Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Química
  3. Química Geral
  4. Força Intermolecular de Dipolo Induzido

Força Intermolecular de Dipolo Induzido

Na natureza existem muitas moléculas apolares, ou seja, em que não há diferença de eletronegatividade entre os átomos e que não ocorre deslocamento da carga da molécula, mas que ainda assim se apresentam no estado líquido e sólido.

Como explicar a atração entre essas moléculas no estado sólido ou líquido? Se não houvesse interação entre elas, tais substâncias só existiriam no estado gasoso, mas nós sabemos que isso não é verdade. Por exemplo, o iodo (I2) e o gás carbônico (CO2) podem se apresentar no estado sólido, sendo que este último é conhecido nesse estado como gelo-seco.

As respostas para estas e outras perguntas que envolviam interações entre as moléculas começaram a ser desvendadas em 1873 por Johannes Diederik van der Waals (1837-1923). Esse cientista holandês (figura abaixo) determinou as forças que se estabelecem entre as moléculas e, em sua homenagem, elas passaram a ser chamadas de Forças de van der Waals.

Johannes Diederik van der Waals (1837-1923)
Johannes Diederik van der Waals (1837-1923)

As três principais forças intermoleculares são: ligação de hidrogênio, dipolo permanente e dipolo induzido. Esta última é a mais fraca das três e é a única que ocorre entre moléculas apolares.

Ela é chamada também pelos seguintes nomes: interação dipolo induzido-dipolo induzido, dipolo instantâneo- dipolo induzido, forças de dispersão de London (em homenagem ao físico alemão Fritz Wolfgang London (1900-1954) que relacionou essa força intermolecular ao movimento dos elétrons) ou, simplesmente, forças de London.

Essa interação ocorre da seguinte maneira: quando duas moléculas apolares ou dois átomos de um gás nobre se aproximam, os elétrons das eletrosferas dos átomos se repelem provocando um movimento dos elétrons, que se acumulam em uma única região. Desse modo, cria-se um dipolo na molécula ou átomo, pois uma região fica com acúmulo de elétrons e carga negativa, e outra região fica com deficiência de elétrons e carga positiva. Veja como isso ocorre no exemplo abaixo:

Dois átomos que estavam inicialmente com uma distribuição uniforme dos elétrons se aproximam e ocorre a formação de um dipolo induzido

Visto que essa força é pouco intensa, o iodo e o gelo-seco possuem a capacidade de sublimação, ou seja, passar diretamente do estado sólido para o gasoso.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O iodo e o gelo-seco sublimam porque suas forças de atração intermoleculares são fracas

Na natureza existem muitas demonstrações desse tipo de força em ação. Um dos mais espetaculares exemplos é a impressionante habilidade que a lagartixa (também conhecida como geco) tem de andar sobre superfícies bem lisas, como o vidro, e até mesmo pelo teto sem cair.

Isso ocorre porque cada dedo da lagartixa contém saliências com milhares de cerdas bem finas, como um fio de cabelo, e cada uma dessas cerdas contém milhares de filamentos microscópicos. As moléculas das cerdas aderem às da superfície por causa de forças de atração de dipolo induzido.

Mas, visto que essas forças são bem fracas, a força da gravidade não deveria se sobrepor a elas?

Acontece que essa força multiplicada pelos milhares de cerdas das patas da lagartixa produz uma atração suficiente para aguentar o peso desse animalzinho. As nossas mãos não possuem esses filamentos microscópicos, por isso, não conseguimos subir uma parede.  

Isso nos mostra que quanto maior a área de contato entre as moléculas, mais intensa será a força de dipolo induzido. É por isso que nas moléculas de iodo (I2) que possuem uma nuvem eletrônica ampla e extensa, a polarização é mais fácil do que no caso do gás hidrogênio ou do átomo do gás nobre hélio.

