Bomba atômica

A Bomba atômica é uma arma de energia nuclear que possui um grande poder de destruição. Foi elaborada durante a Segunda Guerra Mundial quando houve a necessidade de desenvolver novas armas de combate. Partindo dessa necessidade, alguns cientistas realizaram pesquisas do átomo partindo das teorias de Albert Einstein.

Antes de saber sobre o funcionamento da bomba atômica você precisa saber sobre o elemento Urânio, um dos causadores da explosão. O Urânio é um isótopo, ou seja, existem duas formas do elemento Urânio, elas possuem o mesmo número atômico, mas se diferem na quantidade de massa.

O Urânio com massa 238 é mais comum na natureza, já o que possui massa 235 representa apenas 0,72% do total de Urânio existente, e é justamente ele que representa perigo à humanidade. É usado em reatores nucleares e em bombas atômicas.

Quando o núcleo do átomo de urânio 235 é atingido velozmente por um nêutron em alta velocidade, ele se quebra em dois pedaços e lança mais nêutrons e porções de energia. Cada um dos nêutrons projetados pela quebra atinge outros núcleos de átomos de urânio, realizando novamente a quebra e gerando mais nêutrons e mais energia, e assim sucessivamente. Esse processo é chamado de fissão nuclear (fissão=quebra, nuclear= núcleo) e significa a quebra do núcleo.

Em 1942, cientistas nos Estados Unidos realizaram a primeira experiência atômica e obtiveram êxito. Aproveitando a descoberta, o presidente americano Harry Truman, querendo forçar o Japão a sair da guerra, ordenou que fossem lançadas duas bombas sobre o país.

Em 06 de agosto foi lançada a primeira bomba em Hiroshima e três dias depois a segunda bomba em Nagasáqui. Tais lançamentos provocaram a morte de 200 mil pessoas em Hiroshima e de 150 mil pessoas em Nagasáqui. Essa arma nuclear tinha a potência equivalente a 20 mil toneladas de dinamite. Ainda hoje, passados 58 anos da explosão da primeira bomba atômica, o número de vítimas continua sendo contabilizado, já ultrapassando 250 mil mortos.

Vale lembrar que uns poucos quilos de Urânio é capaz de provocar um enorme estrago como o que ocorreu em Hiroshima e Nagasáqui.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Explosão de uma bomba atômica.
Explosão de uma bomba atômica.
Publicado por: Líria Alves de Souza
Assuntos relacionados
Central nuclear
Uso da Energia Nuclear
Mudanças da constituição do núcleo de um átomo, átomo de urânio, fissão nuclear, central nuclear, energia nuclear, materiais radioativos, reator nuclear, energia elétrica, ciclo termodinâmico.
O Césio 137 é um elemento altamente radioativo
Césio 137
O que é Césio 137, acidente do Césio em Goiânia, isótopo radioativo, fissão de urânio ou plutônio, equipamentos de radiografia, emitir radiações gama, fiscalização do lixo radioativo, Comissão Nacional de Energia Nuclear, conseqüências do Césio 137.
A transmutação artificial é conseguida em laboratório por meio do bombardeamento de núcleos estáveis com diferentes partículas
Radioatividade Artificial
Descubra o que é radioatividade artificial, como ela é realizada em laboratório, como foi a sua descoberta e de que forma ela tem sido aplicada atualmente.
A radiação alfa é composta por 2 prótons e 2 nêutrons
Radiação alfa
Conheça a radiação alfa que é emitida pelos núcleos dos elementos radioativos. Veja sua velocidade média, seu poder de penetração e quais são seus riscos ao ser humano.
A emissão radioativa natural mais prejudicial aos seres vivos, podendo trazer danos irreparáveis, é a radiação gama
Emissões Radioativas Naturais
Conheça as principais características das emissões radioativas naturais alfa, beta e gama, como a sua constituição, poder de penetração e possíveis danos aos seres vivos.
Réplica da “Tsar Bomb”, em exposição no museu de Moscou*
Tsar Bomb – a bomba mais potente já feita
Saiba o que é a Tsar Bomb e o que ela representou no contexto da Guerra Fria e o que representa ainda hoje.
Os elementos transurânicos possuem número atômico maior que o do Urânio
Elementos transurânicos
Conheça a sigla, nome, número atômico, características e história dos elementos químicos de número atômico maior que 92, os elementos transurânicos.
Combinação de efeito explosivo com danos radioativos.
Bomba de dispersão radiológica
Dispositivo que usa da disperção para alcançar efeitos radiológicos.