Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo é um poeta da segunda geração romântica. Ele nasceu em 12 de setembro de 1831 e faleceu em 25 de abril de 1852. Era um poeta romântico típico, pois se entregou à melancolia, ao isolamento e ao tédio, enquanto vivia e escrevia suas obras. Morreu jovem, com 20 anos de idade, e deixou poesias, uma peça de teatro (Macário) e uma novela (Noite na taverna), entre outros textos, publicados após a sua morte.

Suas obras são caracterizadas pelo subjetivismo, pessimismo, escapismo, morbidez, além da idealização do amor e da mulher. Características encontradas no seu livro mais famoso e apreciado pela crítica — Lira dos vinte anos, em cujo prefácio, o autor reconhece a materialidade da vida, apesar de a matéria-prima do poeta romântico ser o sonho. Em suas palavras: “O poeta acorda na terra”.

Leia mais: Romantismo no Brasil – características próprias desse movimento em terras brasileiras

Biografia de Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo (Manuel Antônio Álvares de Azevedo) é um poeta do romantismo brasileiro que nasceu em 12 de setembro de 1831, na cidade de São Paulo. Sua família mudou-se, em 1833, para o Rio de Janeiro, onde, em 1845, o escritor começou a estudar no Colégio Pedro II, em regime de internato. Já em 1848, ingressou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo, onde criou a Revista Mensal da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano.

O escritor Álvares de Azevedo.
O escritor Álvares de Azevedo.

O poeta foi obrigado a abandonar o curso de Direito em 1851, devido a problemas causados pela tuberculose. No ano seguinte, em 1852, sofreu um acidente de cavalo e, como resultado, foi acometido por um abscesso na fossa ilíaca. Acabou falecendo, depois de uma cirurgia, em 25 de abril de 1852, com 20 anos de idade. Assim, muito do que se sabe sobre a vida do escritor deve-se às 69 cartas que ele escreveu, tanto para a família quanto para seu amigo Luiz Antonio da Silva Nunes (1830-1911).

De acordo com o teor de suas cartas, é possível perceber que Álvares de Azevedo comportava-se, na maioria das vezes, como um típico poeta romântico. Elas revelam um jovem melancólico, que preferia o isolamento, dedicado aos estudos, à leitura e à escrita, que experimentava o tédio e, inadaptado às convenções, lançava um olhar crítico sobre as práticas burguesas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características literárias de Álvares de Azevedo

As obras do escritor Álvares de Azevedo estão inseridas na segunda geração romântica, também conhecida pelas seguintes qualificações: “byroniana”, “ultrarromântica” ou “mal do século”. Assim, elas apresentam as seguintes características:

  • Subjetivismo

  • Evasão na morte

  • Saudosismo

  • Pessimismo

  • Sentimento de angústia

  • Sofrimento amoroso

  • Escapismo

  • Exagero sentimental

  • Marcas do isolamento social do poeta

  • Extrema idealização: da vida, da mulher e do amor

  • Amor e morte como temáticas principais

  • Locus horrendus (lugar tempestuoso)

  • Fuga da realidade

Obras de Álvares de Azevedo

As obras do escritor foram reunidas em edição póstuma intitulada Obras de Manuel Antônio Álvares de Azevedo, em 1862. As principais são:

  • Lira dos vinte anos

  • O poema do frade

  • O conde Lopo

  • Macário

  • Noite na taverna

  • O livro de Fra Gondicário

  • Poemas irônicos, venenosos e sarcásticos

Assim, esse poeta, o maior representante da segunda geração romântica, cantou a morte em seus versos e a mulher vaporosa, de sonho, a mulher idealizada, como podemos ver no poema “Meu anjo”, do livro Poemas irônicos, venenosos e sarcásticos. Nesse texto, o eu lírico caracteriza a mulher amada da seguinte forma: “anjo”, “encanto”, “maravilha”, com seios “alvos” e “macios”, “vaporosa” (pois irreal, de sonho), “fronte angélica”, “formosa”, “leviana” e “bela”.

A mulher idealizada é chamada de “criatura vaporosa”, pelo poeta, porque não é real.
A mulher idealizada é chamada de “criatura vaporosa”, pelo poeta, porque não é real.

No entanto, essa visão desperta no eu lírico a tristeza e a morbidez, como se pode ver nos seguintes versos: “Triste de noite na janela a vejo”, “Entorna ao sangue a luz do paraíso…/ Dá morte num desdém”. Ele finaliza sua poesia com o pessimismo romântico típico dessa segunda geração:

Meu anjo

Meu anjo tem o encanto, a maravilha
Da espontânea canção dos passarinhos;
Tem os seios tão alvos, tão macios
Como o pelo sedoso dos arminhos.

