Whatsapp icon Whatsapp

Bomba atômica

   Bombas atômicas são dispositivos cujo poder de destruição deriva da fissão de núcleos de átomos como o urânio-235 ou o plutônio-239. A detonação desse tipo de explosivo causa uma grande destruição devido ao intenso calor, deslocamento de ar e radioatividade, além dos efeitos a longo prazo à saúde e ao meio ambiente.

Veja também: Tsar Bomb – a bomba mais potente já feita

Como funciona uma bomba atômica?

A grande quantidade de energia liberada pela detonação de uma bomba nuclear pode ser obtida por meio de dois processos diferentes: a fissão nuclear (quebra) ou a fusão nuclear (união), que envolvem, em ambos os casos, as partículas que compõem o núcleo atômico (nêutrons e prótons). Vamos compreender melhor como funcionam esses processos.

  • Fissão nuclear: o núcleo de um átomo (no caso das bombas nucleares, geralmente se utiliza urânio ou plutônio) é dividido em núcleos menores depois de absorver um nêutron livre e, assim, torna-se instável. Os núcleos que se quebram liberam outros nêutrons e, consequentemente, dão início a uma reação em cadeia que desintegra uma grande quantidade de núcleos atômicos vizinhos.

  • Fusão nuclear: ocorre quando dois átomos, como os átomos de hidrogênio e hélio, fundem-se, quando sujeitos a condições extremas de pressão e temperatura, formando, assim, átomos mais pesados. Esse é o processo que ocorre no núcleo das estrelas e que é responsável pela formação de diversos núcleos atômicos.

Modelo pós-guerra de “Little Boy”, a bomba atômica que explodiu sobre Hiroshima, Japão, na Segunda Guerra Mundial.
Modelo pós-guerra de “Little Boy”, a bomba atômica que explodiu sobre Hiroshima, Japão, na Segunda Guerra Mundial.

Bombas de fissão nuclear

As bombas nucleares mais conhecidas funcionam a partir da fissão de átomos como o urânio-233, urânio-235, plutônio-239 etc. Esses átomos são usados para tais fins por sofrerem fissões espontaneamente: assim que absorvem um nêutron, sua fissão é iniciada, sem a necessidade de qualquer fonte externa de energia para acioná-la.

Quando o átomo de urânio-235 absorve um nêutron, ele se desintegra em átomos mais leves e emite outros dois ou três nêutrons. Esses nêutrons são então absorvidos por outros átomos de urânio-235, o que resulta em uma reação em cadeia extremamente rápida e que libera uma enorme quantidade de energia, principalmente na forma de radiação eletromagnética (raios gama, raios x, radiação térmica, etc.). Veja a equação que rege a fissão nuclear do urânio:

 Fissão nuclear do urânio-235
Fissão nuclear do urânio-235

Tamanha energia surge da conversão de uma pequena quantidade de massa em energia. Essa energia é explicada pela famosa relação massa-energia descrita por Albert Einstein e conhecida mundialmente pela fórmula E = mc², em que E é a energia liberada, m é a massa que é convertida em energia, e c é o módulo da velocidade da luz (c = 3.108 m/s), elevada ao quadrado.

Leia também: Constituição química e história dos explosivos

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Bombas de fusão nuclear

As bombas de fusão nuclear, também conhecidas como bombas termonucleares ou bombas de hidrogênio, funcionam por intermédio da fusão nuclear, como o próprio nome sugere. A ativação desse tipo de bomba requer duas detonações, uma química (explosivos convencionais) e uma nuclear.

A primeira detonação faz com que o material físsil da bomba inicie o processo de desintegração dos núcleos. Todo o material da bomba de fusão nuclear envolve um compartimento preenchido por um gás de hidrogênio. Desse modo, a pressão e a alta temperatura produzidas pela fissão fazem com que os átomos de hidrogênio fundam-se. O processo de fusão nuclear libera ainda mais energia que o processo de fissão nuclear e também emite novos nêutrons, mantendo a fissão nuclear crítica (ativa).

Bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki

Explosão causada pela bomba nuclear lançada sobre a cidade de Hiroshima.
Explosão causada pela bomba nuclear lançada sobre a cidade de Hiroshima.

As bombas de Hiroshima e Nagasaki, respectivamente apelidadas de Little Boy e Fat Man, foram usadas para bombardear as cidades japonesas de mesmo nome no fim da Segunda Guerra Mundial, entre os dias 6 e 9 de agosto de 1945.

As bombas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki eram bombas de fissão nuclear, entretanto funcionavam de forma diferente e, inclusive, utilizavam materiais de fissão diferentes. Enquanto a bomba lançada em Hiroshima utilizava o urânio, a bomba de Nagasaki era carregada de plutônio. Quer saber mais detalhes sobre o assunto? Acesse o nosso texto específico sobre o tema: Lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki.

O que uma bomba atômica pode causar?

