Monteiro Lobato

Monteiro Lobato é considerado um dos maiores escritores brasileiros. Suas obras alcançam leitores infantojuvenis e adultos.

José Bento (Renato) Monteiro Lobato nasceu no dia 18 de abril de 1882, no município de Taubaté, estado de São Paulo (SP). Monteiro Lobato, como ficou conhecido anos mais tarde, desde a infância teve bastante contato e paixão por literatura. Na infância, sua obra favorita era As viagens de Gulliver (1735), do escritor Jonathan Swift (1667-1745). Na juventude e fase adulta, apreciava as obras do escritor português Camilo Castelo Branco e dos escritores brasileiros José de Alencar, Machado de Assis e Euclides da Cunha.

Na adolescência, Monteiro Lobato trocou o nome 'Renato' por 'Bento' para aproveitar uma bengala herdada do pai, José Bento Marcondes Lobato, na qual estavam gravadas as iniciais “JBML”. Na Literatura brasileira, Monteiro Lobato é considerado um dos autores mais polêmicos e renomados do movimento pré-modernista.

Formação acadêmica e atuação profissional

Em 1904, formou-se Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Largo do São Francisco e, no mesmo período, atuou como Promotor Público no município de Areias, São Paulo, por sete anos. Publicou, em 1914, seus primeiros contos e artigos no jornal O Estado de São Paulo, como Urupês e Velha Praga.

Em 1918, Lobato adquiriu a Revista do Brasil, da qual já era colunista, e isso contribuiu positivamente para que o escritor divulgasse seus trabalhos. Na mesma época, publicou a primeira coletânea de contos, intitulada de Urupês (1918). É a primeira obra em que aparece um dos personagens mais conhecidos dos leitores, o Jeca Tatu, a respeito do qual discutiremos em seguida.

Urupês: a primeira coletânea de contos

Urupês é uma coletânea de contos na qual Monteiro Lobato tece duras críticas aos caboclos que viviam nas fazendas de café do interior de São Paulo. A crítica deve-se aos inúmeros casos de incêndios intencionais causados pelos caboclos, os Jecas Tatus, descritos nas obras de Lobato como um “parasita que incendeia a terra”, pois destruíam a diversidade de fauna, flora e causavam o empobrecimento do solo na região do Vale do Paraíba.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Com certa dose de ironia, Lobato traça o perfil caricatural do povo brasileiro, enfatiza seu nacionalismo e reflete sobre os problemas advindos da contradição causada pelo atraso e pelo desenvolvimento do Brasil.

Leia um trecho do conto homônimo à coletânea Urupês:

Feia e sorna, nada a põe de pé. […] Jeca Tatu é um piraquara do Paraíba, maravilhoso epitome de carne onde se resumem todas as características da espécie. […] De pé ou sentado, as ideias se lhe entramam, a língua emperra e não há de dizer coisa com coisa. De noite, na choça de palha, acocora-se em frente ao fogo para “aquentá-lo, imitado da mulher e da prole. […] Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade! (LOBATO, 2004. p. 166-168.)

A literatura infantojuvenil de Monteiro Lobato

Em 1920, Lobato publicou o primeiro livro dedicado às crianças e adolescentes, intitulado de A Menina do Narizinho Arrebitado. Nessa obra, Lobato conta as aventuras de Narizinho (personagem de maior destaque em suas obras destinadas às crianças) e sua turma do Sítio do Picapau Amarelo. Instigando o imaginário dos leitores, o Sítio do Picapau Amarelo é habitado pela boneca Emília, Visconde de Sabugosa, Dona Benta, Marquês de Rabicó e outras personagens que fazem parte do folclore brasileiro.

Algumas obras de Monteiro Lobato

Leitores infantojuvenis

  • Reinações de Narizinho (1921)

  • O Saci (1921)

  • O Marquês de Rabicó (1922)

  • A Caçada da Onça (1924)

  • Viagem ao Céu (1932)

  • Novas Reinações de Narizinho (1933)

  • O Picapau Amarelo (1939).

Leitores adultos

  • Cidades Mortas (1919)

  • Negrinha (1920)

  • A Onda Verde (1921)

  • O Macaco que se fez Homem (1923)

  • América (1932)

  • O escândalo do petróleo e do ferro (1936)

Monteiro Lobato, escritor brasileiro cujas obras permeiam o imaginário do público de diversas idades e gerações
Monteiro Lobato, escritor brasileiro cujas obras permeiam o imaginário do público de diversas idades e gerações
Publicado por: Luciana Kuchenbecker Araújo
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

O nome de batismo do escritor brasileiro Monteiro Lobato é:

a) José Augusto Monteiro Lobato

b) José Bento Monteiro Lobato

c) José Inácio Monteiro Lobato

d) José Renato Monteiro Lobato

e) José Monteiro Lobato

Questão 2

Marque a alternativa que indica em qual movimento literário podemos classificar as obras de Monteiro Lobato:

a) Modernismo

b) Simbolismo

c) Pré-modernismo

d) Realismo

e) Condoreirismo

Mais Questões
Assuntos relacionados
O Romance Urbano surgiu no início do século XIX, um período da Literatura brasileira que sucedeu o Condoreirismo e precedeu o Romance Indianista
Romance urbano
Leia este artigo e saiba tudo sobre o Romance Urbano, período da Literatura em que são retratados os costumes e valores da elite carioca.
Lima Barreto
Conheça Lima Barreto. Saiba mais sobre aspectos da sua vida pessoal, as características principais de suas obras e algumas de suas frases famosas.
Pré-Modernismo
Entenda o que foi o período do pré-modernismo na literatura. Conheça as circunstâncias de seu contexto, saiba quais os principais autores e obras e resolva exercícios.
O Condoreirismo representa a terceira geração da poesia romântica
Condoreirismo
Entenda um pouco mais a respeito do Condoreirismo, uma vertente literária que surgiu entre as décadas de 1860 a 1870.
Euclides da Cunha foi um escritor pré-modernista brasileiro
Euclides da Cunha

Leia a biografia de Euclides da Cunha e saiba mais a respeito da vida e da obra do autor de Os Sertões, “a Bíblia da nacionalidade brasileira”.