Guerra das Rosas

A Guerra das Rosas foi um conflito que aconteceu na Inglaterra, entre os anos de 1455 e 1485, pela disputa do trono inglês entre as dinastias Lancaster e York. Essa guerra está diretamente relacionada à Guerra dos Cem Anos, na qual ingleses e franceses travaram uma luta ferrenha e desgastante. A derrota da Inglaterra fez com que a nobreza inglesa acusasse o rei Henrique VI de ser fraco politicamente e de sofrer de doenças psíquicas que o levariam à loucura.

Essas guerras estão inseridas na transição da Idade Média para a Idade Moderna, quando a Europa assistiu à formação das monarquias nacionais. Os reis, que até então tinham apenas funções militares, buscavam o poder político para tornarem-se monarcas absolutistas nesses reinos em formação. Se, de um lado, observou-se a movimentação de monarcas para deterem o poder total em seus reinos, por outro lado, a nobreza buscava participar de forma efetiva dessa formação dos estados nacionais e tentava influir na escolha dos reis.

As dinastias buscavam influenciar na escolha do novo rei ou derrubar o monarca que não correspondesse aos seus anseios. A sucessão real era um fator decisivo não somente para os destinos do reino como para aqueles que poderiam escolher o novo soberano. Por isso, as dinastias buscavam ampliar seus arcos de aliança ao realizarem casamentos entre seus filhos, no intuito de perpetuarem o domínio dinástico.

A guerra terminou com a chegada de Henrique VII, um Lancaster, ao poder. Para cessar o conflito entre as dinastias protagonistas da Guerra das Rosas, houve o matrimônio. Henrique casou-se com Elizabeth, uma York, dando início à dinastia Tudor.

Leia também: Regimes de governo – modo como um governo estabelece suas formas de poder

Origem do nome “Guerra das Duas Rosas”

No século XV, a Inglaterra era formada por diversas dinastias, ou seja, famílias que buscavam interferir na escolha do rei que ocuparia o trono inglês. A Guerra das Rosas tem esse nome por causa dos símbolos das duas famílias nela envolvidas: a dinastia York, simbolizada pela rosa branca, e a dinastia dos Lancaster, representada pela rosa vermelha. Alguns estudiosos denominam esse conflito como “Guerra das Duas Rosas”, em uma referência aos símbolos dinásticos.

Símbolos das dinastias Lancaster (à esquerda) e York (à direita).

Contexto da Guerra das Rosas

A Guerra das Rosas está inserida nos vários conflitos que marcaram a transição da Idade Média para a Idade Moderna. A centralização política tornou-se a solução para a crise que levou ao fim do período medieval na Europa ocidental.

Os reis tiveram papel decisivo na formação dos estados nacionais, e a nobreza dinástica tentava a todo custo apontar o rei que ocuparia o trono. Além disso, essa guerra está diretamente ligada à Guerra dos Cem Anos (1337-1452), confronto envolvendo Inglaterra e França. Os ingleses foram derrotados e perderam vasto território para os franceses. Essa derrota colocou em cheque o reinado de Henrique VI.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

As famílias York e Lancaster tinham a mesma origem. Ambas pertenciam à dinastia dos Plantageneta. A aproximação dos integrantes das famílias dava-se mediante casamentos, no intuito de manterem-se no poder. Ao mesmo tempo, a não realização do matrimônio poderia desencadear uma crise no reino.

  • Dinastia Lancaster

A dinastia Lancaster governou a Inglaterra entre os anos de 1399 a 1471. Tal como os York, os Lancaster vieram da dinastia Plantagenetas. Essa proximidade de famílias deu-se pelos casamentos entre seus membros como forma de acordo político. O símbolo dessa dinastia era uma rosa vermelha. Os Lancaster chegaram ao poder em 1399, logo após a derrubada de Ricardo III do comando. Os reis que governaram a Inglaterra e que eram originários dessa dinastia são: Henrique IV (1399-1413), Henrique V (1413-1422) e Henrique VI (1422-1461 e 1470-1471).

  • Reinado de Henrique VI

Rei Henrique VI
Rei Henrique VI.

Henrique VI foi um rei inglês pertencente à dinastia Lancaster. Foi durante o seu reinado que a Inglaterra perdeu a Guerra dos Cem Anos para a França. Essa derrota demonstrou a fraqueza política do rei bem como ressaltou sua loucura devido a doenças psíquicas. Esses problemas motivaram a dinastia York a agir e lutar contra a permanência de Henrique VI no poder.

