Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Física
  3. Óptica
  4. Velocidade da Luz

Velocidade da Luz

A velocidade da luz no vácuo é uma constante física importante, cujo valor é de aproximadamente 300 milhões de metros por segundo.

A velocidade da luz, comumente denotada pela letra c, vale cerca de 299.792.458 m/s, ou seja, a cada segundo, a luz viaja aproximadamente 300.000 km ao se propagar no vácuo. A escolha da letra c deve-se à palavra em latim celeritas, que significa rapidez.

 A velocidade da luz é utilizada para definir o metro, unidade de comprimento usada pelo Sistema Internacional de Unidades (SI) como a medida do espaço percorrido pela luz no vácuo em um tempo 1/299.792.458 segundo.

Veja também: Sistema internacional de unidades.


Quem mediu a velocidade da luz pela primeira vez?

A velocidade de propagação da luz era uma dúvida dos cientistas desde as civilizações mais antigas. Empédocles defendia que a luz tinha velocidade infinita. Ptolomeu e Euclides acreditavam que ela era emitida pelos olhos, e outros grandes filósofos e matemáticos gregos, como Aristóteles e Heron de Alexandria, acreditavam que a luz propagava-se por corpos, através do espaço, com velocidade finita. Essas visões influenciaram a forma de pensar de grandes cientistas, como Johannes Kepler (1571-1630) e René Descartes.

Em 1638, Galileu Galilei (1564-1642) chegou a realizar um experimento com intuito de calcular a velocidade da luz. Para isso, ele mediu o tempo que ela levava para deixar uma lanterna no alto de uma montanha e chegar em outra a 2 quilômetros de distância. Suas conclusões apontaram que o tempo para a luz percorrer essa distância era menor que 10-5 s (0,00001 s), um intervalo muito pequeno para ser medido com os recursos tecnológicos disponíveis naquela época.

Pouco tempo depois, em 1676, o astrônomo dinamarquês Ole Romer observou que a duração dos eclipses das luas de Júpiter variava de acordo com a época do ano. Romer desconfiou que a variação era decorrente de a luz ter velocidade finita, considerando que a distância da Terra até as luas de Júpiter muda de acordo com suas órbitas.

Foi só em 1819 que um experimento conseguiu fornecer medidas precisas da velocidade da luz. Por meio de um espelho semirrefletor e de uma roda dentada giratória, o físico francês Armand Hyppolyte Fizeau conseguiu definir a velocidade da luz, com erro pouco menor que 10% em relação à medida atual.

O experimento de Fizeau funcionava da seguinte forma:

1. A luz era emitida por uma fonte de luz L. Essa luz era convergida por meio de uma lente convexa e direcionada para um espelho semirrefletor P, com um ângulo de 45º em relação aos raios de luz. Parte desses raios de luz passava através do espelho e parte deles era refletida;

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

2. A parte dos raios que era refletida passava por uma roda dentada em rotação. Essa luz era refletida para um espelho S, cerca de 8 km adiante, e voltava. Fizeau regulava a velocidade de rotação de sua roda, já que a luz refletida levava um pequeno tempo para voltar até o espelho semirrefletor P, até não ser mais possível ver a imagem refletida pelo espelho S. Via-se apenas a imagem que passava originalmente pelo primeiro espelho.


Do que depende a velocidade da luz?

A velocidade da luz depende de uma propriedade dos meios ópticos chamada refringência. Quanto mais refringente for um meio, menor será a velocidade de propagação da luz em seu interior. A luz sofre refração ao propagar-se por algum meio que não o vácuo, e a medida de sua refração é chamada de índice de refração.

O índice de refração é a medida de quanto a velocidade da luz em um determinado meio foi reduzida em relação à sua velocidade no vácuo. É definido, portanto, como a razão entre a velocidade da luz no meio (v) pela velocidade da luz no vácuo (c).

Podemos tomar como exemplo o diamante: seu índice de refração é de 2,4, o que significa que a velocidade da luz no vácuo é 2,4 vezes mais rápida do que sua propagação no interior do diamante.

Veja também: Índice de refração

Por meio da união das equações de Eletricidade com as de Magnetismo, James Clerk Maxwell conseguiu desenvolver as equações do Eletromagnetismo que descrevem a luz como uma onda eletromagnética transversal. Por meio de seus cálculos, Maxwell conseguiu determinar a velocidade da luz baseando-se em constantes físicas ainda mais fundamentais: as constantes elétrica e magnética do vácuo, chamadas de permissividade (ε0) e permeabilidade (μ0) do vácuo. Dessa forma, a velocidade da luz pode ser obtida, por meio dessas duas constantes, pela expressão:

Veja também: Equações de Maxwell  

Apesar de nos parecer instantânea, a luz se move com velocidade finita, levando um tempo para chegar aos nossos olhos
Apesar de nos parecer instantânea, a luz se move com velocidade finita, levando um tempo para chegar aos nossos olhos
Publicado por: Rafael Helerbrock
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

Com relação à velocidade de propagação da luz e de outras ondas eletromagnéticas, faz-se as seguintes afirmações:

I - A luz propaga-se no vácuo com uma velocidade de, aproximadamente, 300.000 km/s.