As bombas nucleares são as armas mais destrutivas e desumanas de que temos conhecimento, tendo em vista a enorme devastação imediata e os efeitos que perduram ao longo de muitos anos após a sua detonação.

Os efeitos imediatos da detonação de uma bomba nuclear, como a bomba lançada sobre Hiroshima, incluem:

  • o surgimento de uma grande bola de fogo, com cerca de 180 m de raio, aniquilando tudo na região;

  • formação de uma onda de choque inicial, que causa um deslocamento de ar capaz de danificar e até mesmo derrubar prédios em um raio de 340 m;

  • a morte de 50% a 90% das pessoas localizadas a um raio de 1,2 km do ponto de detonação, o que poderia demorar dias ou até mesmo semanas, devido a desabamentos, queimaduras e efeitos da radiação;

  • colapso de prédios residenciais a um raio de cerca de 1,67 km do centro da explosão, deixando uma grande quantidade de feridos;

  • a 1,91 km do ponto zero, as pessoas sofreriam queimaduras de terceiro grau, acidentes potencialmente letais e/ou que levariam à invalidez.

Além dos efeitos imediatos e a curto prazo, a detonação de uma bomba atômica acarretaria uma grande quantidade de problemas à saúde humana ao longo de gerações, devido ao surgimento de mutações genéticas desenvolvidas pela exposição de adultos, crianças, gestantes e até mesmo fetos à radiação.   

Publicado por Rafael Helerbrock

Artigos Relacionados

Bomba nuclear: uma arma explosiva com alto poder destrutivo
A história do surgimento da bomba atômica
A criação da bomba atômica marcou a história da humanidade.
Combinação de efeito explosivo com danos radioativos.
Bomba de dispersão radiológica
Dispositivo que usa da disperção para alcançar efeitos radiológicos.
Qual a potência da bomba de hidrogênio?
Bomba de hidrogênio
Você sabe o que é uma bomba de hidrogênio? Clique aqui e entenda!
O Césio 137 é um elemento altamente radioativo
Césio 137
O que é Césio 137, acidente do Césio em Goiânia, isótopo radioativo, fissão de urânio ou plutônio, equipamentos de radiografia, emitir radiações gama, fiscalização do lixo radioativo, Comissão Nacional de Energia Nuclear, conseqüências do Césio 137.
Os elementos transurânicos possuem número atômico maior que o do Urânio
Elementos transurânicos
Conheça a sigla, nome, número atômico, características e história dos elementos químicos de número atômico maior que 92, os elementos transurânicos.
A emissão radioativa natural mais prejudicial aos seres vivos, podendo trazer danos irreparáveis, é a radiação gama
Emissões Radioativas Naturais
Conheça as principais características das emissões radioativas naturais alfa, beta e gama, como a sua constituição, poder de penetração e possíveis danos aos seres vivos.
Visão do cogumelo atômico da cidade de Kure durante o bombardeio a Hiroshima, em 6 de agosto de 1945
Lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki
Conheça os motivos apontados por Estados Unidos para o lançamento de bombas atômicas sobre as cidades japonesas Hiroshima e Nagasaki em 1945.
A radiação alfa é composta por 2 prótons e 2 nêutrons
Radiação alfa
Conheça a radiação alfa que é emitida pelos núcleos dos elementos radioativos. Veja sua velocidade média, seu poder de penetração e quais são seus riscos ao ser humano.
A transmutação artificial é conseguida em laboratório por meio do bombardeamento de núcleos estáveis com diferentes partículas
Radioatividade Artificial
Descubra o que é radioatividade artificial, como ela é realizada em laboratório, como foi a sua descoberta e de que forma ela tem sido aplicada atualmente.
Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPAN)
Saiba mais acerca do Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPAN). Veja quais são os países participantes e a posição das potências nucleares sobre o acordo.
Réplica da “Tsar Bomb”, em exposição no museu de Moscou*
Tsar Bomb – a bomba mais potente já feita
Saiba o que é a Tsar Bomb e o que ela representou no contexto da Guerra Fria e o que representa ainda hoje.
Central nuclear
Uso da Energia Nuclear
Mudanças da constituição do núcleo de um átomo, átomo de urânio, fissão nuclear, central nuclear, energia nuclear, materiais radioativos, reator nuclear, energia elétrica, ciclo termodinâmico.
video icon
Biologia
Transgênicos
Se tornou bastante comum a utilização de alimentos transgênicos em nossa alimentação. Alguns produtos são produzidos com uma grande eficiência e conseguimos quase que 100% de aproveitamento graças a processos de transgenia, o debate sobre a segurança desses produtos ainda é muito grande e está longe de uma conclusão. Mas a verdade é que transgênicos estão mais presentes em nossas vidas do que imaginamos.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Sociologia
Democracia racial
Você sabe o que significa democracia racial? Clique e nós te ensinamos!
video icon
Tigres Asiáticos
Geografia
Tigres Asiáticos
Assista à nossa videoaula sobre os Tigres Asiáticos, e conheça as razões do desenvolvimento rápido desses territórios.