Whatsapp icon Whatsapp

África: Continente com ou sem “História”?

Mapa Antigo do Continente Africano antes da chegada dos europeus
Mapa Antigo do Continente Africano antes da chegada dos europeus

A contestação do passado científico e tecnológico dos africanos e o exagero das características “fantasiosas” desse povo foi, certamente, uma das principais proezas do eurocentrismo. Observamos, ainda nos dias de hoje, a autoestima da população africana muito frágil, em razão da partilha do continente e do processo de descolonização.

Pesquisadores europeus reproduziram para o resto do mundo que o povo africano não cooperou de forma alguma para a composição do saber universal. O Continente Africano é visto a todo o momento como um lugar aonde o civilizado ainda não chegou, cujos moradores, em geral, apresentam-se como seres selvagens, repugnantes, debilitados, imorais e, por isso, incapacitados de edificar ou propagar qualquer tipo de conhecimento válido.

Muitos não sabem que a África é um continente antigo e muito menos o quanto é bem localizado geograficamente e que a população que ali vivia, e vive, tem história. Grandes reinos africanos ali imperavam com um senso de comando e organização notável; baseando-se em uma ordem de clãs, de linhagem, por classificação de idade e ainda por unidades políticas, sob várias formas. Algumas grandes chefias, consideradas Estados tradicionais, são conhecidas desde o século IV, como o Império do Gana e depois o Império do Mali; Império Ioruba; Império do Benin; Império Songai; Império Kanem-Bornu.

A dificuldade em desconstruir essas inverdades a respeito dos povos africanos é complexa, pois existe uma visão, sempre de sentido pejorativo, preconceituoso, sobre o continente africano. É como se tudo de ruim estivesse lá (selvagens, escravos, doenças, fome, guerras...). O fato de a História oficial da humanidade ser baseada nos padrões europeus, ou seja, eurocêntricos, nos distancia de uma visão otimista e impede a identificação dos traços do passado intelectual e científico desses povos em nossa realidade.

Observamos na escrita da história que a maioria dos pesquisadores sobre o tema “África” ainda persistem no modelo da história oficial. O africano é o diferente, e lidar com isso é muito dificil para quem acredita que a cor da pele é o que prevalece em termos de sabedoria, ou melhor, de tudo. A visão do outro, é um fator muito significativo em termos de dominação, ela cria estratégias para tal através do preconceito e da crença de que a brancura é sinal de aptidão e inteligência.

Felizmente, existe um movimento revisionista e de debate dessa “hipotética” história oficial. São cientistas e historiadores, muitos de nacionalidade africana, preocupados em quebrar os paradigmas tradicionais preconceituosos da análise histórica. Através de pesquisas percebeu-se que o Continente Africano esteve sempre à frente do crescimento da humanidade. Foram encontrados, no continente, vários sítios arqueológicos, demonstrando assim a existência dos povos africanos há mais de cem mil anos naquela região. De lá surgiu o que muitos chamam de primeira civilização humana: o Egito, com todo mistério, fascínio e incredulidade que perpassa os tempos.

Quem teria a capacidade e a inteligência de construir obras tão magníficas como as pirâmides? Quem detinha tanto conhecimento na arquitetura, matemática, astronomia? Dominava as cheias do Rio Nilo, sabendo aproveitar-se delas para uma excelente colheita? Um povo de pele negra? Jamais, eles eram inaptos na visão eurocêntrica, assim o eurocentrismo exibiu a civilização egípcia como sendo a de um povo branco, todavia, historiadores revisionistas já se manifestaram e comprovaram que se tratava de povos de pele negra; certamente constituídos de uma mescla de vários povos africanos existentes ao sul e norte do vale do rio Nilo.

E por falar em mistura, mescla, não podemos esquecer que somos frutos do encontro da diversidade de grupos étnicos ameríndios, europeus e africanos. Como brasileiros, devemos ser conscientes de que a história da África e a história do Brasil são intimamente ligadas, e o resgate histórico do Continente Africano se faz necessário.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
Publicado por Lilian Maria Martins de Aguiar

Artigos Relacionados

Babilônios
Babilônia, Império Babilônico, civilização babilônica, Mesopotâmia, civilizações mesopotâmicas, amoritas, Hamurábi, Código de Hamurábi, Nabucodonosor, Jardins Suspensos da Babilônia, dominação dos hebreus, Cativeiro da Babilônia, dominação persa.
Bíblia
Uma compilação de livros sagrados de natureza religiosa e histórica.
Fenícios
Clique aqui e saiba quem foram os fenícios. Conheça suas principais características e saiba qual é a relação que tiveram com os gregos e com os romanos.
Grécia Antiga
Clique aqui e saiba detalhes sobre a Grécia Antiga, uma das principais civilizações da história humana.
Mesopotâmia
Clique aqui e saiba mais sobre os povos que habitaram a Mesopotâmia. Saiba também a história dessa região, e conheça quais foram os legados de suas sociedades.
Segundo Império Babilônico
Veja aqui a história do Segundo Império Babilônico e os principais feitos realizados por Nabucodonosor: o cativeiro da Babilônia, a Torre de Babel e os Jardins Suspensos.
Zoroastrismo
Você já ouviu falar do Zoroastrismo? Não? Clique aqui e conheça mais a respeito!
video icon
Professora ao lado do texto"Aposto".
Português
Aposto
Aposto é o nome que se dá ao elemento sintático que se junta a outro a título de explicação ou de apreciação. Assista a esta videoaula e aprenda um pouco mais sobre o emprego e a classificação desse termo acessório da oração.