II - A velocidade de propagação da luz depende do observador.

III - A velocidade da luz não depende do meio em que ela se propaga.

IV - A velocidade da luz é diretamente proporcional ao índice de refração do meio em que ela se propaga.

Estão corretas:

a) I e III

b) II e III

c) III e IV

d) I e IV

Questão 2

Um feixe de luz policromático é refratado através de um meio óptico transparente, sofrendo, assim, uma mudança em sua direção bem como em sua velocidade de propagação. Sobre esse fenômeno, faz-se as seguintes afirmações. Está correto aquilo que se afirma apenas na alternativa:

a) Durante a refração, somente a velocidade de propagação do feixe muda.

b) Durante a refração, apenas a velocidade de propagação e o comprimento de onda do feixe mudam.

c) Durante a refração, somente a frequência do feixe de luz é alterada.

d) Durante a refração, somente a intensidade do feixe de luz é alterada.

Mais Questões
Assuntos relacionados
A Polarização da Luz
A polarização da luz só pode ocorrer em luzes formadas por ondas eletromagnéticas. Entenda!
Apesar de ter a altura de um átomo, a camada de grafeno é visível a olho nu em virtude de efeitos relativísticos que surgem em sua estrutura.
Grafeno
Já ouviu falar do grafeno? Clique aqui e confira as incríveis características desse material que o tornam tão especial. Algumas de suas propriedades físicas fazem dele o material do futuro, com potencial para ser usado na construção de superbaterias, painéis solares eficientes, telas dobráveis, entre outros.
Linhas do campo magnético de um ímã em forma de barra no plano de uma folha de papel.
Linhas de campo
Saiba mais sobre a formação das linhas de campo magnético de um ímã em barra no plano de uma superfície.
Quanto mais próximo estiver um observador do espelho, maior será seu campo visual
Campo visual de um espelho plano
Denominamos campo visual a região que se torna visível por reflexão no espelho. Veja mais sobre o campo visual de um espelho plano.
Desvio da luz produzida por um prisma de secção triangular
Conhecendo o desvio angular
Veja aqui como determinar o valor do desvio angular sofrido por um raio de luz que incide sobre as faces de um prisma.
Mesmo usando máscaras de mergulho para facilitar a visão embaixo d’água, ela continuará desfocada
Por que não enxergamos bem debaixo d’água?
Você sabe por que não enxergamos bem debaixo d’água? Neste texto, você entenderá por que uma pequena mudança no índice de refração do meio pode mudar a forma como enxergamos, tornando as imagens desfocadas, como quando mergulhamos na água. Clique para entender melhor como tudo isso afeta a nossa visão!
Brilho azul da radiação Cherenkov em reator nuclear ativo imerso em água
Efeito Cherenkov
Que tal aprender sobre o efeito Cherenkov? Quando partículas carregadas, como elétrons, conseguem mover-se com velocidades superiores à própria velocidade da luz em algum meio, um brilho de azul característico surge. Esse efeito é bastante comum em reatores nucleares e raios cósmicos.
As ondas de infravermelho podem ser observadas em câmeras de calor, como a mostrada na figura acima.
Curiosidades sobre ondas eletromagnéticas
Conheça algumas curiosidades sobre os diferentes tipos de ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas propagam-se no vácuo na velocidade da luz e podem ser produzidas em diversas frequências. Seus usos tecnológicos são extremamente variados, atendendo desde interesses médicos a observações astronômicas.
A grande convergência da lente usada nas lupas permite que essas concentrem os raios de luz.
Convergência de uma lente esférica
Quer saber mais sobre o que é a convergência de uma lente esférica? Acesse o artigo para saber como a calculamos e conhecer os focos das lentes côncavas e convexas.
Faixa visível ao olho humano
Espectro eletromagnético
Acesse e descubra o que é espectro eletromagnético. Confira aplicações cotidianas dos tipos de ondas eletromagnéticas, e aprenda mais com definições e fórmulas.
Espelhos Côncavos e Convexos
Clique aqui e aprenda a diferença entre os espelhos côncavos e convexos!
Experiência de Cavendish
Rotação de um espelho plano
Determinando o ângulo de rotação de um espelho plano.
O telescópio Pan-starrs fica no topo do vulcão Haleakala, no Havaí
O telescópio
O telescópio é um instrumento que permite estender a capacidade dos olhos humanos em observar objetos longínquos.
A capa do caderno é considerada um meio translúcido, pois não vemos nitidamente a imagem contida no caderno
Interação luz-matéria
Este artigo apresenta os diferentes efeitos que acontecem na interação luz-matéria. Conheça aqui os conceitos de meios transparentes, translúcidos, opacos e absorvedores.
Representação do conceito de visão nos dias atuais
Luz e visão
Veja aqui um breve estudo que relaciona a luz à nossa visão e que aborda também os conceitos de visão adotados da Antiguidade até os dias de hoje.