Whatsapp icon Whatsapp

Dobramentos modernos

Os dobramentos modernos expressam as altitudes mais elevadas do relevo terrestre.
Imagem dos Alpes, na Suíça. Um exemplo de dobramento moderno
Imagem dos Alpes, na Suíça. Um exemplo de dobramento moderno

Os dobramentos modernos – também conhecidos como cadeias orogênicas ou cinturões orogênicos – são estruturas geológicas que se originaram em virtude das ações do tectonismo e correspondem à formação de cadeias montanhosas, apresentando as maiores altitudes do planeta. Em geral, são compostos por rochas magmáticas (ou ígneas) e metamórficas. São exemplos de dobramentos modernos a Cordilheira dos Andes, na América do Sul, e a Cordilheira do Himalaia, na Ásia, onde se encontra o Monte Everest.

Sob o ponto de vista do tempo geológico, os dobramentos modernos são considerados de origem recente, com cerca de 250 milhões de anos desde o início de sua formação. Sua localização ocorre, na maior parte, em regiões com relativa instabilidade geológica, graças ao fato de se originarem do choque e interação entre duas placas tectônicas. Observe os esquemas a seguir.

As ações tectônicas das placas convergentes
As ações tectônicas das placas convergentes

Visualização mais aproximada da imagem acima sobre as cadeias montanhosas
Visualização mais aproximada da imagem acima sobre as cadeias montanhosas

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Na imagem A, podemos notar as consequências do encontro entre placas convergentes, onde a mais pesada afunda e a mais leve eleva-se, formando, sobre essa última, enrugamentos que dão origem aos dobramentos modernos e às cadeias de montanhas. A imagem B permite-nos visualizar mais de perto como os processos endógenos do tectonismo provocam o soerguimento do relevo e a sua consequente ondulação.

Podemos então concluir que, por serem formações geologicamente recentes, os dobramentos modernos sofreram em menor grau a ação dos agentes externos ou exógenos de transformação da superfície, o que ajuda a explicar o fato de seu relevo ser mais acidentado.

Curiosidade: se esses são os “dobramentos modernos”, onde estão os “dobramentos antigos”?

“Dobramentos antigos” é uma expressão não mais usual para se referir aos crátons ou escudos cristalinos, também conhecidos por maciços antigos, ou seja, os escudos cristalinos nada mais são do que dobramentos com formação geológica antiga. Por isso, eles tiveram mais tempo para sofrerem alterações em suas composições e passarem pelos efeitos das ações dos agentes exógenos de modelagem do relevo.

Publicado por Rodolfo F. Alves Pena

Artigos Relacionados

Antártica
Antártica, características da Antártica, Tratado da Antártica, exploração econômica do continente antártico, fauna e flora, clima, política, Antártida, pólo sul.
Buraco negro
Saiba quais são as principais características do buracos negros. Veja detalhes da formação e propriedades dessas grandes estruturas espaciais.
Fatores climáticos
Saiba quais são os fatores climáticos que determinam o clima de uma região.
Granizo
Você sabe como se forma o granizo? Clique aqui e saiba, além disso, as principais consequências das chuvas de granizo para as atividades produtivas e humanas.
Relevo Submarino
Clique aqui e aprenda como ocorre a divisão do relevo submarino!
Savanas
Saiba mais sobre a savana, uma vegetação rica e diversa presente na África e também no Brasil.
Smog
Entenda o que é o smog, qual é a relação desse fenômeno com a poluição e conheça os seus principais tipos e características.
Vulcanismo na formação do relevo
Fenômeno emite lava contida no interior da Terra para a superfície.
video icon
"Sistema Reprodutor Feminino" escrito sobre fundo azul ao lado da ilustração de um corpo feminino
Biologia
Sistema Reprodutor Feminino
Sobre os sistemas reprodutores, podemos concordar que o feminino apresenta uma organização muito mais simples se comparado com o masculino e podemos dizer que é perfeito. Um sistema responsável por produzir um gameta e acomodar todo o processo de desenvolvimento de um bebê só podia estar presente nas mulheres. O sistema reprodutor feminino é formado por órgãos internos e estruturas externas, e possui pouca relação com o sistema excretor.