cidades à beira do rio.

Nessas festas o boto se apresenta com roupas e sapatos brancos, além de um chapéu que faz parte de seu disfarce. O chapéu serve para tampar as narinas do boto, que ficam no topo da cabeça. Durante essas festas, o boto usa de suas qualidades para conquistar mulheres solteiras. Algumas versões falam que o boto busca mulheres virgens; outras, que ele vai atrás da mulher mais bonita da festa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Uma vez que o boto seduz uma mulher, ele a leva para o fundo do rio ou para a beira do rio, detalhe que muda conforme a versão da lenda, e deita-se com ela. Dessa relação, a mulher acaba engravidando, mas é abandonada pelo boto, que, no fim da noite, retorna para o rio e a mulher nunca mais o vê.

Essa lenda ajudou a popularizar a crendice de que, quando uma mulher engravida e não sabe quem é o pai da criança ou então se vê abandonada pelo parceiro, é porque ela foi engravidada pelo boto, sendo a criança conhecida como filho(a) do boto.

Acesse também: Iara — outra lenda muito conhecida do folclore brasileiro

De onde veio a lenda do boto?

Muitos acreditam que a lenda do boto se baseou na cultura indígena, mas os estudiosos sabem que, até o século XVII, não havia registro de nenhuma lenda semelhante a essa na cultura indígena. Os primeiros registros sobre lendas e crendices envolvendo o boto-cor-de-rosa como símbolo amoroso datam do século XIX.

Sendo assim, acredita-se que de alguma forma as lendas tenham sido resultado de influências externas e que podem ter sido trazidas para a região pela influência da cultura europeia e, até mesmo, da cultura africana.. O que sabemos hoje sobre lendas relacionadas ao boto é que existe uma forte conexão com a forma como os gregos enxergavam os golfinhos. Tanto o boto quanto o golfinho são cetáceos, portanto pode haver uma continuidade na forma como esses animais são enxergados na tradição popular.

Para os gregos, o golfinho era um símbolo de luxúria que estava diretamente relacionado com o culto de Afrodite (conhecida como Vênus pelos romanos), a deusa do amor e beleza no mundo da Antiguidade clássica. Existem também relatos que apontam a existência de uma visão fetichizada do golfinho na cultura grega que o relacionava com falos e com os movimentos do ato sexual.

De alguma maneira que desconhecemos, essa visão de um cetáceo como símbolo de luxúria permaneceu e se manifestou na cultura popular. Os viajantes que passavam pelas regiões amazônicas chegaram a associar erroneamente lendas indígenas com o boto, conforme relatou o antropólogo Luís da Câmara Cascudo|1|.

A popularização de lendas que relacionavam o golfinho com a luxúria fez com que muitas crendices se espalhassem, como uma relatada por Luís da Câmara Cascudo que menciona que o olho seco do boto-cor-de-rosa servia como um amuleto amoroso |2|.

Notas

|1| CÂMARA CASCUDO, Luís da. Geografia dos mitos brasileiros. São Paulo: Global, 2012.

|2| CÂMARA CASCUDO, Luís da. Dicionário do folclore brasileiro. São Paulo: Ediouro, s/d, p. 183.

Publicado por Daniel Neves Silva

Artigos Relacionados

Cuca
Acesse o site e conheça mais sobre a personagem Cuca. Veja qual é a sua origem, como ela se tornou popular no Brasil e sua importância no folclore.
Curupira
Clique para saber mais sobre a lenda do curupira! Aprenda sobre a origem dessa lenda e qual é o significado do nome desse ser do folclore brasileiro.
Dama da meia noite
Dama da meia noite, a lenda da Dama da meia noite, características da Dama da meia noite.
Iara
Conheça a história de Iara, lenda presente no folclore brasileiro. Veja o que caracteriza esse ser e como essa história surgiu.
Lobisomem
Clique aqui e conheça detalhes sobre a lenda do lobisomem. Veja onde essa narrativa surgiu, conheça diferentes versões dela, e saiba como ela chegou ao Brasil.
Mula sem cabeça
Clique e acesse este texto para conhecer mais sobre a mula sem cabeça, uma tradicional figura do folclore brasileiro. Conheça a origem dessa lenda.
Saci-pererê
Clique e acesse para conhecer detalhes sobre a lenda do saci-pererê, uma das mais famosas do nosso folclore. Veja a origem e a influência de Monteiro Lobato nela.
video icon
Professora ao lado do texto"Aposto".
Português
Aposto
Aposto é o nome que se dá ao elemento sintático que se junta a outro a título de explicação ou de apreciação. Assista a esta videoaula e aprenda um pouco mais sobre o emprego e a classificação desse termo acessório da oração.