Triste de noite na janela a vejo
E de seus lábios o gemido escuto.
É leve a criatura vaporosa
Como a frouxa fumaça de um charuto.

Parece até que sobre a fronte angélica
Um anjo lhe depôs coroa e nimbo...
Formosa a vejo assim entre meus sonhos
Mais bela no vapor do meu cachimbo.

Como o vinho espanhol, um beijo dela
Entorna ao sangue a luz do paraíso.
Dá morte num desdém, num beijo vida,
E celestes desmaios num sorriso!

Mas quis a minha sina que seu peito
Não batesse por mim nem um minuto,
E que ela fosse leviana e bela
Como a leve fumaça de um charuto!

É do mesmo livro um dos poemas mais famosos de Álvares de Azevedo, intitulado “Se eu morresse amanhã!” e interpretado, por alguns leitores, como um presságio da própria morte do poeta. Nesse poema, o eu lírico menciona a possível glória (o reconhecimento) e o amor que ele perderia se morresse amanhã, mas também menciona a dor que acabaria se ele morresse amanhã:

Se eu morresse amanhã

Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar os olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n’alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito,
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã...
A dor no peito emudecera ao menos,
Se eu morresse amanhã!

Veja também: Castro Alves – vida e obra do "Poeta dos Escravos"

Lira dos vinte anos

Capa do livro “Lira dos vinte anos”, de Álvares de Azevedo, publicado pela editora L&PM. [1]
Capa do livro “Lira dos vinte anos”, de Álvares de Azevedo, publicado pela editora L&PM. [1]

O livro de Álvares de Azevedo, Lira dos vinte anos, é sua obra mais conhecida e apreciada pela crítica. É um livro de poesias dividido em três partes. A primeira parte possui poemas como “No mar” e “Sonhando”, em que as figuras da mulher idealizada e da morte entrelaçam-se para comporem os anseios do eu lírico.

A segunda parte é conhecida, principalmente, pelo prefácio do autor, que, com ironia e certo amargor, assim a apresenta:

“Aqui dissipa-se o mundo visionário e platônico. Vamos entrar num mundo novo, terra fantástica, [...].

Há uma crise nos séculos como nos homens. E quando a poesia cegou deslumbrada de fitar-se no misticismo, e caiu do céu sentindo exaustas as suas asas de ouro. O poeta acorda na terra. Demais, o poeta é homem. Homo sum, como dizia o celebre Romano. Vê, ouve, sente e, o que é mais, sonha de noite as belas visões palpáveis de acordado. Tem nervos, tem fibra e tem artérias — isto é, antes e depois de ser um ente idealista, é um ente que tem corpo. E, digam o que quiserem, sem esses elementos, que sou o primeiro a reconhecer muito prosaicos, não há poesia.

[...]”

Além disso, possui textos como o longo poema “Um cadáver de poeta” e “Boêmios” — a “comédia não escrita”, como a definiu o autor —, que retratam o poeta da segunda geração. O primeiro traz a imagem depressiva de um poeta solitário que morreu de fome e não teve nem felicidade nem reconhecimento em vida. Já o segundo texto mencionado fala sobre o poeta Nini e seus sonhos, ridicularizados pelo bêbado Puff.

Por fim, na terceira parte, é possível ler, entre outros, os poemas “Pálida imagem” e “Página rota”. No primeiro, o eu lírico fala de sua paixão, durante a mocidade, por uma mulher pálida, que pode ser uma mulher de sonho, de fantasia, ou uma jovem amada doente, à beira da morte, ou mesmo a própria morte personificada. Já o segundo fala do sonho do eu lírico de poder ser feliz no amor com uma tal “pálida mulher”. A presença da mulher pálida é recorrente na poesia da segunda geração romântica.

Veja mais: José de Alencar – vida e obra do grande prosador do romantismo brasileiro

Frases de Álvares de Azevedo

A seguir, algumas frases de Álvares de Azevedo que merecem destaque. Elas foram retiradas de cartas que o autor escreveu para o seu melhor amigo, Luiz Antonio da Silva Nunes:

“Às Santas adora-se, mas não ama-se.”

“É bem doce o pensamento de ter-se um amigo ainda que ausente.”

“Cada qual dá o que tem — dar-te-ei versos, já que só isso tenho.”

“Enquanto houver vida em minha alma, haverá nela uma lembrança tua.”

“É uma sina minha que eu amasse muito, e que ninguém me amasse.”

“Quando o tédio vem de dentro, não é o sorrir dos bailes que possa adoçá-lo.”

“Assim como eu te amo, ama-me.”

Já no prefácio de Lira dos vinte anos, destacamos estas duas impactantes frases:

“O poeta acorda na terra.”

“Nos mesmos lábios onde suspirava a monodia amorosa, vem a sátira que morde.”

