Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Física
  3. Óptica
  4. Convergência de uma lente esférica

Convergência de uma lente esférica

Convergência é a capacidade que as lentes esféricas têm de desviar a trajetória dos raios de luz que as atravessam, fazendo-as convergir ou divergir após sua passagem.

Convergência ou vergência é a capacidade que as lentes esféricas têm de convergir ou divergir os raios de luz que as atravessam. A convergência pode ser calculada pelo inverso da distância focal, medida em metros. Além disso, a convergência de uma lente pode ter módulo positivo se ela for convergente, ou negativo, se ela for divergente.

Veja também: Cinco curiosidades sobre as cores

A equação usada para calcular a vergência de uma lente esférica é mostrada a seguir, observe:

C — convergência (m-1 ou di)

f — distância focal (m)

A convergência de uma lente é medida na unidade de m-1. No entanto, costumamos chamar essa unidade de dioptria, seu símbolo é o di. Quanto maior é a dioptria de uma lente, maior é a sua capacidade em mudar a direção dos raios de luz que incidem sobre ela.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Exemplo

Determine a convergência de uma lente côncava de foco igual a + 0,5 m.

Analisando o cálculo realizado, podemos dizer que essa lente tem uma convergência de 2 dioptrias, o que é equivalente a uma lente de 2 graus, como aquelas receitadas para a correção de defeitos visuais.

Veja também: Velocidade da luz

Foco de uma lente

O foco de uma lente é a região onde os raios de luz refratados por ela encontram-se, ou, ainda, a região onde os prolongamentos de raios refratados encontram-se. Dizemos que, quando o foco da lente é cruzado por raios de luz, seu foco é real e positivo, ao contrário, quando cruzado por prolongamentos, é virtual e negativo:

A figura mostra os focos das lentes esféricas côncava e convexa, respectivamente.
A figura mostra os focos das lentes esféricas côncava e convexa, respectivamente.

Lente convergente e divergente

O que determina se uma lente é convergente ou divergente é a relação entre os índices de refração da lente e do meio em que essa se encontra, bem como os raios de curvatura de suas faces. Essa relação é chamada de equação de Halley, também conhecida como equação do fabricante de lentes.

n2 — índice de refração da lente

n1 — índice de refração do meio

R1 e R2 — raios de curvatura das faces da lente (m)

Vamos analisar a fórmula anterior. Primeiramente, caso o índice de refração do meio (n1) for maior que índice de refração da lente (n2), a lente terá o sinal de sua distância focal trocado, ou seja, se essa lente era convergente, ela passará a comportar-se como uma lente divergente e vice-versa. Caso uma das faces da lente seja paralela, o seu raio de curvatura será infinito e, portanto, a razão 1/R será nula.

Veja também: Quais são os limites da visão humana?

A figura seguinte, como uma lente divergente, inserida em um meio de índice de refração menor, refrata a luz que passa através dela:

A lente divergente tem focos negativos.
A lente divergente tem focos negativos.

Configura agora uma figura que mostra como uma lente convergente refrata os raios de luz que incidem sobre sua superfície:

Ao passar pela lente convergente, os raios de luz paralelos cruzam-se no ponto focal.
Ao passar pela lente convergente, os raios de luz paralelos cruzam-se no ponto focal.

Em resumo: se a convergência de uma lente for positiva, essa lente é convergente, no caso contrário, será divergente.

Veja também: Como funciona a luz negra

Lentes esféricas

Lentes esféricas são meios transparentes dispostos em formatos curvos e de espessuras variáveis ao longo de sua extensão. Essas lentes têm a capacidade de refratar os raios de luz, convergindo-os para um ponto à sua frente (ponto focal) ou ainda divergindo-os.

Lentes esféricas são aquelas que apresentam algum raio de curvatura em pelo menos uma de suas faces. Costumam ser produzidas em materiais transparentes, como vidro ou acrílico, e geralmente são muito finas (delgadas).

Existem basicamente duas categorias de lentes esféricas: lentes côncavas e lentes convexas.

  • Lentes côncavas: Quando imersas no ar, ou em meio com menor índice de refração, as lentes côncavas são divergentes. A espessura das lentes côncavas é maior em suas bordas do que em seu centro.

  • Lentes convexas: Essas lentes conseguem convergir a luz em um ponto focal quando imersas em algum meio de menor índice de refração. Lentes convexas sempre apresentam bordas finas.

Veja também: Por que não enxergamos bem debaixo d'água

→ Justaposição de lentes esféricas

A justaposição de lentes esféricas consiste em aparelhar-se duas ou mais lentes de modo que obtenhamos novos módulos de convergência, ou seja, por meio da combinação de lentes, é possível obter diferentes trajetos para a luz que incide sobre elas. Além disso, a justaposição de lentes ajuda na correção de um fenômeno que ocorre muito às lentes esféricas: a aberração cromática.

A aberração cromática surge devido à refração e ao tempo que a luz permanece no interior das lentes esféricas. Como as lentes esféricas têm espessura variável, alguns raios de luz tendem a ficar um tempo maior em seu interior, e isso faz com que essas componentes da luz possam emergir da superfície da lente com pequenos ângulos de defasagem em relação às lentes que percorreram caminhos mais curtos. O efeito desse fenômeno causa imagens distorcidas, nas quais é possível observar as cores de um objeto levemente deslocadas umas das outras.

Para realizarmos a justaposição entre lentes, é necessário que nenhum meio físico fique entre as superfícies das lentes. Na justaposição a vergência do conjunto de lentes justapostas é determinada pela soma das vergências de cada lente:

C — vergência da justaposição de lentes

C1 — vergência da lente 1

C2 — vergência da lente 2

Veja também: Formação de imagens em lentes esféricas

  • Exemplo de justaposição

Duas lentes esféricas e delgadas, de dioptrias iguais a -3 di e +4 di, são justapostas. Qual deverá ser a dioptria da associação dessas lentes?

A grande convergência da lente usada nas lupas permite que essas concentrem os raios de luz.
A grande convergência da lente usada nas lupas permite que essas concentrem os raios de luz.
Publicado por: Rafael Helerbrock
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

Determine a convergência, em dioptrias, de uma lente esférica divergente cuja distância focal é de – 250 cm.

a) 0,4 di

b) 1,5 di

c) -2,5 di

d) -0,4 di

e) 250 di

Questão 2

Com relação à convergência de uma lente esférica divergente, assinale a alternativa correta:

a) A convergência das lentes esféricas divergentes deve ser negativa.

b) A convergência das lentes esféricas divergentes deve ser positiva.

c) A convergência das lentes esféricas divergentes deve ser nula.

d) A convergência das lentes esféricas divergentes é infinita.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Meios: Transparentes, Translúcidos e Opacos
Meio Transparente, Meio Translúcido, Meio Opaco, Propagação da luz, Absorção a luz, Reflexão da luz, Vácuo, Fenômenos da física, Energia, Conversão de energia, Formas de energia.
O microscópio é um instrumento óptico que tem como finalidade a ampliação de objetos
Instrumentos ópticos
Conheça o funcionamento dos instrumentos ópticos mais utilizados no nosso cotidiano.
Apesar de nos parecer instantânea, a luz se move com velocidade finita, levando um tempo para chegar aos nossos olhos
Velocidade da Luz
Você sabe qual é a velocidade da luz? A luz propaga-se no vácuo com uma velocidade de 299.792.458 m/s, ou seja, cerca de trezentos milhões de metros por segundo. A velocidade da luz é uma das mais importantes constantes da Física e foi medida com precisão, pela primeira vez, pelo engenheiro francês Hypollyte Fizeau.
A Polarização da Luz
A polarização da luz só pode ocorrer em luzes formadas por ondas eletromagnéticas. Entenda!
Construção Geométrica de Imagens em Espelhos Esféricos
Imagens em espelhos esféricos.
Um corpo em um ponto muito distante, como o navio na linha do horizonte, é dito no infinito
Acomodação visual
Conheça as características básicas da acomodação visual, no estudo da Óptica da visão humana.
Observe o espectro que resulta da passagem da luz branca por um prisma
Decomposição da luz branca
Veja aqui a decomposição da luz branca, fenômeno no qual a luz policromática se decompõe em infinitas cores monocromáticas.
As imagens formadas pelos diferentes tipos de lentes auxiliam na correção de problemas de visão
Formação de imagens nas lentes esféricas
Saiba como as imagens das lentes divergentes e convergentes são formadas e conheça exemplos da utilização delas em aparelhos.
Espelho Esférico
Espelhos Esféricos
Veja aqui o que são espelhos esféricos, quais suas características e tipos.
A óptica estuda fenômenos relacionados à luz, como os arcos-íris
Conceitos importantes de Óptica
Você tem dificuldade para entender alguns conceitos relativos à óptica? Clique aqui e entenda alguns dos principais tópicos desse ramo da Física.
A luz negra pode ser usada por peritos criminais em busca de traços de DNA
Como funciona a luz negra?
Diversas substâncias, como alguns óxidos e substâncias que apresentam o Fósforo em sua composição, interagem com a radiação ultravioleta, absorvendo-a e emitindo luz visível lentamente. Leia este texto para saber mais sobre esse fenômeno, que é chamado de fosforescência, e para entender o funcionamento da luz negra.
Quando a luz passa por um prisma transparente com índice de refração maior que o do ar, ela se decompõe
Cinco curiosidades sobre as cores
Aprenda mais sobre o comportamento das cores com este texto que traz cinco curiosidades que você talvez nunca tenha visto!
Mesmo usando máscaras de mergulho para facilitar a visão embaixo d’água, ela continuará desfocada
Por que não enxergamos bem debaixo d’água?
Você sabe por que não enxergamos bem debaixo d’água? Neste texto, você entenderá por que uma pequena mudança no índice de refração do meio pode mudar a forma como enxergamos, tornando as imagens desfocadas, como quando mergulhamos na água. Clique para entender melhor como tudo isso afeta a nossa visão!