Cruz e Sousa

Cruz e Sousa, principal nome do Simbolismo brasileiro, nasceu em 24 de novembro de 1861. Filho de escravos alforriados, teve acesso à educação formal graças ao apadrinhamento do ex-“dono” de sua mãe. Durante toda a sua vida, sofreu com o preconceito racial, mas lutou contra a escravidão e o racismo. Para sobreviver, trabalhou na Companhia Dramática Julieta dos Santos e, mais tarde, na Estrada de Ferro Central do Brasil, quando adquiriu tuberculose, o que o levou à morte em 19 de março de 1898.

O poeta publicou seus dois primeiros livros — Missal e Broquéis — em 1893. Como características simbolistas de suas obras, é possível apontar a ocorrência de sinestesia, misticismo, rigor formal, pessimismo e maiúscula alegorizante. Como características individuais, é possível notar a angústia, a presença da cor branca (possivelmente, como símbolo de pureza), além da temática da pobreza, do preconceito racial e da morte.

Leia também: Maria Firmina dos Reis – primeira escritora negra de um romance abolicionista no Brasil

Biografia de Cruz e Sousa

Cruz e Sousa, aproximadamente em 1898.
Cruz e Sousa, aproximadamente em 1898.

Cruz e Souza (João da Cruz e Sousa) nasceu em 24 de novembro de 1861, em Florianópolis, no estado de Santa Catarina. Seu pai (Guilherme da Cruz) era pedreiro, e sua mãe (Carolina Eva da Conceição), lavadeira, ambos escravos alforriados.

O menino recebia educação formal devido ao apadrinhamento do coronel Guilherme Xavier de Sousa, antigo “dono” da mãe do autor e de quem o menino herdou o sobrenome Sousa. Aos 8 anos já fazia versos. De 1871 a 1875, Cruz e Sousa estudou no Ateneu Provincial Catarinense, colégio da elite local da época. Nessa escola, como bolsista, o jovem poeta destacou-se como aluno.

Em 1881, trabalhou na Companhia Dramática Julieta dos Santos. E, no ano seguinte, fundou, com amigos, o jornal Colombo. A partir de então, o poeta dedicou-se à causa abolicionista. Alvo de preconceito racial desde a infância, foi impedido, por ser negro, de assumir o cargo de promotor em Laguna, em 1883, apesar de sua nomeação.

O Dante Negro ou o Cisne Negro, introdutor do Simbolismo no Brasil, mudou-se para o Rio de Janeiro em 1890 e lançou seu primeiro livro em 1893Missal. Paralelamente a seu trabalho de escritor, inclusive com publicações em jornais, Cruz e Sousa, para sobreviver, trabalhou na Estrada de Ferro Central do Brasil, mas adquiriu tuberculose e morreu em 19 de março de 1898.

Cruz e Sousa teve seu corpo transportado de Minas Gerais, onde buscava recuperar-se da doença, até o Rio de Janeiro, em um vagão de transporte de animais. Seu enterro foi custeado por amigos como José do Patrocínio (1853-1905).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Estilo literário de Cruz e Sousa

Cruz e Sousa é o escritor responsável por inaugurar o Simbolismo no Brasil. Portanto, suas obras possuem as seguintes características:

  • Pessimismo diante da realidade
  • Antipositivismo
  • Sinestesia
  • Alienação social
  • Poder de sugestão
  • Antirromantismo
  • Misticismo
  • Crença em um mundo ideal
  • Sondagem interior
  • Uso de reticências
  • Musicalidade
  • Maiúscula alegorizante
  • Rigor formal

No entanto, os poemas de Cruz e Sousa possuem algumas peculiaridades:

  • Profundidade filosófica
  • Angústia metafísica
  • Obsessão pela cor branca
  • Temática social: pobreza e preconceito
  • Morbidez

Leia também: Machado de Assis – principal nome do Realismo no Brasil

Obras de Cruz e Sousa

Capa do livro Broquéis, de Cruz e Sousa, publicado pela editora L&PM. [1]
Capa do livro Broquéis, de Cruz e Sousa, publicado pela editora L&PM. [1]
  • Missal (1893)
  • Broquéis (1893)
  • Evocações (1898)
  • Faróis (1900)
  • Últimos sonetos (1905)
  • Poemas inéditos (1996)
  • Últimos inéditos (2013)

Poemas de Cruz e Sousa

No soneto “Sonho branco”, do livro Broquéis de Cruz e Sousa, o eu lírico personifica e descreve o sonho, que está vestido “de linho e rosas brancas”. Tal sonho é virgem, puro, no peito do eu lírico. Além disso, é o deus do luar e nascido das estrelas. Ele segue por um caminho branco e florido, onde as aves cantam. No entanto, em contraste com a sua alegria, está a sua morte iminente:

Sonho Branco

De linho e rosas brancas vais vestido,
Sonho virgem que cantas no meu peito!...
És do Luar o claro deus eleito,
Das estrelas puríssimas nascido.

