Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Química
  3. Química Geral
  4. Hibridização do Berílio

Hibridização do Berílio

A hibridização do Berílio é o fenômeno que permite a formação de dois orbitais atômicos incompletos, com os quais ele realiza ligações covalentes.

O Berílio é um elemento químico metálico pertencente à família dos metais alcalinoterrosos, possui número atômico igual a 4 e apresenta a seguinte distribuição eletrônica:

1s2

2s2

O fato de o Berílio apresentar uma baixa energia de ionização favorece o seu caráter metálico (capacidade de perder elétrons), mas seus átomos possuem a capacidade de sofrer hibridização. A hibridização é um fenômeno que permite que os átomos de Berílio possam realizar ligações covalentes mesmo sendo metais.

Para realizar uma ligação covalente, um átomo deve apresentar obrigatoriamente um orbital ou orbitais atômicos incompletos. Analisando a distribuição eletrônica do Berílio, percebemos que os seus átomos apresentam apenas orbitais completos:

Representação dos orbitais completos 1s e 2s
Representação dos orbitais completos 1s e 2s

Com o fenômeno da hibridização, os átomos do Berílio passam a apresentar orbitais atômicos incompletos. Entenda como isso ocorre:

Passo 1: Excitação dos elétrons do Berílio

Quando um átomo de Berílio recebe energia do meio externo, os elétrons passam a ficar mais excitados, principalmente os do nível mais externo (segundo nível), o que faz com que um dos elétrons presentes no orbital 2s passe a ocupar um dos orbitais do subnível p, que estava vazio, também presente no segundo nível.

Representação do elétron saindo do orbital s para orbital p
Representação do elétron saindo do orbital s para orbital p

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Podemos representar a transição do elétron do orbital s para o orbital p utilizando algumas figuras, sendo elas a esfera, para o subnível s, e dupla-hélice, para o subnível p.

Elétron saindo do orbital s e partindo para o orbital p após a excitação
Elétron saindo do orbital s e partindo para o orbital p após a excitação

Passo 2: Hibridização dos orbitais incompletos

Após a excitação, o átomo do Berílio passa a apresentar dois orbitais atômicos incompletos. Esses dois orbitais atômicos incompletos unem-se e formam orbitais atômicos híbridos (ou hibridizados) do tipo sp.

Formação dos orbitais hibridizados sp do Berílio
Formação dos orbitais hibridizados sp do Berílio

Conhecendo a hibridização que o Berílio pode sofrer, podemos determinar qual é tipo de cada ligação sigma entre os átomos de uma molécula, como o Hidreto de Berílio (BeH2). Abaixo temos a fórmula estrutural do Hidreto de Berílio:

Fórmula estrutural do BeH2
Fórmula estrutural do BeH2

Como o Berílio apresenta dois orbitais híbridos do tipo sp e cada um deles está ligado a um átomo de hidrogênio, que apresenta orbital atômico s incompleto, as duas ligações sigmas presentes no composto são do tipo s-sp.

Modelo de hibridização entre um orbital s e um orbital p
Modelo de hibridização entre um orbital s e um orbital p
Publicado por: Diogo Lopes Dias
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
O Boro é um elemento químico que se localiza no grupo XIII da Tabela Periódica
Hibridização do boro

Clique e entenda passo a passo como ocorre a hibridização do boro e por que ela é conhecida como hibridização do tipo sp2.

Representação dos orbitais sp3 na molécula do metano
Hibridização sp3 do carbono
Clique e conheça como ocorre a hibridização sp3 do carbono e em que tipo de moléculas ela está presente.
O dióxido de carbono é um exemplo de substância que apresenta moléculas apolares
Moléculas apolares
Clique e aprenda a identificar moléculas apolares a partir de duas formas práticas de analisar sua estrutura.
Ilustração de átomo – corresponde apenas a um modelo, e não à realidade
Estrutura do átomo
Conheça a estrutura básica do átomo e quais são as suas principais partículas constituintes.
O dióxido de carbono é formado por ligações covalentes entre o carbono e dois átomos de oxigênio
Ligação Covalente
Entenda como ocorre a ligação covalente e como ela é representada por meio de fórmulas eletrônicas e estruturais.
Maleabilidade: permite obter diversos objetos.
Metais
Metais, maleabilidade, ductibilidade, condutibilidade, brilho metálico, estrutura cristalina, corrente elétrica, coloração vermelha, coloração dourada, cobre, ouro, cor prateada, raios X, agrupamento de cátions fixos, elétrons deslocalizados.
Composto estável: camada de valência completa.
Regra do Octeto
Como os átomos se ligam para atingir a estabilidade eletrônica?
A ligação covalente pelo modelo de orbitais de Linus Pauling se dá pela interpenetração ou fusão dos orbitais desemparelhados
Ligação Covalente e o Modelo de Linus Pauling com os Orbitais
Entenda o que diz a teoria da ligação covalente por meio da interpenetração de orbitais atômicos e veja exemplos de sua aplicação.
A evolução do modelo atômico contou com a contribuição de quatro cientistas principais: Dalton, Thomson, Rutherford e Bohr
Evolução dos Modelos Atômicos
Conheça a história da evolução dos modelos atômicos, incluindo os modelos de Dalton, Thomson, Rutherford e Bohr.