Regência do verbo agradecer

Fazer uso da regência correta de um verbo significa, antes de tudo, compreender acerca da relação que se estabelece entre ele e seu respectivo complemento. No entanto, não raras as vezes, muitos usuários não atribuem a essa forma verbal a complementação adequada, por um simples descuido ou mesmo por falta de conhecimento sobre as regras que regem a língua que falamos.

Ilustrando tal ocorrência figura-se o verbo em questão: agradecer. Muitos, semelhantemente a ele, admitem dois complementos, isto é, o de assunto (objeto direto) e o de pessoa (objeto indireto). Prova disso são os verbos perdoar e pagar, além do verbo agradecer. Assim, de modo a compreender melhor, veja alguns exemplos:

O aluno agradeceu os cumprimentos.

Ele perdoou as ofensas.

Nós pagamos as encomendas

 

Inferimos que os termos que se encontram em destaque representam, respectivamente, aquilo que se agradece, que se perdoa, bem como aquilo que se paga. Ou seja, tais complementos foram ligados ao verbo sem o intermédio da preposição, representando o objeto direto, portanto. 
 
No entanto, tais verbos podem também se classificar como transitivos indiretos, cujo complemento regido da preposição representa o destinatário da ação. Logo, circunstâncias como estas a seguir podem ser perfeitamente aceitáveis:

Agradecemos aos convidados.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Perdoaram aos amigos.

Pagaram aos clientes.


Foquemos agora nossa atenção somente no verbo agradecer, haja vista que ele pode ser tanto transitivo direto como transitivo indireto, como já afirmado. Assim, podemos dizer:

Agradecemos aos convidados os cumprimentos.
                        O. Indireto           O. Direto

Resta ainda um detalhe ao qual devemos sempre nos atentar: no caso de fazermos a substituição do objeto indireto por um pronome oblíquo átono, devemos nos lembrar de que o “lhe” é cabível à situação. Portanto, observe:

Agradecemos-lhes os cumprimentos.

A regência do verbo agradecer se demarca pelo fato de ele ser constituído de dois complementos: um objeto direto e outro indireto
A regência do verbo agradecer se demarca pelo fato de ele ser constituído de dois complementos: um objeto direto e outro indireto
Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte
Assuntos relacionados
A regência é demarcada pelo sentido que representa
O verbo implicar – sentidos distintos implicam em diferentes regências
Norteie seu conhecimento acerca dessa ocorrência linguística!
Apesar do que afirmam os preceitos gramaticais, o uso de verbos com regências distintas, mas com um só complemento, torna-se perfeitamente aceitável
Um só complemento para distintas regências
Apesar do que afirmam os preceitos gramaticais, o uso de verbos com regências distintas, mas com um só complemento, torna-se perfeitamente aceitável. Clique e confira!
A regência do verbo “falar” é demarcada pelo fato de ele se apresentar acompanhado de distintos complementos
Regência do verbo falar
A depender dos complementos inerentes ao verbo “falar”, este obedece a regências distintas. Certifique-se desse fato linguístico aqui!
Conhecer a regência do verbo lembrar: sinal de competência linguística
Regência do verbo lembrar
Amplie sua competência linguística, conhecendo aqui a regência do verbo lembrar!
<p>O verbo “induzir” tem origem no latim <em>inducere</em> e pode apresentar diferentes significados</p>
Regência do verbo “induzir”
Dúvidas verbais: Clique e confira uma explicação simples e eficiente sobre a regência do verbo “induzir”.
Na oração acima, o verbo responder pede um objeto indireto, pois possui o sentido de “ser responsável”
Regência do verbo “responder”
Saiba como se constrói a regência do verbo responder, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa.
Na frase, o verbo “chamar” é transitivo indireto, tem o sentido de “recorrer” e, por isso, pede um objeto indireto
Regência do verbo chamar
Saiba como se constrói a regência do verbo chamar, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa.
Na oração acima, o verbo “interessar” pede um objeto indireto, pois possui o sentido de “importar”
Regência do verbo “interessar”
Saiba como se constrói a regência do verbo “interessar”, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa.
Na oração acima, o verbo “visar” é transitivo indireto, possui o sentido de “ter por objetivo” e, por isso, pede um objeto indireto
Regência do verbo visar
Saiba como se constrói a regência do verbo “visar”, que pode possuir diferentes acepções em língua portuguesa, tais como mirar, apontar, dar visto, ter em vista etc. Por esses diversos sentidos, ele pode ser classificado como um verbo transitivo direto ou um verbo transitivo indireto acompanhado da preposição “a”.
Regência nominal
Clique aqui e veja tudo sobre regência nominal. Entenda a utilidade dessa parte da sintaxe na língua portuguesa. Aprenda mais com exercícios resolvidos sobre o tema!
Regência Verbal de alguns verbos
Esclarecimentos sobre a regência correta de alguns verbos que geram dúvidas.
Atribui-se uma singular importância a tal fato linguístico
A regência verbal constituída de pronomes relativos
Constate acerca de algumas elucidações pertinentes a esse caso!
O uso correto das preposições refere-se a uma característica relacionada à regência de verbos com sentido contrário
Regência de verbos com sentido contrário
Porventura, como anda sua competência linguística? Caso deseje aprimorá-la ainda mais, acesse e confira acerca da regência de verbos com sentido contrário.