Por caminho aromal, enflorescido,
Alvo, sereno, límpido, direito,
Segues radiante, no esplendor perfeito,
No perfeito esplendor indefinido...

As aves sonorizam-te o caminho...
E as vestes frescas, do mais puro linho
E as rosas brancas dão-te um ar nevado...

No entanto, ó Sonho branco de quermesse!
Nessa alegria em que tu vais, parece
Que vais infantilmente amortalhado!

Como características de estilo, é possível apontar:

  • rigor formal (metrificação — versos decassílabos — e rimas);
  • maiúsculas alegorizantes (“Luar” e “Sonho”);
  • presença da cor branca (“rosas brancas”, “claro deus”, “alvo”, “ar nevado” e “Sonho branco”);
  • sinestesia — combinação de dois ou mais sentidos físicos (“brancas”, “radiante” e “esplendor” — visão; “cantas” e “sonorizam” — audição; “aromal” — olfato; “frescas” e “nevado” — tato);
  • pessimismo (no último verso);
  • uso de reticências para dar um tom vago e impreciso.

Já no poema “Lésbia”, também do livro Broquéis, a mulher lésbica é comparada a um arbusto “selvagem”, “planta mortal, carnívora”. O poema está centrado na sexualidade dessa mulher e caracteriza o amor por ela sentido como “trágico e triste”, visão preconceituosa do século XIX.

Além disso, de acordo com a visão científica equivocada dessa época, a mulher é considerada “nervosa” e “doente”. É também comparada a uma serpente cruel, demoníaca e sensual (“seios acídulos, amargos”, “capros aromas”). O poema, portanto, traz uma visão negativa e preconceituosa do eu lírico em relação à mulher lésbica:

Lésbia

Cróton selvagem, tinhorão lascivo,
Planta mortal, carnívora, sangrenta,
Da tua carne báquica rebenta
A vermelha explosão de um sangue vivo.

Nesse lábio mordente e convulsivo,
Ri, ri risadas de expressão violenta
O Amor, trágico e triste, e passe, lenta,
A morte, o espasmo gélido, aflitivo...

Lésbia nervosa, fascinante e doente,
Cruel e demoníaca serpente
Das flamejantes atrações do gozo.

Dos teus seios acídulos, amargos,
Fluem capros aromas e os letargos,
Os ópios de um luar tuberculoso...

Quanto a suas características formais, o poema possui:

  • rigor formal (metrificação — versos decassílabos — e rimas);
  • maiúscula alegorizante (“Amor”);
  • sinestesia (“vermelha” e “flamejantes” — visão; “explosão” e “risadas” — audição; “aromas” — olfato; “espasmo”, “gélido” e “tuberculoso”  — tato; “acídulos” e “amargos”— paladar);
  • uso de reticências.

Crédito da imagem

[1] L&PM (reprodução)


Publicado por: Warley Souza
Assuntos relacionados
Murilo Mendes
Clique aqui e veja quem foi Murilo Mendes. Conheça o estilo literário de suas obras, assim como as fases de suas poesias. Leia algumas frases do autor.
Ilustração de Charles Baudelaire, poeta francês do século XIX que esteve dentro da estética simbolista.
Simbolismo
Acesse para descobrir o que foi o Simbolismo. Conheça seu contexto histórico e origem. Aprenda, também, quais foram os principais autores do Simbolismo português e brasileiro.
Castro Alves
Saiba quem foi Castro Alves e entenda o contexto histórico em que esse poeta viveu. Conheça também a sua obra-prima, “O navio negreiro”, além de outros poemas.
Conceição Evaristo
Saiba quem é Conceição Evaristo. Veja quais são suas obras publicadas. Leia alguns de seus poemas mais conhecidos.
Lima Barreto
Conheça Lima Barreto. Saiba mais sobre aspectos da sua vida pessoal, as características principais de suas obras e algumas de suas frases famosas.
Parnasianismo
Entenda o contexto histórico em que surgiu o parnasianismo. Saiba quais são as características desse estilo, e conheça seus principais autores.
O Romantismo foi um movimento que se voltou para os valores da burguesia.
Romantismo
Acesse para descobrir o que foi o Romantismo. Leia suas principais características e conheça seu contexto histórico, os principais autores e obras do movimento.