Ricardo, duque de York, tornou-se lorde protetor, e assumiu o poder provisoriamente enquanto o rei recuperava-se de sua enfermidade. Com a saúde restabelecida, Henrique VI exigiu que Ricardo devolvesse o comando, mas este se recusou. Essa disputa pelo poder da Inglaterra desencadeou a Guerra das Rosas.

Veja também: Filosofia política – área do conhecimento que promove a teorização sobre a política

Início da Guerra das Rosas

A Guerra das Rosas começou em 22 de maio de 1455, durante a Batalha de Saint Albans, na qual as tropas do rei Henrique VI entraram em confronto com Ricardo, da dinastia York. O exército real foi derrotado, e o monarca, preso. Da prisão, Henrique VI foi obrigado a reconhecer Ricardo como lorde protetor.

Apesar desse reconhecimento, o confronto entre os York e os Lancaster não cessou. Em dezembro de 1460, em Wakerfield, os Lancaster tiveram uma vitória importante ao capturarem e matarem Ricardo e seu filho, Edmundo.

  • Deposição de Henrique VI

A morte de Ricardo não apaziguou os ânimos. Seu filho, Eduardo, herdou o título de duque de York e estava decidido a continuar a guerra contra os Lancaster e a vingar a morte do pai contando com o apoio do Conde de Warwick, Ricardo de Neville. Durante a Batalha de Towton, os York conseguiram emplacar uma derrota aos Lancaster.

O rei Henrique VI, logo após a derrota, fugiu para a Escócia, e Eduardo foi coroado rei inglês com o nome de Eduardo IV. Os Lancaster não reconheceram o novo reinado inglês e persistiram na luta até 1465, quando o antigo rei Henrique IV foi preso na Torre de Londres.

  • Reinado de Eduardo IV

Eduardo IV começou seu reinado na Inglaterra em junho de 1465 e contou com o apoio de Ricardo de Neville, conde de Warwick, porém esse apoio não foi duradouro. Como o casamento era uma peça importante no arranjo político europeu da época, qualquer enlace matrimonial poderia desencadear uma crise político-militar ou a formação de um acordo político vantajoso.

O rei Eduardo IV casou-se com Elizabeth Woodville, pertencente à pequena nobreza inglesa. Essa união irritou Ricardo de Neville por causa do seu plano de casamento para o rei com a filha de Luís XI, rei da França.

O casamento real inglês promoveu os Woodville em detrimento aos Neville. Novamente as dinastias entrariam em confronto. Sentindo-se humilhado pelo rei, Ricardo de Neville rompeu relações com Eduardo IV e aproximou-se da dinastia Lancaster, inimiga do rei inglês, que era um York.

Em 1470, o conde de Warwick iniciou uma revolta contra Eduardo IV, que teve de refugiar-se na Holanda e, em seguida, na Borgonha. Essa fuga do rei promoveu o retorno de Henrique VI ao poder na Inglaterra. No ano seguinte, Eduardo IV, com o apoio de Carlos, duque de Borgonha, invadiu a Inglaterra e restaurou seu comando. Os Lancaster tentaram reagir na Batalha de Tewkesbury, mas foram derrotados. Eduardo IV, ao vencer os Lancaster, ordenou a execução de Henrique VI.

Eduardo IV.
Eduardo IV.

Fim da Guerra das Rosas

Após a vitória nessas batalhas, Eduardo IV governou o reino inglês até a sua morte, em 1483. Seu herdeiro, Eduardo V, não assumiu o trono por ter, na época, apenas cinco anos de idade. Ricardo, duque de Gloucester, tio de Eduardo V, foi nomeado lorde protetor por causa disso. Novamente a sucessão inglesa seria conflituosa. O duque de Gloucester mandou prender seu sobrinho e assumiu o trono inglês, tornando-se o rei Ricardo III até 1485.

Mais uma vez, as dinastias brigariam pelo controle. Henrique de Tudor, da dinastia Lancaster, organizou suas tropas e invadiu a Inglaterra em 1485. Ricardo III reagiu à invasão de Tudor, iniciando-se a Batalha de Bosworth Field. Henrique Tudor derrotou Ricardo III e tornou-se o novo rei da Inglaterra, promovendo também o retorno dos Lancaster ao poder.

Após inúmeros conflitos dinásticos, novamente o casamento mostrou-se eficaz para um arranjo político. Desta feita, para unir as dinastias que, durante muitos anos, entraram em confronto armado pela disputa do trono inglês. O casamento do rei Henrique Tudor, dos Lancaster, com Elizabeth, dos York, selou a união dinástica, iniciando-se a dinastia Tudor no reino da Inglaterra.

