Whatsapp icon Whatsapp

A medicina na Grécia Antiga

A medicina na Grécia Antiga teve como expoente Hipócrates de Cós, considerado o “pai” desse tipo de saber e o principal teórico da diferença entre o normal e o patológico.
Hipócrates de Cós, considerado o pai da medicina ocidental
Hipócrates de Cós, considerado o pai da medicina ocidental

Em todas as civilizações e culturas, o saber médico desenvolveu-se de alguma forma, logicamente relacionada com as peculiaridades de cada uma dessas civilizações. Dessa forma, a medicina oriental, sobretudo a chinesa, possuía (e ainda possui) procedimentos que levavam em conta a harmonia de todo o corpo (ou organismo) humano, isto é, correspondências entre partes de um membro (como pé) e um órgão, em especial, por exemplo, o fígado. Na Antiguidade Ocidental, sobretudo no mundo helênico, isto é, grego, a medicina também nasceu levando em consideração esse tipo de harmonia, porém com algumas diferenças que estão expressas nos tratados médicos de homens como Hipócrates e Galeno.

Hipócrates de Cós desenvolveu, entre os séculos IV a.C. e V a.C., uma criteriosa análise das patologias que afetavam os seres humanos. O pensamento médico de Hipócrates foi considerado uma ruptura com o tipo de “pensamento mágico” sobre as doenças, muito presente em culturas primitivas que se valiam do xamanismo, por exemplo. Para Hipócrates, o corpo humano estava em conexão com a phisis, a natureza, e essa conexão, a priori, era harmoniosa. A doença tornava-se verificável quando essa harmonia alterava-se.

A atenção para sinais como febre, inchaços, amarelamento e demais traços que na moderna medicina são chamados de sintomas e a tentativa de relacionar tais sinais com possíveis distúrbios na harmonia do corpo foram uns dos principais avanços do pensamento de Hipócrates. Além disso, Hipócrates também avançou em direção à prescrição de cura e de prevenção de doenças por meio de propostas de dietas que advinham da observação de quais alimentos combinavam ou não com o tipo de humor do indivíduo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Humor, na medicina grega (e esse legado estendeu-se até a Idade Média), era entendido como aquilo que definia a composição alquímica de uma pessoa, isto é, a relação entre sua alma e seu corpo, seu temperamento e as manifestações físicas corporais. Os quatro humores principais aos quais se enquadravam os organismos eram: o colérico, o melancólico, o sanguíneo e o fleumático.

Sendo assim, Hipócrates, seguido por outros, como Galeno, e por medievais, como Avicena e Pedro Hispano, construiu as bases para a medicina ocidental. A diferenciação entre o normal (o estado de harmonia) e o patológico (o estado de afetação do corpo – desarmonia) foi a principal contribuição da medicina antiga para a ciência médica moderna.

Publicado por Cláudio Fernandes

Artigos Relacionados

Sólon (Atenas) e Licurgo (Esparta): diferentes ideias políticas no Mundo Grego
Esparta e Atenas
Conheça aqui as principais características e diferenças entre Esparta e Atenas.
Atenas, capital da Grécia
Grécia
País que abriga vários monumentos da Antiguidade.
Acima, busto do poeta grego Homero
Importância dos poemas de Homero na educação grega
Saiba o porquê da importância dos poemas de Homero na educação grega e de que modo eles exerceram impacto no homem da Grécia Antiga.
video icon
Matemática
Volume de tronco de cone
Nesta aula, iremos aprender como calcular o volume do tronco de cone usando a fórmula clássica de volume de cone e usando a fórmula específica para o tronco de cone.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas