Whatsapp icon Whatsapp

Poesia social

A poesia social denuncia os problemas sociais de um país. O romantismo é o berço dela. Castro Alves é o principal representante histórico dessa poesia no Brasil.
Muro no Rio de Janeiro com arte em grafite, em alusão à poesia social.
Esse grafite no Rio de Janeiro mostra que a poesia está em toda parte.[1]

Poesia social é o texto poético cuja temática principal está relacionada à denúncia de problemas sociais. Esse tipo de poesia surgiu no século XIX, no contexto do romantismo francês. No Brasil, seu principal representante histórico foi o poeta baiano Castro Alves, autor do famoso poema “O navio negreiro”.

Leia também: Afinal, o que é poesia?

Resumo sobre poesia social

  • A poesia social é aquela que possui algum tipo de temática social.

  • Sua origem se deu no romantismo francês, no século XIX.

  • No Brasil, o principal autor histórico de poesia social foi o poeta baiano Castro Alves.

  • “O navio negreiro”, de Castro Alves, é a principal obra histórica de poesia social brasileira.

O que é poesia social?

Consideramos como social a poesia que trata de temáticas sociais. A poesia social mostra a realidade de um país e problemas como pobreza, desigualdade, corrupção política, preconceito, discriminação, violência etc.

Principais características da poesia social

A poesia social pode ser escrita em versos ou prosa, pois o que a define é sua temática e seu caráter conotativo. A temática dessa poesia está associada a seu tempo e local de produção. Afinal, cada país ou região possui seus próprios problemas sociais, também condizentes com cada período histórico.

No Brasil, esse tipo de poesia teve maior relevância durante o romantismo e o modernismo. Tais estilos de época, devido às suas características e ao contexto histórico em que estavam inseridos, se mostraram mais propícios ao desenvolvimento da temática social e, portanto, política.

A temática de cunho social é diversificada, engloba temas como escravidão, fome, seca, discriminação, desemprego, abuso de poder etc. A poesia social pretende denunciar problemas sociais, criticar autoridades e instituições. Desse modo, ela leva à reflexão e busca ser um instrumento de mudança da sociedade.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Principais autores da poesia social

  • Victor Hugo (1802-1885) — França

  • Georg Weerth (1822-1856) — Alemanha

  • Castro Alves (1847-1871) — Brasil

  • Cesário Verde (1855-1886) — Portugal

  • Manuel Bandeira (1886-1968) — Brasil

  • Cora Coralina (1889-1985) — Brasil

  • Vladimir Maiakovski (1893-1930) — Rússia

  • Jorge de Lima (1893-1953) — Brasil

  • Cassiano Ricardo (1895-1974) — Brasil

  • Federico García Lorca (1898-1936) — Espanha

  • Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) — Brasil

  • Pablo Neruda (1904-1973) — Chile

  • João Cabral de Melo Neto (1920-1999) — Brasil

  • Noémia de Sousa (1926-2002) — Moçambique

  • Maya Angelou (1928-2014) — Estados Unidos

  • Ferreira Gullar (1930-2016) — Brasil

  • Mário Chamie (1933-2011) — Brasil

  • Cacaso (1944-1987) — Brasil

  • Conceição Evaristo (1946-) — Brasil

Principais obras da poesia social

Estátua em homenagem a Castro Alves.
Estátua em homenagem a Castro Alves.

O poema mais emblemático da poesia social brasileira é “O navio negreiro”, de Castro Alves. Vamos ler, a seguir, um fragmento desse poema, que fala do tráfico ilegal de escravos no século XIX:

Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras, moças... mas nuas, espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs.

E ri-se a orquestra, irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais...
Se o velho arqueja... se no chão resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais...

Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece...
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!

CASTRO ALVES. O navio negreiro: tragédia no mar. In: RIMOGRAFIA, Slim. O navio negreiro. São Paulo: Panda Books, 2011.

Ainda sobre a temática negra, temos o clássico poema da poetisa estado-unidense Maya Angelou. “Ainda assim, eu levanto” é um grito de resistência contra o preconceito e a discriminação, como podemos ver neste trecho da tradução de Jorge Pontual:

Você me relega ao passado,
E pode mentir um tanto,

Pode me jogar na lama,
Como poeira, eu levanto.

Minha petulância dói?
Tristinho você se cala?

Ando como se tivesse
Petróleo na minha sala.

Como a lua e como o sol,
Como a maré por encanto,

Como a esperança que nasce,
Eu levanto.
[...]

Minha altivez o ofende?
Não me leve tão a mal,

Porque eu rio por ter minas
De ouro no meu quintal.

PONTUAL, Jorge. Ainda assim, eu levanto. In: PAGANINE, Carolina. Tradução de poesia e performance: “Still I Rise”, de Maya Angelou. Ilha do Desterro, Florianópolis, v. 72, n. 2, maio/ago. 2019.

Por fim, um fragmento do poema “Canto geral”, épico de Pablo Neruda, um poeta chileno que nos mostrou a história e a realidade do continente americano, que engloba o Brasil:

Castro Alves do Brasil, para quem cantaste?
Para a flor cantaste? Para a água
cuja formosura diz palavras às pedras?
Cantaste para os olhos, para o perfil recortado
da que então amaste? Para a primavera?

Sim, mas aquelas pétalas não tinham orvalho,
aquelas águas negras não tinham palavras,
aqueles olhos eram os que viram a morte,
ardiam ainda os martírios por detrás do amor,
a primavera estava salpicada de sangue.
[...]

— Cantei naqueles dias contra o inferno,
contra as afiadas línguas da cobiça,
contra o ouro empapado de tormento,
contra a mão que empunhava o chicote,
contra os dirigentes de trevas.
[...]

Castro Alves do Brasil, hoje que o teu livro puro
torna a nascer para a terra livre,
deixa-me a mim, poeta da nossa América,
coroar a tua cabeça com os louros do povo.
Tua voz uniu-se à eterna e alta voz dos homens.
Cantaste bem. Cantaste como se deve cantar.

NERUDA, Pablo. Canto geral. Tradução de Paulo Mendes Campos. 16. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

Leia também: Poesia de Ferreira Gullar — outro nome da poesia social no país

Contexto histórico da poesia social

A Revolução Francesa aconteceu em 1789 e foi um movimento político que teve como lema a frase: “liberdade, igualdade, fraternidade”. Essa revolução fez com que a burguesia assumisse o protagonismo na Europa a partir de então. Foi nesse contexto que surgiu o romantismo, um estilo de época marcado pelo sentimento nacionalista, mas também inspirado nos ideais revolucionários.

Assim, a poesia social teve início na França, durante o século XIX. O escritor francês Victor Hugo foi o principal nome desse tipo de poesia em sua origem, o seio do romantismo. Já no Brasil, o principal representante histórico da poesia social foi o poeta baiano Castro Alves. A obra desse poeta romântico e abolicionista está inserida no contexto do Segundo Reinado, em que a Lei Eusébio de Queirós (1850) e a Lei do Ventre Livre (1871) precederam a abolição da escravatura (1888).

Créditos da imagem

[1] EQRoy / Shutterstock

Publicado por Warley Souza

Artigos Relacionados

21 de Março – Dia Mundial da Poesia
Conheça as motivações para a criação do Dia Mundial da Poesia e os poetas que marcaram a história da literatura brasileira.
A arte da palavra: a Literatura
Clique e conheça uma seção dedicada ao incrível universo da Literatura!
Castro Alves
Saiba quem foi Castro Alves e entenda o contexto histórico em que esse poeta viveu. Conheça também a sua obra-prima, “O navio negreiro”, além de outros poemas.
Federico García Lorca
Conheça Federico García Lorca, autor assassinado no contexto da Guerra Civil Espanhola. Conheça seus famosos poemas e peças de teatro.
Jorge de Lima
Veja quem é Jorge de Lima, conheça as características de suas obras literárias e leia algumas frases do autor.
Modernismo - Primeira fase literária
Os acontecimentos da primeira fase na literatura modernista!
Modernismo – Momento histórico da primeira fase
Tudo sobre a história da primeira fase do Modernismo!
O que é poesia?
Você sabe o que é poesia? Clique e saiba mais sobre a relação da poesia com as diferentes manifestações artísticas.
Pablo Neruda
Saiba quem é o poeta e diplomata chileno Pablo Neruda. Conheça as principais características de suas obras. Veja algumas frases do autor.
Poesia, poema e soneto
Você sabe qual é a diferença entre poesia, poema e soneto? Clique e saiba mais sobre o gênero lírico!
Simbolismo
Acesse para descobrir o que foi o Simbolismo. Conheça seu contexto histórico e origem. Aprenda, também, quais foram os principais autores do Simbolismo português e brasileiro.
Vanguardas europeias
Entenda o que foram as vanguardas europeias. Veja quais foram os movimentos de vanguarda e quais as suas principais características.
Victor Hugo
Conheça Victor Hugo, grande nome do romantismo francês. Conheça seu estilo literário, e veja quais obras ele escreveu. Leia algumas de suas frases.
video icon
Professor ao lado do escrito "Qual a diferença entre discurso e texto?".
Português
Qual a diferença entre discurso e texto?
Todo texto é um discurso. Mas e o contrário? Todo discurso é um texto? Nesta aula vamos acabar de vez com essa confusão e deixar bem claro quem é quem no universo textual.