Fisiocracia

Muito antes do desenvolvimento da economia como ciência, as questões ligadas ao uso e desenvolvimento das riquezas se confundiam com as ações implementadas pelo próprio Estado. Contudo, durante o século XVIII, uma série de pensadores tentou empreender a separação entre Estado e economia visando o amplo desenvolvimento da última. Vivenciando o agitado contexto intelectual desse período é que temos o aparecimento da fisiocracia ou teoria fisiocrata.

Inspirados pelos conceitos da razão iluminista, o integrantes desta escola tentaram definir quais seriam as leis que naturalmente regiam o desenvolvimento de qualquer economia. Para eles, toda aquela prática que fosse empiricamente apontada como natural ao desenvolvimento econômico não poderia ser maléfica, pois ela estaria harmoniosamente ligada às demais leis que regem a natureza e o comportamento do homem.

Nesse sentido, os fisiocratas tiveram interesse particular em refletir sobre as ações orientadoras das políticas mercantilistas, que, nessa época, predominavam em boa parte dos governos europeus. Segundo suas concepções, as diversas intervenções que marcavam as políticas mercantilistas não poderiam garantir um desenvolvimento real da economia, já que eram estabelecidas pelos instrumentos de intervenção política do governo monárquico.

De acordo com a fisiocracia, o lucro gerado pela indústria e pelo comércio não poderiam ser geradores de riqueza. As mercadorias e outros bens que circulavam nesses dois setores econômicos somente representavam uma transformação daquilo que era gerado pelo uso da terra, lugar que seria fonte de toda e qualquer riqueza. Desse modo, o pensamento fisiocrata acreditava que os proprietários de terra deveriam ser vistos como os verdadeiros geradores de toda a riqueza nacional.

Saindo em defesa do respeito às leis naturais que regulavam a economia, os fisiocratas foram os primeiros teóricos que se mostraram completamente contrários a qualquer tipo de intervenção estatal na economia. Consequentemente, uma das mais célebres frases que expressam essa concepção fundamental da fisiocracia, cunhada pelo pensador Vincent de Gournay, diz “laissez faire, laissez passer, lê monde va de lui même” (“deixe fazer, deixe passar, o mundo vai por si mesmo”).

Entre as principais obras da fisiocracia, podemos destacar “Quadro Econômico”, de François Quesnay; “Explicação do ‘Quadro Econômico’”, “Teoria do Imposto” e “Filosofia Rural”, todas estas escritas pelo Marquês de Mirabeau. Além destes também devemos salientar os ensaios e publicações de outros teóricos fisiocratas, como Jacques Turgot, François Le Trosne, Dupont de Nemours e Karl Friedrich Margrave de Baden.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Para os fisiocratas, como Quesnay, a terra era a gênese de toda riqueza produzida.
Para os fisiocratas, como Quesnay, a terra era a gênese de toda riqueza produzida.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

(PUC-Rio) Assinale a opção em que se encontra corretamente identificado um dos preceitos fundamentais da Fisiocracia:

a) "O ouro e a prata suprem as necessidades de todos os homens."

b) "Os meios ordinários, portanto, para aumentar nossa riqueza e tesouro são o comércio exterior."

c) "Que o soberano e a nação jamais se esqueçam de que a terra é a única fonte de riqueza e de que a agricultura é que a multiplica."

d) "Todo comércio consiste em diminuir os direitos de entrada das mercadorias que servem às manufaturas interiores (...)"

e) "As manufaturas produzirão benefícios em dinheiro, o que é o único fim do comércio e o único meio de aumentar a grandeza e o poderio do Estado."

Questão 2

(CESGRANRIO/RJ) “Que nunca percam de vista o Soberano e a Nação o fato de a terra ser a única fonte das riquezas e que a agricultura as multiplica. Que a propriedade dos bens de raiz e das riquezas mobiliárias seja assegurada aos seus possuidores legítimos, pois a segurança da propriedade é o fundamento essencial da ordem econômica da Sociedade.” QUESNAY, François. Maximes Generales du Government Economique). François Quesnay, médico do rei francês, lançou as bases do pensamento liberal fisiocrata, o qual:

a) preconizava que o aumento populacional determinava a escassez de recursos naturais e, consequentemente, crises de abastecimento;

b) relacionava a necessidade de se manter a ordem socioeconômica ao montante de investimentos industriais;

c) explicitava as aspirações das massas camponesas que tencionavam destruir o feudalismo;

d) defendia a valorização da nobreza territorial, a supremacia e a centralização do poder real;

e) defendia as aspirações burguesas e criticava a intervenção estatal na vida econômica.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Liberalismo
Clique aqui para entender o conceito de liberalismo, a sua história e as aplicações do liberalismo nos campos político e econômico.
Detalhe do teto da Capela Sistina, pintado por Michelangelo Buonarroti
Renascimento Cultural
Conheça as principais características do Renascimento Cultural e o que ele significou para a Idade Moderna.
Os cátaros sofreram forte oposição dos líderes da Igreja Católica durante a Idade Média.
Reforma Protestante
Reforma Protestante, movimento reformista, Idade Média, Idade Moderna, cátaros, movimento cátaro, John Wycliffe, Jan Huss, hussismo, Francis Bacon, Nicolau Copérnico, Isaac Newton.
O Humanismo foi uma das questões que marcaram profundamente o Renascimento.
Humanismo
Clique e entenda o que foi e quais são as características do humanismo!
Os holandeses desenvolveram atividades mercantis de natureza comercial e industrial.
Mercantilismo Holandês
Clique aqui e conheça as características do mercantilismo holandês!
A Guerra dos Trinta Anos colocou católicos e protestantes em confronto direto.
A Guerra dos Trinta Anos
Um dos mais violentos conflitos da Idade Moderna.
Historiador Henri Pirenne (1862-1935)
História do Capitalismo
A História do Capitalismo sempre apresentou discordância entre historiadores e sociólogos.
À esquerda, pintura medieval em formato plano; à direita, pintura renascentista com abordagens a partir do perspectivismo (profundidade, racionalidade
Renascimento e utopias
Saiba mais sobre o Renascimento e como os pensadores e a sociedade renascentista permaneceram permeados por utopias que eram criadas como forma de fuga do mundo.