Whatsapp icon Whatsapp

Difração

Difração é o fenômeno que ocorre quando a onda é obstruída por um objeto ou passa por uma abertura com dimensões de escalas iguais aos seus comprimentos de onda.
Ilustração de difração em ondas.
Difração em ondas.

A difração acontece quando a onda, ao encontrar um obstáculo ou atravessar uma fenda, com dimensões equivalentes ao seu comprimento de onda, fragmenta-se no seu espectro. Ele ocorre independentemente do tipo de onda, contudo, dependendo do formato da fenda (fenda simples, fenda dupla, abertura circular ou rede de difração), teremos a formação de padrões de imagens diferentes, mas todos com regiões iluminadas, conhecidas como máximos, cercadas de regiões sem iluminação, conhecidas como mínimos.

A difração e a refração, apesar de termos parecidos, são fenômenos bem distintos. Enquanto a primeira é definida como a capacidade de atravessar fendas, a segunda ocorre quando a onda passa de um meio para outro, mudando a sua velocidade de propagação e, consequentemente, a direção dos raios de luz.

Saiba mais: Intensidade, altura e timbre — aspectos relacionados a como o sistema auditivo percebe as ondas sonoras

Resumo sobre difração

  • A difração explica o ato de contornar da onda ao se deparar com um obstáculo.
  • Comprimento de onda é a distância entre a crista de uma onda até a outra crista.
  • A difração ocorre em todos os tipos de ondas, mecânicas e eletromagnéticas.
  • Na difração por uma fenda, temos uma imagem com diversos pontos de luz e pontos sem luz.
  • Na difração em fendas duplas, temos uma imagem que é combinação entre a difração e a interferência das ondas quando atravessam as fendas.
  • A rede de difração é o conjunto de N fendas, espaçadas igualmente, em que, quando a luz bater, sofrerá difração.
  • Na difração por uma abertura circular, temos um orifício circular à frente do aparato.
  • O termo difração surgiu com Francesco Grimaldi, vindo do latim, diffringere, significando “quebrar em pedaços”, já que a luz se fragmentava em diversas direções.

Videoaula sobre difração

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Como ocorre a difração?

A difração é um fenômeno ondulatório em que as ondas desviam ou contornam barreiras e fendas que estão no seu caminho. Para que ela ocorra, é indispensável que exista interação entre a onda e o obstáculo, mas também que as dimensões do obstáculo tenham tamanho comparável ao comprimento de onda (distância entre dois pontos equivalente a uma onda). Se isso não ocorrer, não haverá difração, como podemos ver na figura abaixo.

Ilustração de duas situações: uma em que não ocorre difração e uma em que ocorre.
Na primeira imagem, não temos difração; na segunda, temos.

A difração ocorre quando temos um laser, por exemplo, que emitirá feixes de luz que atravessarão a fenda, orifício ou obstáculo, e, após sua passagem, ele continuará se propagando até encontrar um anteparo, a superfície onde ocorrerá a formação da sua imagem.

Como a onda tomará diferentes trajetórias ao contornar ou passar por esse obstáculo, cujos comprimentos totais variarão, serão geradas diversas ondas provenientes da original que se recombinarão no anteparo, formando diferentes imagens (ou padrões) de difração.

Essas imagens dependerão exclusivamente do formato da fenda ou do orifício. Elas conterão regiões iluminadas (são os pontos de máximos criados pela interferência construtiva) cercadas de regiões escuras (pontos de mínimos formados pela interferência destrutiva).

No cotidiano dificilmente vemos o efeito da difração da luz por seu comprimento de onda possuir dimensões minúsculas, de modo que é necessário uma fenda entre \(\mathbf{4}\bullet{\mathbf{10}}^{-\mathbf{7}}\) metros e \(\mathbf{5},\mathbf{5}\bullet{\mathbf{10}}^{-\mathbf{7}} \) metros de espessura.

Contudo, nas ondas sonoras, as dimensões já são mais perceptíveis e difíceis de serem evitadas, seu comprimento de onda é da ordem de 1 metro. Por isso, conseguimos acessar o wi-fi ainda que a alguns metros de distância do modem; ouvir mesmo que estejamos atrás de paredes que não permitem a passagem de som; e criar hologramas.

Difração e tipos de onda

A difração acontece em todos os tipos de ondas, tanto em ondas mecânicas, como o som ou ondas geradas em cordas, quanto em ondas eletromagnéticas, estando ou não na faixa visível, como a luz branca e a luz ultravioleta respectivamente.

Veja também: Curiosidades sobre ondas eletromagnéticas

Difração e fendas

De acordo com a abertura que está à frente do laser que emitirá as ondas, obteremos diferentes imagens. Abaixo podemos ver algumas dessas imagens formadas.

Diferentes padrões de imagens resultantes da difração.
Diferentes padrões de imagens resultantes da difração.

À medida que o tamanho da fenda pela qual a onda passa aumentar, o fenômeno da difração ocorrerá de forma menos intensa, estando relacionado ao comprimento de onda.

  • Difração por uma fenda

Quando a luz atravessa uma única fenda, temos a formação de uma imagem com diversos pontos de luz e pontos com ausência de luz, os quais podem ser chamados, respectivamente, de franjas claras ou máximos e franjas escuras ou mínimos, devido à relação entre o comprimento de onda incidido e a largura da fenda, como podemos ver na imagem abaixo.

Ilustração de difração por uma fenda.
Difração por uma fenda.

Além disso, no que se refere ao atingimento do obstáculo, quanto maior for o percurso da onda após ele, maior será seu espalhamento até chegar à parede. Abaixo da imagem formada pela difração em uma fenda, temos o gráfico gerado pela intensidade da luz relacionada ao aumento do ângulo entre o feixe e a normal, em que a onda será maior no centro e, conforme nos afastamos, há uma diminuição em seu brilho.

  • Difração por duas fendas

A difração em fenda dupla foi um experimento desenvolvido por Thomas Young (1773-1829), em que constam o fenômeno da difração e o fenômeno da interferência entre os feixes de luz atravessados por cada uma das fendas. Assim, a imagem formada no anteparo é uma figura de difração sobre as franjas de interferência construtiva (regiões iluminadas) e destrutiva (regiões escuras).

Ilustração de difração por duas fendas.
Difração por duas fendas.

De acordo com o espaçamento entre os orifícios e fendas, teremos maior ou menor distância entre os máximos e os mínimos de luz, ou seja, se tivermos uma fenda extremamente fina, os máximos e mínimos serão mais espaçados.

Rede de difração

A rede de difração é uma combinação de N fendas espaçadas igualmente, nas quais a luz bate e sofre difração em um espectro bem definido. É necessário destacar que deve haver números astronômicos de fendas, acima de três mil.

Em razão disso, a imagem formada não apresenta mais franjas e sim linhas, os máximos principais, e seus máximos secundários são tão pequenos que não os enxergamos, sendo obtidos da interferência construtiva e destrutiva sofrida pelas ondas, conforme podemos ver no exemplo abaixo, em que θ representa o ângulo entre o feixe e a normal na rede de difração.

Representação artística de uma imagem formada por uma rede de difração.
Representação artística de uma imagem formada por uma rede de difração.

Em nosso cotidiano, um exemplo de rede de difração é o CD. Ele tem várias fendas, com partes mais altas, chamadas de ilhas, e partes mais baixas, conhecidas como poços, que funcionam como fendas de difração. É nessas partes que o CD consegue guardar as informações.

Difração por uma abertura circular

A difração por uma abertura circular ocorre quando temos um orifício circular, e não mais uma abertura retangular, à frente do laser, formando uma imagem como a seguinte.

Imagem formada pela difração por uma abertura circular.
Imagem formada pela difração por uma abertura circular.

Se colocarmos nessa abertura um fio de cabelo, é possível calcular o seu diâmentro. Basta sabermos a distância entre os mínimos de luz, a distância do fio de cabelo até o anteparo, e o comprimento de onda da luz incidida pelo laser.

História da difração

A primeira definição do fenômeno da difração foi desenvolvida pelo físico e padre Francesco Grimaldi (1618-1663), sendo publicada em 1665 (posterior a sua morte), e nela ele afirmava que a luz se quebrava em diversas direções, daí o nome difração, vindo do latim, diffringere, que significa “quebrar em pedaços”. Seu conceito de luz a tinha como ondulatória, comparando-a com a difração de ondas na água ao encontrar um obstáculo.

Posteriormente a Grimaldi, por volta do século XVII, surgiram duas correntes científicas nos estudos da natureza da luz, uma delas era a defendida pelo Isaac Newton (1643-1727) e conhecida como teoria corpuscular da luz, em que a luz seria composta de diversas partículas (corpúsculos), e a outra era defendida por Christian Huygens (1629-1695) e chamada de teoria ondulatória da luz (ou princípio de Huygens), tratando a luz como uma onda. Como Newton já era bem conhecido no meio acadêmico e tinha vários feitos em seu currículo, seu modelo foi eleito como o mais adequado.

Apenas após 123 anos, o princípio de Huygens seria ressucitado pelo físico Thomas Young (1773-1829), que indagou a respeito da teoria de Newton, já que a teoria corpuscular não conseguia explicar algumas situações a respeito da luz, como sua velocidade, que era mesma independentemente do corpo que a emitisse. Além disso, questionou o porquê de alguns corpúsculos conseguirem ser refletidos enquanto outros são refratados.

Pensando nisso, Young constatou que considerar a luz como uma onda faria mais sentido do que ela ser uma partícula, já que as ondas têm a capacidade de se anularem ou se intensificarem.

Com base nos seus conceitos, Young foi capaz de explicar a interferência — a superposição de duas ondas no espaço — utilizando-se do experimento da fenda dupla, e os anéis de Newton — os padrões de franjas circulares claras e escuras. Infelizmente, ele não foi capaz de explicar firmemente a respeito do fenômeno da difração e da dupla refração.

Leia também: Ondas estacionárias — as oscilações periódicas produzidas pela interferência entre ondas de frequência igual

Diferenças entre difração e refração

Na difração temos as ondas contornando obstáculos ou atravessando uma ou várias fendas, provocando o espalhamento e alargamento das ondas no anteparo, enquanto na refração ocorre a alteração da velocidade de propagação da onda, devido à mudança de meio.

Isso causa uma aproximação ou um afastamento dos raios luminosos quanto à linha normal (linha imaginária que corta o meio verticalmente em 90º), produzindo alguns efeitos visuais, como o dioptro plano — quando olhamos a água e vemos o objeto mais perto do que verdadeirmente ele está.

A difração, contudo, está relacionada ao fenômeno de interferência e à propriedade das ondas transmitirem energia entre pontos do espaço.

Publicado por Pâmella Raphaella Melo
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

A relação não correspondente entre altura e volume é uma das características das ondas sonoras
5 curiosidades sobre as ondas sonoras
Clique aqui e veja cinco curiosidades sobre as ondas sonoras que se opõem totalmente às percepções do senso comum!
Sistema auditivo humano
A Sensibilidade Auditiva
Você sabia que existem sons tão altos que o ouvido humano não é capaz de detectar? Clique aqui e conheça mais sobre a sensibilidade auditiva.
Ao superar a velocidade do som, os aviões supersônicos geram um estrondo *
Barreira do som
Clique aqui para entender melhor do que se trata a barreira do som!
Existem alguns conceitos sobre ondas que você precisa saber!
Cinco coisas que você precisa saber sobre Ondas
Clique aqui e confira cinco coisas que você precisa saber sobre Ondas para compreender melhor alguns fenômenos do cotidiano.
As ondas de infravermelho podem ser observadas em câmeras de calor, como a mostrada na figura acima.
Curiosidades sobre ondas eletromagnéticas
Conheça algumas curiosidades sobre os diferentes tipos de ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas propagam-se no vácuo na velocidade da luz e podem ser produzidas em diversas frequências. Seus usos tecnológicos são extremamente variados, atendendo desde interesses médicos a observações astronômicas.
Exemplos de fenômenos ondulatórios: reflexão, absorção, refração, dispersão e difração.
Fenômenos ondulatórios
Descubra quais são os fenômenos ondulatórios mais comuns. Veja como a onda se comporta em cada um desses fenômenos.
Os instrumentos musicais são fabricados a fim de que reproduzam as notas musicais de acordo com a escala escolhida
Instrumentos de corda
Instrumentos de cordas são instrumentos musicais cuja fonte primária de som é a vibração de uma corda tensionada. Veja aqui um pouco mais sobre esses instrumentos.
No ponto mais brilhante, a luz está sofrendo polarização por reflexão após ter incidido sobre o ângulo de Brewster
Lei de Brewster
Você já ouviu falar no ângulo e na lei de Brewster? Clique aqui e saiba em que implica a soma dos ângulos de incidência e de refração ser igual a 90°.
Por conta da refração sofrida pela luz na passagem do ar para a água, se tem a sensação de que o objeto está partido
Lei de Snell-Descartes
Clique aqui e conheça a lei de Snell-Descartes, equação que relaciona os ângulos entre a luz e a normal com os índices de refração dos meios envolvidos.
As divisões do ouvido humano
O ouvido humano
Clique aqui e conheça as características do ouvido humano, órgão responsável pela audição.
A figura acima mostra a intensidade de uma onda sonora em relação ao tempo.
O que é som?
Você sabe o que é o som? Veja a definição, como ele se propaga e quais são as suas características mais importantes.
Ondas estacionárias
Acesse o texto sobre ondas estacionárias e entenda como essas ondas se formam em cordas oscilantes e também nos tubos sonoros.
Onda sendo polarizada por duas fendas.
Ondas polarizadas
Polarização das ondas eletromagnéticas.
Nosso cotidiano está repleto de fontes de ondas sonoras, tipos de ondas mecânicas, longitudinais e tridimensionais
Ondas sonoras
Clique aqui para para conhecer as principais características das ondas sonoras, tipo de onda mecânica que apresenta maior velocidade em meios sólidos.
O Princípio proposto por Christian Huygens ajuda a explicar o fenômeno da difração
Princípio de Huygens
Você sabe o que é o princípio de Huygens? Clique aqui e descubra como esse fundamento ajuda a explicar o fenômeno da difração.
Todos os tipos de ondas podem sofrer reflexão, refração e difração
Reflexão, refração e difração das ondas
Você sabia que qualquer tipo de onda pode sofrer reflexão, difração e refração? Clique aqui e conheça mais sobre esses três fenômenos ondulatórios.
Partícula descrevendo um movimento circular uniforme no sentido anti-horário de uma circunferência
Relação entre MHS e MCU
Veja aqui como podemos relacionar o movimento harmônico simples (MHS) com o movimento circular uniforme (MCU) de uma partícula.
Na ultrassonografia, a reflexão de ultrassons é captada para a formação de imagens de fetos e órgãos do corpo
Som, Infrassom e Ultrassom
Você sabia que existem sons tão altos que o ouvido humano não pode captar? Clique aqui e saiba a diferença entre som, infrassom e ultrassom.
video icon
Enem
Pré-Enem | Revoltas da república oligárquica
O Pré-Enem é o intensivo preparatório do Brasil Escola para o Enem. Nele nós separamos os principais temas que devem ser estudados a menos de três meses do exame. Nesta transmissão você assistirá à aula sobre "Revoltas da república oligárquica" com a professora Nathália Freitas!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas