Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Média
  4. A concepção de História de Santo Agostinho

A concepção de História de Santo Agostinho

A concepção de História de Santo Agostinho deriva da tradição judaico-cristã e entende toda a história humana a partir da encarnação de Cristo.

Santo Agostinho (354 d.C. a 430 d.C.), que foi bispo na cidade africana de Hipona (na atual Argélia), foi também um dos maiores filósofos e teólogos de todos os tempos. Sua filosofia possuía forte influência da tradição platônica difundida por filósofos como Plotino. No âmbito teológico, acirrou o combate às heresias que tratavam de questões relativas ao mal e ao pecado original, bem como à Trindade Santa. No pensamento desse filósofo há uma concepção de História que foi erigida a partir dos dogmas cristãos, como a encarnação, morte e ressurreição de Cristo.

Em sua obra Confissões, há um esforço de compreensão sobre a condição do homem enquanto ser que partilha da eternidade, posto que é dotado de uma alma imortal, e da temporalidade, já que seu corpo é material, corruptível e suscetível à morte. Em outra obra, a mais importante do filósofo, A Cidade de Deus (dividida em três volumes), Santo Agostinho procura ampliar suas reflexões sobre o tempo e a eternidade e dedica-se a pensar a própria dinâmica da história humana à luz da encarnação do Verbo Divino – nome dado à pessoa de Cristo, segundo a teologia trinitária.

Um dos elementos mais característicos da concepção de História agostiniana é a questão da interpretação tipológica ou figurativa, isto é: as histórias do Antigo Testamento (da tradição judaica) contêm, segundo essa interpretação, figuras (ou tipos) dos fatos que serão realizados no Novo Testamento. Por exemplo: o sacrifício de Isaque (ou, melhor dizendo, o quase sacrifício de Isaque) por seu pai, Abraão, narrado no livro do Gênesis, seria a figura antecipadora do sacrifício de Deus, haja vista que, nesse episódio, Deus enviou um cordeiro para substituir Isaque, assim como enviaria seu filho, Jesus Cristo – tido como o cordeiro de Deus – para ser sacrificado.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em obras como A cidade de Deus, Agostinho desenvolveu um grande esquema interpretativo sobre a dinâmica da História
Em obras como A cidade de Deus, Agostinho desenvolveu um grande esquema interpretativo sobre a dinâmica da História

Os textos proféticos, as parábolas proferidas por Jesus e, sobretudo, o Apocalipse de João apresentam uma gama dessas figuras que poderiam, se interpretadas corretamente, revelar ao homem a dinâmica da História segundo os desígnios divinos. Como Cristo, tido como uma das pessoas divinas para Agostinho, encarnou na história – feito Homem –, toda a história, teológica e filosoficamente falando, estaria subordinada à sua figura. Um trecho de outra obra sua deixou patente essa concepção:

Com efeito, o Verbo não só apareceu visivelmente – pois isso poderia ter feito tomando algum corpo etéreo, ajustado e proporcionado à nossa vista. Apareceu entre os homens, como verdadeiro homem. Convinha que assumisse a mesma natureza a ser redimida. E para que nenhum sexo julgasse ser preterido pelo Criador, humanizou-se.” (A verdadeira Religião, II, 16, 30).

Percebe-se, portanto, que a encarnação de Cristo, o Verbo Divino, para a remissão dos pecados e redenção dos homens era, para Agostinho, uma evidência dos propósitos divinos, que orientariam toda a dinâmica da história. Boa parte da tradição filosófica medieval debruçou-se sobre essa concepção. Muitas visões sobre a “dinâmica da História” ou os propósitos da presença humana na Terra, entre outras, derivam dessa concepção cristã – ainda que em forma secularizada – sistematizada por Santo Agostinho.

Santo Agostinho, filósofo e teólogo medieval, sistematizou uma concepção cristã da História
Santo Agostinho, filósofo e teólogo medieval, sistematizou uma concepção cristã da História
Publicado por: Cláudio Fernandes
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
A natureza de Cristo foi o ponto fundamental desta heresia medieval.
Arianismo
Uma das mais importantes heresias da Baixa Idade Média.
Clemente de Alexandria foi um dos chamados “Pais da Igreja”
Helenização do Cristianismo em Clemente de Alexandria
Entenda o processo de helenização do Cristianismo em Clemente de Alexandria, um dos mais importantes Pais da Igreja Cristã Primitiva.
A tortura era considerada pelos inquisidores como uma forma de se buscar a confissão do pecador.
Inquisição
A perseguição da Igreja contra aqueles que não seguiam seus preceitos.
Carlos Magno empreendeu ações políticas que marcaram o auge do Reino dos Francos.
Reino dos Francos
Império Romano do Ocidente, Clóvis, Igreja Católica, reis indolentes, major domus, prefeito do palácio, Batalha de Poitiers, Pepino, o Breve; Patrimônio de São Pedro, Carlos Magno, missi dominici, marqueses, duques, Tratado de Verdun, Carlos, o Calvo; Luís, o Germânico; Lotário, capetíngios, normandos, magiares e árabes.