Além disso, as interações de dipolo – dipolo induzido podem ocorrer também entre moléculas de substâncias diferentes, sendo uma apolar e outra polar. Por exemplo, o gás oxigênio é apolar e a molécula de água é polar. Quando o oxigênio entra em contato com a água, a parte negativa da molécula de água afasta os elétrons da nuvem eletrônica do oxigênio, criando um dipolo induzido na molécula de oxigênio. É por isso que essas moléculas se interagem, atraindo-se mutualmente, e isso torna possível dissolver gás oxigênio na água, como ocorre no aquário abaixo:

Gás oxigênio em água de aquário permite que peixe respire

As patas da lagartixa possuem milhares de filamentos que realizam uma força de atração com as moléculas da superfície
As patas da lagartixa possuem milhares de filamentos que realizam uma força de atração com as moléculas da superfície
Publicado por: Jennifer Rocha Vargas Fogaça
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

(ITA-SP) Em qual dos pares de substâncias puras abaixo, ambas no estado sólido, são encontradas em cada um delas, simultaneamente, ligações covalentes e ligações de Van der Waals?

a) Iodo e dióxido de carbono.

b) Dióxido de silício e naftaleno.

c) Iodo e óxido de magnésio.

d) Magnésio e dióxido de carbono.

e) Cloreto de amônio e sulfato de chumbo.

Questão 2

(UFAC) Dentre os gases dissolvidos na água, o oxigênio é um dos mais importantes indicadores da qualidade de água. O oxigênio é fundamental à sobrevivência dos organismos aquáticos. Além dos peixes, as bactérias aeróbicas consomem o oxigênio dissolvido para oxidar matéria orgânica (biodegradável). A disponibilidade do oxigênio, em meio aquático, é baixa em virtude da sua limitada solubilidade em água devido às fracas interações intermoleculares entre as moléculas do gás (apolares) e as moléculas de água (polares). O lançamento de esgotos domésticos e efluentes industriais, ricos em matéria orgânica, nos corpos d’água, ocasiona uma maior taxa de respiração de micro-organismos, causando uma substancial redução do oxigênio dissolvido. As interações intermoleculares, existentes entre a água e o gás oxigênio nela dissolvido, são do tipo:

a) ligações de hidrogênio.

b) dipolo induzido.

c) covalentes.

d) dipolo dipolo.

e) iônica.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Escala Celsius
Termômetro
Termômetro, tubo capilar de vidro graduado, bulbo cheio de mercúrio, capilaridade, mercúrio, metal líquido, taxa de expansão, escala termométrica, variação de temperatura, escala Celsius, ebulição da água, Sistema Internacional, escala Kelvin.
Reatividade dos metais
Com quais classes de substâncias os metais reagem?
Como limpar aves cobertas com petróleo?
Métodos especiais de separação de misturas heterogêneas
Saiba como são usados para o bem estar do homem e dos animais.
Análise cromatográfica
Clique aqui e entenda o que é uma análise cromatográfica e como ela é feita!
Lei de Avogadro para gases
Hipótese relacionada ao volume molar de gases.
O álcool hidratado (96% de álcool etílico e 4% de água) é uma mistura azeotrópica
Misturas Eutéticas e Azeotrópicas
Uma mistura Eutética é aquela que apresenta composição definida e um ponto de fusão ou solidificação constante. Já mistura azeotrópica apresenta um ponto de ebulição ou condensação constante.
A graduação do termômetro é a escala termométrica (existem várias escalas em uso atualmente)
Conversão de Escalas Termométricas
Conheças as escalas termométricas (graus Celsius, Kelvin e Fahrenheit), como surgiu cada uma, o que é o zero absoluto e como realizar a conversão dessas unidades.
A amônia é um exemplo de molécula polar
Polaridade das moléculas
Aprenda neste texto como é simples determinar a polaridade das moléculas por meio das nuvens eletrônicas ou da soma dos vetores momento dipolar.
Ilustração de um átomo com ênfase em seu núcleo
Raio atômico: o tamanho do átomo
O raio atômico (r) é a metade da distância (d) entre dois núcleos de átomos vizinhos. Neste caso, considera-se o átomo como uma esfera.
O trihidreto de boro é uma exceção à regra do octeto, pois o boro possui apenas seis elétrons em sua camada de valência
Exceções à Regra do Octeto
Observe exemplos de compostos que são exceções à regra do octeto, tendo a capacidade de expandir ou contrair seu octeto.
A teoria atômica criada por Dalton conseguiu explicar microscopicamente a lei criada por Lavoisier
Explicação de Dalton para as Leis Ponderais
Veja como a teoria atômica de Dalton explica as leis ponderais de Lavoisier e Proust.