Mário de Andrade

Mário de Andrade é um importante escritor do Modernismo brasileiro. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1893, e morreu em 1945, nessa mesma cidade. Participou da Semana de Arte Moderna, que inaugurou o Modernismo no Brasil. Buscou divulgar, em seus textos, elementos da cultura brasileira e criar um sentimento de identidade nacional.

Seu livro mais conhecido é Macunaíma, que traz como subtítulo: “o herói sem nenhum caráter”. Nessa obra, o escritor, além de mostrar elementos do folclore nacional, traça um perfil bastante crítico do caráter do povo brasileiro. Mas pretende também divulgar aquilo que ele chamava de “língua brasileira”, com características distintas do português formal. Como escreveu o autor, em seu livro Pauliceia desvairada: “Escrevo brasileiro”.

Mário de Andrade, grande entusiasta do Modernismo no Brasil.
Mário de Andrade, grande entusiasta do Modernismo no Brasil.

Biografia de Mário de Andrade

Mário de Andrade nasceu em 09 de outubro de 1893. Aos dez anos de idade, escreveu seu primeiro poema. Mas o escritor não se dedicou apenas à literatura, estudou piano e canto. Em consequência disso, tornou-se professor de História da Música e da Estética no Conservatório Dramático e Musical da cidade de São Paulo, em 1922. Foi também diretor do Departamento de Cultura da Prefeitura de São Paulo, de 1935 a 1938.

Participou da Semana de Arte Moderna, que ocorreu em 1922. Como celebração dos cem anos de Independência do Brasil, artistas de várias áreas reuniram-se no Theatro Municipal de São Paulo para apresentar suas obras. Pretendiam divulgar uma arte nova, moderna. Buscavam, portanto, romper com a tradição, isto é, a arte que vinha sendo produzida até aquele momento.

Teatro Municipal de São Paulo, onde ocorreu a Semana de Arte Moderna em 1922.
Theatro Municipal de São Paulo, onde ocorreu a Semana de Arte Moderna em 1922.

Foi Mário de Andrade um dos idealizadores da Semana de 22. O escritor mostrava, assim, seu intuito de romper com a arte do passado e criar uma arte nova e mais comprometida com a cultura brasileira, fundada na diversidade de um país que sempre recebeu variadas influências culturais: indígenas, africanas e europeias.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Escreveu para jornais e revistas, como para o Jornal do Comércio, em que escreveu artigos contra o Parnasianismo, estilo de época atacado pelos modernistas, e para a Revista Klaxon, uma das responsáveis pela divulgação do movimento modernista. Além disso, publicou vários livros, de diversos gêneros: poesia, romance, conto, crítica, ensaio. Sua obra Contos novos foi publicada após a morte do autor, ocorrida em 25 de fevereiro de 1945.

Leia também: Carolina Maria de Jesus – importante nome da literatura negra do Brasil

Características literárias de Mário de Andrade

Mário de Andrade está vinculado à primeira geração modernista (1922-1930), que apresenta as seguintes características:

  • Pretende “destruir” os padrões da arte conservadora, com o objetivo de criar uma arte nova e mais livre; por isso, essa primeira geração é conhecida também como “fase de destruição”.
  • Opõe-se aos valores artísticos do passado, particularmente do século XIX, como os do Romantismo e do Parnasianismo; ataca, portanto, a idealização romântica (O Romantismo buscava um mundo ideal, perfeito, afastado da realidade.) e o rigor formal parnasiano (preocupação com a forma do poema no que se refere à metrificação).
  • Busca identidade própria e liberdade de expressão, ou seja, uma literatura não mais comprometida com uma estética europeia, mas que pretende divulgar “a cara do Brasil”.
  • Realiza uma releitura crítica dos símbolos da nacionalidade (como o índio romântico).
  • Em prol da liberdade de criação, quebra com a estrutura tradicional do romance e com o rigor formal da poesia, que passa a ser escrita com versos livres (sem métrica e sem rima).
  • Empenha-se em aproximar fala e escrita, na defesa de uma “língua brasileira”, distinta do português formal; assim, são valorizados não só os regionalismos, mas também os “erros” gramaticais, que se tornam marcas de nacionalidade.

Obras de Mário de Andrade

  • Há uma gota de sangue em cada poema (1917) - poesias
  • Pauliceia desvairada (1922) - poesias
  • A escrava que não é Isaura (1925) - ensaio
  • O losango cáqui (1926) - poesias
  • Primeiro andar (1926) - contos
  • Amar, verbo intransitivo (1927) - romance
  • Clã do jabuti (1927) - poesia
  • Macunaíma (1928) - romance
  • Modinhas imperiais (1930) - modinhas
  • Remate de males (1930) - poesia.
  • Música, doce música (1934) - crítica
  • Belazarte (1934) - contos.
  • O Aleijadinho e Álvares de Azevedo (1935) - ensaios
  • Poesias (1941) - poesias
  • O movimento modernista (1942) - memórias
  • O empalhador de passarinho (1944) - artigos
  • Contos novos (1947) - contos
  • Macunaíma

Capa do livro Macunaíma, de Mário de Andrade, da editora Nova Fronteira.[1]
Capa do livro Macunaíma, de Mário de Andrade, da editora Nova Fronteira.[1]

Macunaíma é o livro mais famoso do escritor Mário de Andrade. Esse romance modernista traz uma visão crítica da identidade do povo brasileiro. O personagem Macunaíma, “o herói sem nenhum caráter”, é uma releitura crítica de um símbolo nacional: o índio. Nessa perspectiva, o autor dialoga com a primeira geração romântica, que traz um índio idealizado, ou seja, distanciado da realidade.

Assim, o índio Macunaíma afasta-se da idealização do índio romântico. Macunaíma é preguiçoso e malandro, já o índio do Romantismo brasileiro é corajoso e honesto. Porém, ao mesmo tempo em que o escritor faz uma crítica ao caráter do povo brasileiro, ele também apresenta um personagem libertário e imperfeito, o que distancia o herói modernista do herói tradicional.

A obra chama a atenção pelo seu aspecto folclórico, que busca fortalecer a identidade cultural brasileira. A cultura indígena está presente nessa obra de forma intensa, tanto em relação ao vocabulário quanto em relação aos personagens típicos dessa cultura. Assim, o escritor pretende fazer um resgate da cultura nativa, parte essencial da formação do povo brasileiro.

No início do romance, o protagonista é apresentado ao leitor. Diz o narrador: “Já na meninice fez coisas de sarapantar”, isto é, coisas de se espantar. “De primeiro passou mais de seis anos não falando. Si o incitavam a falar exclamava: —  Ai! que preguiça!...”. Pode-se perceber, nesse trecho, a conjunção “se” escrita da forma como é falada: “si”. A aproximação da fala e da escrita faz parte dos ideais da primeira geração modernista.

Além disso, se entendemos que o personagem Macunaíma é a representação do povo brasileiro, a fala do herói — “Ai! que preguiça!” — pode ser uma marca negativa desse povo. Essa crítica também pode ser verificada no seguinte trecho: “Vivia deitado mas si punha os olhos em dinheiro, Macunaíma dandava pra ganhar vintém”. Assim, seu caráter interesseiro e materialista é evidenciado.

O erotismo é outro traço da cultura brasileira, que pode ser visualizado nos seguintes trechos: “E também espertava quando a família ia tomar banho no rio, todos juntos e nus”;  “No mocambo si alguma cunhatã se aproximava dele pra fazer festinha, Macunaíma punha a mão nas graças dela, cunhatã se afastava”.

Por outro lado, Macunaíma respeitava a religião, outro elemento forte na cultura brasileira. Assim, o protagonista “frequentava com aplicação a murua a poracê o torê o bacorocô a cucuicogue, todas essas danças religiosas da tribo”.

O livro Macunaíma relata as aventuras de um herói brasileiro, que sai da floresta amazônica e chega a São Paulo. Durante o percurso, vive peripécias e desventuras, para, no final, retornar ao seu lugar de origem, a sua pátria. O personagem Macunaíma realiza a sua odisseia. No entanto, não é um herói grego|3|, é um herói brasileiro. Não encontra nenhum ciclope ou ninfa em seu caminho, mas se depara com o curupira, com a Ci (a mãe do mato) e com a Uiara, personagens da cultura brasileira.

Veja também: Memórias póstumas de Brás Cubas – primeiro romance realista do Brasil

Frases

O escritor Mário de Andrade viveu intensamente a arte e a escrita literária. Vamos então ler algumas frases, extraídas do prefácio do livro Pauliceia desvairada, em que ele reflete sobre a arte da escrita:

“Quando sinto a impulsão lírica escrevo sem pensar tudo o que meu inconsciente me grita.”

“Todo escritor acredita na valia do que escreve. Si mostra é por vaidade. Si não mostra é por vaidade também.”

“A inspiração é fugaz, violenta.”

“Arte é mondar mais tarde o poema de repetições fastientas, de sentimentalidades românticas, de pormenores inúteis ou inexpressivos.”

“Que Arte não seja porém limpar versos de exageros coloridos.”

“Virgílio, Homero, não usaram rima.”

“A língua brasileira é das mais ricas e sonoras. E possui o admirabilíssimo ‘ão’”.

“Escrever arte moderna não significa jamais para mim representar a vida atual no que tem de exterior: automóveis, cinema, asfalto.”

“O passado é lição para se meditar, não para reproduzir.”

“Aliás versos não se escrevem para leitura de olhos mudos.”

“Em arte: escola = imbecilidade de muitos para vaidade dum só.”


Crédito da imagem

[1] Nova Fronteira | Ediouro (Reprodução)

Publicado por: Warley Souza
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Lista de Exercícios

Questão 1

(PUC PR – 2010)

Leia os fragmentos a seguir, retirados do conto O besouro e a rosa, do livro Contos de Belazarte, de Mário de Andrade, para responder às questões.

1 - João não viu nada disso, estou fantasiando a história. Depois do século dezenove os contadores parece que se sentem na obrigação de esmiuçar com sem-vergonhice essas coisas.

2 - João ficou sozinho na sala, não sabia o que tinha acontecido lá dentro, mas porém adivinhando que lhe parecia que a Rosa não gostava dele.(...) Por causa dele o Lapa Atlético venceu. Venceu porque derrepentemente ela aparecia no corpo dele e lhe dava aquela vontade.

3 - Pedro Mulato era um infame, até gatuno, Deus me perdoe! Rosa não escutou nada. Bateu o pé. Quis casar e casou. Meia que sentia que estava errada porém não queria pensar e não pensava. As duas solteironas choraram muito quando ela partiu casada e vitoriosa, sem uma lágrima. Dura. Rosa foi muito infeliz.

I. O primeiro fragmento há metaficção, voltada para a crítica aos escritores do século XIX.

II. A crítica aos escritores do século XIX é uma das marcas do Modernismo brasileiro, do qual Mário de Andrade é um dos expoentes.

III. No fragmento 2, o uso da palavra derrepentemente se justifica pela proposta de uso da língua feita pelo Modernismo.

IV. O uso do mas porém, no fragmento 2, aproxima a escrita da oralidade, uma das propostas do Modernismo brasileiro.

V. O final do conto “Rosa foi muito infeliz” quebra a expectativa do leitor, que espera haver um final feliz. Esse estranhamento também faz parte das propostas modernistas.

Assinale a alternativa CORRETA:

a) As assertivas I, II e IV são verdadeiras.

b) Todas as assertivas são verdadeiras.

c) As assertivas I e V são verdadeiras.

d) Somente a assertiva I é falsa.

e) Todas as assertivas são falsas.

Questão 2

(PUCCAMP)

Assinale a alternativa em que se encontram preocupações estéticas da Primeira Geração Modernista:
 
a) “Não entrem no verso culto o calão e solecismo, a sintaxe truncada, o metro cambaio, a indigência das imagens e do vocabulário do pensar e do dizer.”

b) “Vestir a Ideia de uma forma sensível que, entretanto, não terá seu fim em si mesma, mas que, servindo para exprimir a Ideia, dela se tornaria submissa.”

c) “Minhas reivindicações? Liberdade. Uso dela; não abuso.” “E não quero discípulos. Em arte: escola = imbecilidade de muitos para vaidade dum só.”

d) “Na exaustão causada pelo sentimentalismo, a alma ainda trêmula e ressoante da febre do sangue, a alma que ama e canta porque sua vida é amor e canto, o que pode senão fazer o poema dos amores da vida real?”

e) “O poeta deve ter duas qualidades: engenho e juízo; aquele, subordinado à imaginação, este, seu guia, muito mais importante, decorrente da reflexão. Daí não haver beleza sem obediência à razão, que aponta o objetivo da arte: a verdade.” 

Mais Questões
Assuntos relacionados
Selo postal com a obra “O homem amarelo” (Anita Malfatti, 1917) *
Anita Malfatti
Leia a biografia da artista plástica Anita Malfatti e fique por dentro de suas contribuições à arte moderna no Brasil.
Posse de Rachel de Queiroz na Academia Brasileira de Letras, em 1977. (Arquivo Nacional)
Rachel de Queiroz
Conheça a vida e a obra de Rachel de Queiroz. Veja qual é a relação da autora com o regionalismo, além de conhecer as principais características de sua obra.
“Todos têm uma história”. Em um conto, dos temas mais complexos aos mais simples são narrados. Qualquer um pode construí-lo!
Conto
Aprenda quais são as características do conto e veja alguns tipos de subdivisões que existem. Além disso, reconheça as diferenças entre esse gênero e a crônica.
Murilo Rubião
Saiba mais sobre a vida e a obra de Murilo Rubião, escritor com um estilo surpreendente e original na literatura brasileira.
Capa do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, autoria de Di Cavalcanti
Semana de Arte Moderna
Clique aqui e conheça o que foi e quem foram os idealizadores da Semana da Arte Moderna!
Oswald de Andrade - O principal representante modernista
Oswald de Andrade - O poeta revolucionário
Irreverência e inovação são marcas pessoais desse autor.
Manuel Bandeira – Um importante representante modernista
Manuel Bandeira
Conheça mais sobre a temática desse importante autor!
Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) é considerado pela crítica literária o maior poeta brasileiro do século XX *
Dos românticos aos modernos: O essencial da poesia brasileira
Dos românticos aos modernos: Conheça dez poemas essenciais da poesia brasileira.
Influenciado pelas vanguardas europeias, o Modernismo inovou e rompeu com a tradição literária brasileira
Modernismo
Modernismo: Clique e conheça um dos mais importantes movimentos literários da literatura brasileira.
Luís Carlos Prestes – revolucionário comunista
Modernismo – Momento histórico da primeira fase
Tudo sobre a história da primeira fase do Modernismo!