Manuel Bandeira

Manuel Bandeira, poeta brasileiro, nasceu em 19 de abril de 1886 e morreu em 13 de outubro de 1968. Seu primeiro livro — A cinza das horas — foi publicado em 1917. Assim, inicialmente, o escritor recebeu influências do parnasianismo e do simbolismo. Depois, porém, filiou-se ao modernismo brasileiro, fazendo parte, portanto, da primeira geração modernista.

Sua poesia dessa fase, consequentemente, é marcada pela liberdade formal, isto é, pela utilização de versos livres, além de possuir um tom irônico, em oposição à literatura tradicional. Apesar de Bandeira não ter estado presente na Semana de Arte Moderna, seu poema “Os sapos” foi declamado por Ronald de Carvalho (1893-1935) e agitou o evento, em 1922.

Leia também: Mário de Andrade – um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna

Biografia de Manuel Bandeira

Manuel Bandeira, poeta que iniciou sua carreira literária com traços parnasianos e simbolistas e depois aderiu ao modernismo.
Manuel Bandeira, poeta que iniciou sua carreira literária com traços parnasianos e simbolistas e depois aderiu ao modernismo.

Manuel Bandeira nasceu em 19 de abril de 1886, em Recife. Mais tarde, a família mudou-se para o Rio de Janeiro, onde o poeta estudou no Colégio Pedro II. Em 1903, ingressou no curso de Arquitetura da Escola Politécnica de São Paulo, que não concluiu, pois adquiriu tuberculose. Assim, os tratamentos e a possibilidade de morrer acabaram influenciando a forma como o poeta via a sua realidade, o que está impresso em sua poesia inicial.

Entre 1913 e 1914, morou na Suíça, para fazer mais um tratamento contra a doença. Sobreviveu e, em 1917, publicou, com recursos próprios, seu primeiro livroA cinza das horas.

Anos depois, fez parte do modernismo brasileiro, apesar de não ter estado presente nos eventos da Semana de Arte Moderna de 1922, quando seu poema “Os sapos” foi declamado pelo escritor Ronald de Carvalho, provocando gritos e vaias do público. Bandeira também participou da fase inicial do movimento por meio de publicações em revistas como a Klaxon e a Revista de Antropofagia.

Em 1935, Manuel Bandeira tornou-se inspetor federal de ensino. Dois anos depois, foi premiado pela Sociedade Felipe d’Oliveira. Entre 1938 e 1943, trabalhou como professor de literatura brasileira no Colégio Pedro II. Três anos depois, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, em 29 de agosto de 1940. Ganhou também um prêmio do Instituto Brasileiro de Educação e Cultura, em 1946.

Foi também professor de literaturas hispano-americanas na Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde se aposentou, em 1956. Assim, o escritor, que morreu em 13 de outubro de 1968, no Rio de Janeiro, além de ser um dos principais poetas modernistas, foi também cronista, tradutor, e crítico de arte e de literatura.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Estilo literário de Manuel Bandeira

Os primeiros poemas de Manuel Bandeira apresentam influências do parnasianismo e do simbolismo. No entanto, sua carreira literária firmou-se a partir de sua filiação ao modernismo brasileiro, mais especificamente à primeira fase desse movimento. Assim, a poesia modernista de Bandeira apresenta as seguintes características:

  • Nacionalismo crítico

  • Antitradicionalismo

  • Liberdade formal

  • Valorização da linguagem coloquial

  • Releitura do passado histórico

  • Regionalismo

  • Ironia

  • Temática do cotidiano

  • Linguagem despojada

Leia também: Olavo Bilac – grande expoente da poesia parnasiana brasileira

Obras de Manuel Bandeira

→ Poesia

→ Prosa

  • Crônicas da província do Brasil (1937)

  • Guia de Ouro Preto (1938)

  • Noções de história das literaturas (1940)

  • Literatura hispano-americana (1949)

  • Gonçalves Dias (1952)

  • Itinerário de Pasárgada (1954)

  • De poetas e de poesia (1954)

  • Flauta de papel (1957)

  • Os reis vagabundos e mais 50 crônicas (1966)

  • Andorinha, andorinha (1966)

Poemas de Manuel Bandeira

A seguir, vamos analisar dois poemas de Manuel Bandeira. Comecemos pelo poema “Desencanto”, de 1912, do livro A cinza das horas. Nesse texto, o eu lírico é um poeta que demonstra sua tristeza e dialoga com a leitora ou o leitor, de forma a sugerir que só pode ler o seu livro alguém que também esteja triste. Em seguida, o poeta define sua poesia, caracterizada por “sangue”, “volúpia”, “tristeza”, “remorso” e formada por um verso “amargo”, “quente” e “de angústia rouca”:

Desencanto

Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

— Eu faço versos como quem morre.

Esse poema, anterior à fase modernista de Manuel Bandeira, apresenta metrificação — versos com nove sílabas poéticas, isto é, eneassílabos — e rimas. Além disso, sua temática, marcada pela tristeza e lembrança da morte, é comumente associada, por alguns críticos, a elementos autobiográficos, já que o autor lutava contra a tuberculose e convivia com a ideia da morte.

Acesse também: Cinco poemas de Manuel Bandeira

Em seguida, vamos ler o poema “Poética”, do livro Libertinagem. Esse texto pode ser considerado um símbolo da primeira geração modernista, já que defende uma poesia libertária e não comprometida com a tradição. Assim, o eu lírico ataca a poesia comedida, bem-comportada, tradicional, presa às regras gramaticais, para defender a poesia dos loucos e bêbedos, isto é, dos artistas livres e, portanto, acima das regras. Por isso, o poema é escrito em versos livres:

Poética

Estou farto do lirismo comedido

Do lirismo bem-comportado

Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor
Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo
Abaixo os puristas

Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis

Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.

De resto não é lirismo

Será contabilidade tabela de cossenos secretário do amante exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes maneiras de agradar às mulheres etc.

Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare

— Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

Crédito de imagem

[1] Global Editora (reprodução)

Publicado por: Warley Souza
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

(Enem 2011)

Estrada

Esta estrada onde moro, entre duas voltas do caminho,

Interessa mais que uma avenida urbana.

Nas cidades todas as pessoas se parecem.

Todo mundo é igual. Todo mundo é toda a gente.

Aqui, não: sente-se bem que cada um traz a sua alma.

Cada criatura é única.

Até os cães.

Estes cães da roça parecem homens de negócios:

Andam sempre preocupados.

E quanta gente vem e vai!

E tudo tem aquele caráter impressivo que faz meditar:

Enterro a pé ou a carrocinha de leite puxada por um bodezinho manhoso.

Nem falta o murmúrio da água, para sugerir, pela voz dos símbolos,

Que a vida passa! que a vida passa!

E que a mocidade vai acabar.

BANDEIRA, M. O ritmo dissoluto. Rio de Janeiro: Aguilar, 1967.

A lírica de Manuel Bandeira é pautada na apreensão de significados profundos a partir de elementos do cotidiano. No poema Estrada, o lirismo presente no contraste entre campo e cidade aponta para

a) o desejo do eu lírico de resgatar a movimentação dos centros urbanos, o que revela sua nostalgia com relação à cidade.

b) a percepção do caráter efêmero da vida, possibilitada pela observação da aparente inércia da vida rural.

c) a opção do eu lírico pelo espaço bucólico como possibilidade de meditação sobre a sua juventude.

d)  a visão negativa da passagem do tempo, visto que esta gera insegurança.

e) a profunda sensação de medo gerada pela reflexão acerca da morte.

Questão 2

(Enem 2000)

“Poética”, de Manuel Bandeira, é quase um manifesto do movimento modernista brasileiro de 1922. No poema, o autor elabora críticas e propostas que representam o pensamento estético predominante na época.

Poética

Estou farto do lirismo comedido

Do lirismo bem comportado

Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente

protocolo e manifestações de apreço ao Sr. Diretor.

Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário

o cunho vernáculo de um vocábulo.

Abaixo os puristas

[...]

Quero antes o lirismo dos loucos

O lirismo dos bêbedos

O lirismo difícil e pungente dos bêbedos

O lirismo dos clowns de Shakespeare

- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

(BANDEIRAManuel. Poesia completa e prosa. Rio de janeiro: José Aguilar, 1974)

Com base na leitura do poema, podemos afirmar corretamente que o poeta:

a) Critica o lirismo louco do movimento modernista.

b) Critica todo e qualquer lirismo na literatura.

c) Propõe o retorno ao lirismo do movimento clássico.

d) Propõe o retorno do movimento romântico.

e) Propõe a criação de um novo lirismo.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Carlos Drummond de Andrade
Entenda a importância de Carlos Drummond de Andrade para a literatura brasileira. Leia sua biografia, suas características literárias, principais obras e poemas.
Manuel Bandeira nasceu em Recife no dia 19 de abril de 1886. Faleceu no dia 13 de outubro de 1968 no Rio de Janeiro, aos 82 anos de idade *
Cinco poemas de Manuel Bandeira
Literatura brasileira: Clique e conheça cinco poemas de Manuel Bandeira, um dos expoentes do Modernismo.
Busto de Cora Coralina com a torre da Igreja Matriz da Cidade de Goiás ao fundo. [1]
Cora Coralina
Leia sobre a vida e obra de Cora Coralina, grande poetisa e contista goiana. Entenda como ela se tornou uma das mais importantes escritoras da literatura brasileira.
Ferreira Gullar
Clique aqui e conheça Ferreira Gullar, um importante nome da poesia engajada do Brasil. Leia uma breve biografia do autor assim como um de seus poemas.
A função emotiva apresenta marcas gramaticais que podem facilitar seu reconhecimento. Entre elas, o uso dos verbos e pronomes na primeira pessoa
Função emotiva
Lirismo, subjetividade e expressividade: Conheça as principais características da função emotiva da linguagem.
Graciliano Ramos
Clique aqui e conheça a vida e a obra de Graciliano Ramos, escritor que ambientou no sertão nordestino os dramas e as tensões universais da vida humana.
Jorge Amado
Clique aqui e conheça o escritor Jorge Amado. Entenda suas características literárias e saiba quais obras escreveu. Leia algumas frases do autor.
Jorge de Lima
Veja quem é Jorge de Lima, conheça as características de suas obras literárias e leia algumas frases do autor.
João Cabral de Melo Neto se destacou entre os representantes da poesia de 1945
João Cabral de Melo Neto
Conheça um dos maiores representantes da poesia de 1945 – João Cabral de Melo Neto! É só clicar e conferir!
Imagem do poeta que ilustra o box “Biblioteca Manoel de Barros”, da Editora Leya
Manoel de Barros
Um convite literário: Conheça a vida e a obra do poeta Manoel de Barros.
Mario Quintana
Saiba quem foi Mario Quintana, o mais bem-humorado poeta gaúcho. Leia sua biografia, entenda suas características literárias e conheça suas obras, poemas e frases.
Murilo Mendes
Clique aqui e veja quem foi Murilo Mendes. Conheça o estilo literário de suas obras, assim como as fases de suas poesias. Leia algumas frases do autor.
Mário de Andrade
Saiba quem foi Mário de Andrade. Conheça as principais características de suas obras. Entenda a importância do livro “Macunaíma”.
Oswald de Andrade
Aprenda sobre Oswald de Andrade, um grande representante da primeira fase do modernismo brasileiro. Conheça seu estilo literário e leia algumas de suas poesias.
Paulo Leminski nasceu em Curitiba, no dia 24 de agosto de 1944. Faleceu aos 44 anos, no dia 07 de junho de 1989
Paulo Leminski
Os melhores poemas de Paulo Leminski: Clique e conheça a força da síntese na poesia de Leminski.
João Cabral de Melo Neto nasceu em Recife, no dia 06 de janeiro de 1920. Faleceu no Rio de Janeiro, aos 79 anos, no dia 09 de outubro de 1999 *
Poemas de João Cabral de Melo Neto
O arquiteto da palavra: Clique e conheça três poemas de João Cabral de Melo Neto.
Capa do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, autoria de Di Cavalcanti
Semana de Arte Moderna
Clique aqui e conheça o que foi e quem foram os idealizadores da Semana da Arte Moderna!
Vinícius de Moraes
Saiba quem foi Vinicius de Moraes, veja detalhes de sua biografia, descubra quais foram suas fases literárias e veja exemplos de poemas e de suas principais canções.