Polímero baquelite

A baquelite é um polímero de condensação, ou seja, é o resultado da reação de condensação entre dois monômeros, com a eliminação de moléculas de água.

Esse polímero foi o primeiro polímero sintético a representar uma mudança significativa na indústria, pois, em 1907, o cientista Leo Hendrik Baekeland conseguiu produzir a baquelite a partir de moléculas simples, que são o fenol (benzenol ou hidroxibenzeno) e o formaldeído (metanal, também conhecido como formol). Foi a primeira tentativa de se obter um produto a partir de moléculas simples (e que não fosse partindo de um polímero natural) que realmente deu certo.

Portanto, a baquelite é a variedade mais comum de polifenois. A reação de polimerização desse composto pode ser representada da seguinte forma:

Reação de polimerização da baquelite.
Reação de polimerização da baquelite.

Ao ser descoberta, a baquelite fez sucesso imediato, sendo utilizada na produção de discos musicais, tomadas, interruptores, cabos de panelas, telefones, bolas de bilhar, câmeras fotográficas, revestimentos de móveis (para esta finalidade a baquelite é conhecida como fórmica), carapaças de eletrodomésticos, peças de automóveis e na produção de algumas ferramentas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Produtos feitos de baquelite
Produtos feitos de baquelite.

Nesses casos citados, usa-se a resina termorrígida, pois dependendo da extensão e das condições em que ocorre a reação de polimerização – como, por exemplo, se é em meio básico ou ácido e dependendo da quantidade de aquecimento – pode-se obter também uma baquelite termoplástica.

A resina termorrígida atua como isolante elétrico e térmico e, por isso, pode ser usada para as finalidades descritas. Já a resina termoplástica é empregada na composição de revestimentos, como tintas e vernizes e em cola para madeira.

Nas décadas de 1920 e 1930 a baquelite foi muito utilizada para produzir telefones.
Nas décadas de 1920 e 1930 a baquelite foi muito utilizada para produzir telefones.
Publicado por: Jennifer Rocha Vargas Fogaça
Assuntos relacionados
Rearranjo entre átomos origina diferentes compostos.
Alotropia do Carbono
Clique aqui e entenda o conceito químico de alotropia do carbono!
Formação de polímeros: montagem de um quebra-cabeça.
Como se formam os polímeros?
Visão dos polímeros como peças de um quebra-cabeça.
O buna-N e o buna-S são copolímeros empregados na fabricação de pneus de automóveis
Copolímeros
Entenda como se dá a formação dos copolímeros por mais de um tipo de monômero. Veja também os principais copolímeros utilizados e produzidos atualmente.
Glicerol é um exemplo de molécula orgânica polar
Moléculas orgânicas polares e apolares
Entenda o que determina se as moléculas orgânicas serão polares ou apolares e como isso influencia suas propriedades físicas e químicas.
Alcoolismo: doença que altera o humor.
Etanol e saúde
Etanol, compostos orgânicos que apresentam o grupo funcional, hidroxila, carbonos saturados, bebidas alcoólicas, teor de etanol, danos irreversíveis ao cérebro, álcool no sangue.
A cola derivada da resina epóxi e poliamida é cinza e resistente.
Epóxidos
Polímeros Epóxidos, derivados de poliéteres, reação do bis-fenol com epóxi, éter cíclico, cola do tipo epóxi, mistura de poliamida e resina epóxi, fibras de carbono, polímeros sintéticos, composites, fibras de grafite.
Quem foi o inventor das Panelas antiaderentes?
Polímero Teflon: como ele surgiu?
Saiba sobre este moderno plástico que possui característica antiaderente.
Número de nuvens eletrônicas e a hibridização
Nuvens eletrônicas ao redor do átomo central.
Embora tenham a mesma fórmula molecular e ambas sejam glicídios, a frutose e a glicose são oses de classes diferentes.
Classificação dos Glicídios
Conheça a classificação dos glicídios, que apresenta como critério principal a ocorrência ou não de hidrólise de seus compostos.
A maior utilização do kevlar é em coletes à prova de bala
Polímero Kevlar: mais forte que o aço
Conheça melhor o kevlar, o plástico que é mais forte que o aço e que pode deter uma bala.