Consequência da Guerra das Rosas

A consequência da Guerra das Rosas é a formação de uma monarquia absolutista na Inglaterra. O monarca, a partir de então, exerceria seu poder de forma absoluta contando com a fidelidade de seus súditos e o apoio da nobreza. O rei deixa de ser apenas um chefe militar, como o era na Idade Média, para tornar-se o poderoso absoluto em seu reino durante a Idade Moderna.

1ª flor, Lancaster; 2ª, York; 3ª, Tudor
1ª flor, Lancaster; 2ª, York; 3ª, Tudor.

Resumo sobre a Guerra das Rosas

  • A Guerra das Rosas foi um confronto dinástico entre os Lancaster e os York pelo trono inglês entre os anos de 1455 a 1485.

  • Os casamentos eram realizados como acordos políticos, objetivando-se a sucessão real.

  • Foram décadas de intensos conflitos, com idas e vindas de ambas as dinastias no poder da Inglaterra.

  • Os York e os Lancaster só cessaram seus confrontos com a união das duas dinastias por meio do casamento do rei Henrique de Tudor, um Lancaster, com Elizabeth, dos York.

Acesse também: Revolução Gloriosa – revolução responsável pela queda do absolutismo inglês

Exercícios resolvidos

Questão 1 - A Guerra das Rosas está inserida na transição da Idade Média para a Idade Moderna, quando acontecia na Europa a formação dos estados nacionais. Foi um período também de intensas batalhas entre os reinos europeus. Uma guerra que movimentou a Europa e que está ligada à Guerra das Rosas foi:

a) Guerra dos Cem Anos

b) Guerra dos Trinta Anos

c) Guerra entre Lancaster e York

d) Batalha de Waterloo

Resolução

Alternativa A. A Guerra dos Cem Anos foi um conflito entre França e Inglaterra entre 1337 e 1453. O rei inglês Henrique VI perdeu a guerra para os franceses, demonstrando sua incapacidade política e militar para manter-se no poder. Essa fraqueza real foi um dos motivos para a Guerra das Rosas, pois as dinastias York e Lancaster disputavam o trono inglês.

Questão 2 - Os Lancaster e os York foram duas dinastias inglesas que protagonizaram a Guerra das Rosas. Assinale a alternativa correta que aponta o desfecho desse conflito dinástico:

a) Os Lancaster derrotaram os York e decidiram exterminar do reino inglês qualquer cidadão pertencente à dinastia inimiga.

b) Henrique Tudor derrotou Ricardo III e tornou-se rei da Inglaterra, unindo Lancaster e York.

c) Foi necessária a interferência da França na Inglaterra para cessar-se a batalha entre Lancaster e York.

d) Os Lancaster e os York foram derrotados pelos Tudor, iniciando-se uma dinastia totalmente afastada das duas derrotadas.

Resolução

Alternativa B. A ascensão de Henrique Tudor ao poder inglês cessou o conflito entre Lancaster e York. O novo rei era da dinastia Lancaster e casou-se com Elizabeth, da dinastia York, unificando as duas famílias e inaugurando a dinastia Tudor.

Publicado por: Carlos César
Assuntos relacionados
A Família Real inglesa é uma das famílias reais mais tradicionais e um símbolo das monarquias no mundo todo.*
Monarquia
Clique aqui para saber mais a respeito da forma de governo mais antiga que existe atualmente: a monarquia. Conheça os modelos e as características das monarquias.
A unificação da Espanha formalizou-se com o casamento entre Fernando de Aragão e Isabel de Castela
Formação da Monarquia Nacional Espanhola
Saiba como ocorreu a formação da Monarquia Nacional Espanhola durante o processo de guerras pela reconquista da Península Ibérica.
Joana d’Arc: heroína francesa na Guerra dos Cem Anos.
Guerra dos Cem Anos
Guerra dos Cem Anos, França, Inglaterra, Carlos IV, Eduardo III, Carlos IV, região de Flandres, Filipe de Valois, Batalha de Creci, João, o Bom; de Btretigny, Joana d’Arc, batalha de Calais.
Poder
Clique aqui para saber o que é o poder para os maiores filósofos e sociólogos que já trataram sobre o assunto na história do pensamento ocidental.
Com a Revolução Gloriosa, Maria Stuart, filha de Jaime II, foi coroada rainha da Inglaterra.
Revolução Gloriosa
Clique e acesse este texto para ter informações sobre a Revolução Gloriosa, a primeira revolução burguesa da história e que marcou a queda da dinastia Stuart.