Antero de Quental

Antero de Quental, escritor português, nasceu em 18 de abril de 1842, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel. Mais tarde, fez faculdade de Direito em Coimbra. Nessa cidade, foi um dos autores que fizeram parte da polêmica Questão Coimbrã, que colocava em lados opostos os realistas e os românticos.

O autor, que se matou em 11 de setembro de 1891, também possui obras de caráter romântico, apesar de ser mais associado ao realismo português. Foi integrante da geração de 70, que se opunha ao romantismo. Quental produziu uma poesia marcada pelo pensamento filosófico e pela crítica sociopolítica.

Leia também: Eça de Queirós – importante prosador do realismo português

Biografia de Antero de Quental

Antero de Quental é um grande nome do realismo português.
Antero de Quental é um grande nome do realismo português.

Antero de Quental nasceu em 18 de abril de 1842, na cidade de Ponta Delgada, ilha de São Miguel, região dos Açores. Em 1858, o escritor saiu da ilha para viver em Portugal. Em Coimbra, iniciou o curso de Direito, concluído em 1864. No ano seguinte, fez parte das discussões literárias que ficaram conhecidas como a Questão Coimbrã, que opôs os jovens defensores do realismo e do naturalismo aos escritores românticos.

O poeta e filósofo se mudou para Lisboa em 1866, e, no ano seguinte, decidiu viver em Paris, onde trabalhou como tipógrafo. Ficou na Cidade Luz por pouco tempo, mas teve contato com a classe operária, além de assistir a algumas aulas no Collège de France. Em seguida, viajou aos Estados Unidos e Canadá, em 1868.

A partir de 1870, passou a atuar mais ativamente em questões políticas. Ajudou a criar associações operárias em Portugal. Foi um dos fundadores do jornal A República, que se autodenominava “jornal da democracia portuguesa”. Além disso, em 1871, foi um dos idealizadores das Conferências do Casino ou Conferências Democráticas do Casino Lisbonense, que tinham o objetivo de pensar em uma renovação política, econômica e social.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nessa ocasião, o autor deixou bem claro o seu pensamento anticlerical, o que levou a uma proibição das conferências. Tal atitude estatal foi vista, pelos participantes, como um ataque à liberdade de expressão. Três anos depois, em 1874, o escritor adquiriu uma doença que os médicos não conseguiram identificar, o que alterou sua rotina produtiva. Apesar disso, no ano seguinte, foi um dos fundadores da Revista Ocidental.

Entre 1878 e 1879, esteve na França para tratar de sua misteriosa doença. Ao regressar a Portugal, foi candidato a deputado de Lisboa pelo Partido Socialista. Adotou as duas pequenas filhas de seu amigo Germano Meireles, morto em 1878, e foi morar em Vila do Conde. Em 1891, voltou a viver em sua cidade natal, Ponta Delgada, onde cometeu suicídio, em 11 de setembro daquele ano.

Leia também: José Saramago – autor português vencedor do Nobel de Literatura em 1998

Características da obra de Antero de Quental

Antero de Quental faz parte da chamada geração de 70, que, na segunda metade do século XIX, foi uma influência não só literária, mas também política em Portugal. Essa geração, de característica antirromântica, foi a introdutora do realismo no país. No entanto, alguns estudiosos apontam marcas do romantismo na poesia de Quental.

Assim, o poeta apresenta a utopia romântica, que evolui para um realismo político e se encerra na introspecção filosófica. Por isso, em suas obras, é possível identificar a busca pela forma perfeita do soneto, mas também o pessimismo, a melancolia e a obsessão pela morte. Além disso, o autor possui poesias marcadas por idealização amorosa e misticismo, mas, também, dispõe de uma produção caracterizada pela crítica sociopolítica.

Obras de Antero de Quental

Capa do livro “Os sonetos completos”, de Antero de Quental, publicado pela Porto Editora. [1]
Capa do livro “Os sonetos completos”, de Antero de Quental, publicado pela Porto Editora. [1]
  • Sonetos de Antero (1861)
  • Beatrice e Fiat lux (1863)
  • Odes modernas (1865)
  • Bom senso e bom gosto (1865)
  • A dignidade das letras e as literaturas oficiais (1865)
  • Defesa da Carta Encíclica de Sua Santidade Pio IX (1865)
  • Portugal perante a Revolução de Espanha (1868)
  • Causas da decadência dos povos peninsulares (1871)
  • Primaveras românticas (1872)
  • Considerações sobre a filosofia da história literária portuguesa (1872)
  • A poesia na atualidade (1881)
  • Os sonetos completos (1886)
  • A filosofia da natureza dos naturistas (1886)
  • Tendências gerais da filosofia na segunda metade do século XIX (1890)
  • Raios de extinta luz (1892)

Crédito da imagem

[1] Porto Editora (reprodução) 

Publicado por: Warley Souza
Assuntos relacionados
Eça de Queirós
Conheça a vida, a obra e o estilo literário de Eça de Queirós, além de frases marcantes desse importante escritor português. Leia também um resumo da obra “O primo Basílio”.
Fernando Pessoa
Conheça Fernando Pessoa e seus heterônimos. Saiba quais são as características de suas obras. Leia algumas frases do autor.
Florbela Espanca nasceu em Vila Viçosa, Alentejo, no dia 08 de dezembro de 1894. Faleceu em 1930, no dia de seu 36° aniversário
Florbela Espanca
O amor, o erotismo e o sofrimento: Clique e saiba mais sobre o universo literário de Florbela Espanca.
José Saramago
Saiba mais sobre a vida e a obra de José Saramago: os livros que publicou, os adaptados para o cinema, as características de sua literatura e algumas frases famosas.
Luís Vaz de Camões
Conheça a vida e a obra de Luís Vaz de Camões, o mais importante escritor de língua portuguesa, autor do clássico épico Os Lusíadas.
Mário de Sá-Carneiro nasceu em Lisboa, no dia 19 de maio de 1890. Cometeu suicídio em um hotel em Nice, na França, no dia 26 de abril de 1926
Mário de Sá-Carneiro
Nos labirintos da alma de Mário de Sá-Carneiro: Clique e conheça a vida e a obra desse genial poeta português.