Crédito da imagem

[1] L&PM Pocket (Reprodução)

Publicado por: Warley Souza
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

(FUVEST)

Ossian o bardo é triste como a sombra
Que seus cantos povoa. O Lamartine
É monótono e belo como a noite,
Como a lua no mar e o som das ondas...
Mas pranteia uma eterna monodia,
Tem na lira do gênio uma só corda;
Fibra de amor e Deus que um sopro agita:
Se desmaia de amor a Deus se volta,
Se pranteia por Deus de amor suspira.
Basta de Shakespeare. Vem tu agora,
Fantástico alemão, poeta ardente
Que ilumina o clarão das gotas pálidas
Do nobre Johannisberg! Nos teus romances
Meu coração deleita-se... Contudo,
Parece-me que vou perdendo o gosto.

(…)

(Álvares de Azevedo, Lira dos vinte anos)

Considerando-se esse excerto no contexto do poema a que pertence (Ideias íntimas), é correto afirmar que, nele,

a) o eu lírico manifesta tanto seu apreço quanto sua insatisfação em relação aos escritores que evoca.
b) a dispersão do eu lírico, própria da ironia romântica, exprime-se na métrica irregular dos versos.
c) o eu lírico rejeita a literatura e os demais poetas porque se identifica inteiramente com a natureza.
d) a recusa dos autores estrangeiros manifesta o projeto nacionalista típico da segunda geração romântica brasileira.

e) Lamartine é criticado por sua irreverência para com Deus e a religião, muito respeitados pela segunda geração romântica. 

Questão 2

(FUVEST)

Teu romantismo bebo, ó minha lua,

A teus raios divinos me abandono,

Torno-me vaporoso... e só de ver-te

Eu sinto os lábios meus se abrir de sono.

(Álvares de Azevedo, “Luar de verão”, Lira dos vinte anos)

Nesse excerto, o eu lírico parece aderir com intensidade aos temas de que fala, mas revela, de imediato, desinteresse e tédio. Essa atitude do eu lírico manifesta a:

a) ironia romântica.

b) tendência romântica ao misticismo.

c) melancolia romântica.

d) aversão dos românticos à natureza.

e) fuga romântica para o sonho. 

Mais Questões
Assuntos relacionados
Capa do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, autoria de Di Cavalcanti
Semana de Arte Moderna
Clique aqui e conheça o que foi e quem foram os idealizadores da Semana da Arte Moderna!
Abaporu, quadro de Tarsila Amaral que representa um marco do movimento antropofágico
Modernismo - Primeira fase literária
Os acontecimentos da primeira fase na literatura modernista!
Vanguardas europeias
Entenda o que foram as vanguardas europeias. Veja quais foram os movimentos de vanguarda e quais as suas principais características.
Vinícius de Moraes
Saiba quem foi Vinicius de Moraes, veja detalhes de sua biografia, descubra quais foram suas fases literárias e veja exemplos de poemas e de suas principais canções.
A segunda geração do Romantismo no Basil, ou Ultrarromantismo, caracterizou-se pela temática pessimista
Segunda geração do Romantismo no Brasil
Conheça a segunda geração do Romantismo no Brasil e aprenda mais sobre os principais autores e sobre as características das obras desse período.
A revolta em relação à escravidão foi um dos temas principais dessa geração
Terceira Geração do Romantismo no Brasil
Conheça a Terceira Geração do Romantismo no Brasil e aprenda mais sobre os principais autores e como as obras desse período eram caracterizadas.
1º de maio – Dia da Literatura Brasileira
Conheça mais sobre o Dia da Literatura Brasileira: sua origem, o que se comemora nele, e principais autores e obras da nossa literatura.
Barroco
Contexto histórico e características da estética literária!Saiba o que foi o barroco, veja quais as suas principais características e vertentes e quais os autores europeus e brasileiros de maior notoriedade.
Machado de Assis
Machado de Assis e o realismo no Brasil
Como se desenvolveu o Realismo no Brasil e seu principal autor, Machado de Assis!
Afonso Romano de Sant’Anna – um dos representantes da poesia social
Poesia social
A poesia social tem como temática a denúncia dos fatos sociais em si. Atenha-se aqui a seus principais pressupostos!
Castro Alves
Saiba quem foi Castro Alves e entenda o contexto histórico em que esse poeta viveu. Conheça também a sua obra-prima, “O navio negreiro”, além de outros poemas.
José de Alencar
Entenda por que José de Alencar é tido como um clássico da literatura brasileira. Veja biografia, características de suas obras e de seus principais romances.
Gonçalves Dias foi o principal poeta da primeira geração do Romantismo brasileiro
Primeira geração do Romantismo brasileiro
O Romantismo no Brasil: Clique e conheça os principais traços que definem a primeira geração do Romantismo brasileiro.