Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História Geral
  3. Idade Antiga
  4. Período Helenístico

Período Helenístico

No século IV a.C., os conflitos causados pela Guerra do Peloponeso deixaram as cidades-Estado gregas gravemente desgastadas. Sem condições de garantir a autonomia de seus territórios, elas tornaram-se uma presa fácil para povos estrangeiros. Ao norte da Grécia, a civilização macedônica começava a empreender um projeto expansionista que, em pouco tempo, foi capaz de assegurar o controle sobre o mundo grego. A partir desse processo de dominação que se iniciou o chamado Período Helenístico.

No ano de 356 a.C., Filipe II tornou-se rei da Macedônia. Frente ao governo, Filipe foi responsável por uma reforma agrária que confiscou terras dos grandes proprietários e redistribuiu as mesmas entre os camponeses. Tal medida, ao mesmo tempo em que afastou as elites macedônicas do governo, engrossou as fileiras dos exércitos macedônicos formados por indivíduos de origem popular. Com isso, o rei Filipe II criou as condições necessárias para o alargamento de seus territórios.

Inicialmente, os exércitos macedônios conquistaram as regiões da Potidêia, Antifípolis e Pidna, anteriormente controladas pelos atenienses. Tempos depois, executou um plano de alianças políticas que incentivaram a desunião política das cidades-Estado gregas. Antevendo as pretensões de Filipe II, o orador ateniense Demóstenes, em seus discursos conhecidos como Filípicas, alertou sobre as intenções do governo macedônio. No entanto, a preparação militar dos macedônios já era avançada. Na Batalha de Queronéia (338 a.C.), os exércitos de Filipe derrubaram os atenienses e tebanos.

Enquanto preparava um novo exército para levantar-se contra os persas, Filipe II foi assassinado por um aristocrata coríntio, em 336 a.C. Com sua morte, o trono foi disputado pelos filhos de Filipe e as cidades-Estado gregas empreenderam uma revolta contra o Império Macedônio. Foi nesse momento que Alexandre Magno, filho de Filipe, derrotou a revolta grega liderada pela cidade de Tebas. Para vencer seus irmãos, possíveis herdeiros do império, Alexandre organizou um banquete onde ordenou os assassinatos.

Respeitando as tradições do povo grego, Alexandre se proclamou líder supremo dos gregos e tomou para si a missão de libertar os povos balcânicos da dominação persa. Graças à sua notória habilidade militar, Alexandre iniciou um notável processo de expansão que controlou as regiões da Pérsia, do Egito, chegando a fixar seus territórios até as regiões próximas da Índia. Alexandre, dessa forma, consolidou um vasto império.

Ao impor seu domínio, Alexandre teve habilidade de consolidar uma ação política capaz de evitar levantes contrários ao seu governo. Respeitando e incorporando as tradições dos povos por ele conquistados, empreendeu um conjunto de alianças responsável pela manutenção de seus territórios. Tendo sua formação educacional influenciada pela cultura grega e admirador dos valores dos povos orientais, Alexandre desejou conceber uma nova civilização.

O helenismo foi uma política de fusão de diferentes culturas, principalmente a grega, persa e egípcia. Entre outras ações, Alexandre desposou a princesa da Pérsia e incentivou o casamento de seus soldados com mulheres orientais. Ao mesmo tempo, criou novos centros urbanos (Alexandria, Antioquia, Pérgamo) irradiadores da cultura clássica e Oriental. Bibliotecas, estudos científicos, obras filosóficas, teorias matemáticas e esculturas representavam os maiores dos avanços empreendidos pela cultura helenística.

Morto aos 33 anos, Alexandre não deixou um herdeiro direto para o trono macedônio. Isso favoreceu a disputa entre os principais generais que lideravam os exércitos do Império Alexandrino. Ao final da disputa, os territórios acabaram sendo divididos entre os generais Antígono, Ptolomeu e Seleuco. O processo de desintegração enfraqueceu militarmente esses novos reinos, que acabaram conquistados, nos século II e I a.C., pelos romanos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Alexandre, o Grande, empreendeu a formação do Império Macedônico.
Alexandre, o Grande, empreendeu a formação do Império Macedônico.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Alexandre Magno foi um dos maiores conquistadores do mundo antigo
Alexandre Magno
Saiba quem foi Alexandre Magno e que importância tem sua figura para a história do mundo antigo.
Árvore da vida. Arte em relevo dos assírios, um dos povos da Mesopotâmia
Civilização Mesopotâmica
Conheça as características das civilizações mesopotâmicas, seus principais povos e sua forma de organização social e econômica.
Reconstrução do zigurate de Ur, no Iraque
Sumérios e Acádios
Conheça duas grandes civilizações que habitaram a Mesopotâmia: os sumérios e os acádios.
Máscara antiga de ouro
O Império do ouro no Reino de Gana
O apogeu e o declínio do Império do ouro no Reino de Gana
Para Diógenes, o ser humano necessitaria apenas do básico para ter uma vida feliz
Cinismo
Clique para conhecer um pouco sobre os filósofos cínicos, suas ideias e sua filosofia baseada na desconstrução pelo humor. Atribui-se a Antístenes de Atenas a criação do cinismo, mas quem acabou marcando o imaginário popular por suas histórias foi Diógenes de Sínope, filósofo cínico que pregava um modo de vida simples.
Cretenses
Acesse e descubra detalhes dos cretences, civilização antiga que habitou a ilha de Creta. Entenda como se estabeleceram lá, e conheça o seu modo de vida.
Guerra do Peloponeso
Clique no link e acesse o site para acompanhar as causas que levaram espartanos e atenienses a entrarem em guerra. Veja como terminou a Guerra do Peloponeso.
Ruínas de Biblos, uma das cidades da Civilização Fenícia
Civilização Fenícia
Saiba mais sobre a Civilização Fenícia e os importantes legados desse povo da Antiguidade Oriental, como a escrita, que permite a você ler esta mensagem.
Mapa Antigo do Continente Africano antes da chegada dos europeus
África: Continente com ou sem “História”?
A negação do passado intelectual na História da África.