Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Moderna
  4. A Guerra dos Trinta Anos

A Guerra dos Trinta Anos

No século XVII, a disputa econômica gerada pelo mercantilismo envolvia grandes potências econômicas como a Holanda, Inglaterra, França, Portugal e Espanha. Esse último tinha grande destaque, ao ter sob domínio a Coroa Portuguesa, regiões da Península Itálica e algumas partes dos Países Baixos. Com o passar do tempo, a hegemonia hispânica foi confrontada por outras nações desejosas em ampliar seus territórios e riquezas.

Essa guerra teve início com a chamada “Defenestração de Praga”, momento em que membros da nobreza tcheca lançaram representantes do rei católico Fernando II pela janela. Tal ato era, na verdade, uma reação contra a severa política dos reis católicos que proibiram os cultos protestantes em diversas partes do Sacro Império Germânico. Em tal período, a dinastia dos Habsburgos procurava unificar os vários territórios germânicos sob força de um mesmo reinado.

Utilizando a perseguição religiosa dos Habsburgos como pretexto, vários príncipes da Europa se unificaram em torno de uma força militar e religiosa chamada de Liga Evangélica. Apesar de católica, a França incentivou levantes dos protestantes nas regiões em que os Habsburgos imperavam. Já em 1619, quando a guerra já completava seu primeiro ano, os protestantes cercaram a cidade de Viena, capital da Áustria, e determinaram que a coroa da Boêmia fosse entregue a Frederico V, da União Evangélica.

No ano seguinte, a Liga Sagrada, composta por nobres católicos, foi organizada com o objetivo de recuperar os domínios anteriormente perdidos. Na chamada Batalha da Montanha Branca, os católicos, sob a liderança de João T'Serklaes Von Tilly, venceu e expropriou todos os protestantes localizados nas regiões de língua checa. Tempos depois, o rei germânico Fernando II contou com o apoio da Espanha para transformar a Boemia em domínio dos Habsburgos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Entre 1624 e 1629, o reino da Noruega e da Dinamarca entrou em cena para conseguir reaver os territórios perdidos para os protestantes. Mesmo tendo o apoio de soldados holandeses, esses reinos nórdicos não obtiveram êxito e, ainda por cima, foram obrigados à ceder parte de seus domínios ao rei Fernando II. Com isso, os Habsburgos alcançam o auge de seu poder na Europa. A França passou a ter seus interesses políticos ameaçados pela dinastia Habsburgo.

Procurando reverter tal situação, o cardeal e ministro Richelieu incitou a organização de um levante militar sueco contra a recém-estruturada força territorial e política do Sacro Império. Após alguns êxitos, entre 1630 e 1632, o reino da Suécia passou a sofrer diversas derrotas para os alemães. Mediante o resultado, o governo francês decidiu finalmente organizar suas tropas para barrar o crescimento da influência econômica e política dos germânicos pela Europa.

Formando um exército de quase 100 mil homens, os franceses e seus aliados renovaram a luta contra a hegemonia católica dos Habsburgos. Entre 1635 e 1644, os franceses conseguiram impor significativas derrotas que colocavam a hegemonia do rei germânico Fernando II em completa crise. A partir de 1645, as negociações para a assinatura de um tratado de paz tomavam maior força.

Em 1648, a Paz de Vestfália deu um ponto final a essa extensa guerra. Nesse acordo, os holandeses finalmente tinham sua independência reconhecida pelos espanhóis. Ao mesmo tempo, o poderoso e ameaçador Sacro Império Germânico ficou reduzido apenas a um conjunto de pequenos estados autônomos. Sob o ponto de vista religioso, esse mesmo acordo determinou a liberdade religiosa nos países e territórios assolados pelo conflito.

A Guerra dos Trinta Anos colocou católicos e protestantes em confronto direto.
A Guerra dos Trinta Anos colocou católicos e protestantes em confronto direto.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Mercantilismo: um novo modo de orientar a economia europeia.
Mercantilismo
Uma postura econômica que marcou a Europa Moderna.
Liberalismo
Clique aqui para entender o conceito de liberalismo, a sua história e as aplicações do liberalismo nos campos político e econômico.
O infante Dom Henrique teve grande papel no desenvolvimento marítimo de Portugal.
O pioneirismo português
Os fatores que contribuíram para a inserção de Portugal nas Grandes Navegações.
Para os fisiocratas, como Quesnay, a terra era a gênese de toda riqueza produzida.
Fisiocracia
As diretrizes de uma importante teoria econômica do pensamento iluminista.
Tratado de Methuen: o acordo que marcou a história econômica portuguesa no século XVIII.
Tratado de Methuen
O acordo comercial que marcou a história econômica lusitana.
O Humanismo foi uma das questões que marcaram profundamente o Renascimento.
Humanismo
Clique e entenda o que foi e quais são as características do humanismo!
O processo de formação das Monarquias Nacionais atribuiu novas feições à Europa.
Formação das Monarquias Nacionais
Monarquia, Monarquias Nacionais, formação das monarquias nacionais, instalação do poder monárquico, crise do feudalismo, instalação do poder real, Baixa Idade Média, Europa, Mercantilismo, Idade Moderna, Revoluções Liberais, Absolutismo.
O capitalismo começou a se expandir ao fim da Idade Média, criando inúmeras instituições, como os bancos
Capitalismo e seu desenvolvimento
Conheça as principais características do capitalismo e como ele se desenvolveu em sua história.
A saída de Portugal era apenas o primeiro passo de uma desafiadora aventura.
A aventura das grandes navegações
Os infortúnios e rotinas que marcaram essa aventura histórica.
O Renascimento está dividido em fases marcadas por diferentes artistas e traços.
Fases do Renascimento Italiano
Os distintos períodos que marcam o Renascimento na Itália.