Whatsapp icon Whatsapp

Poder

Poder é uma palavra originada do latim e tem a mesma raiz que a palavra potência. Ambas remetem à capacidade de fazer algo, de empreender algo. Com o passar do tempo, poder também passou a significar a capacidade de impor, de mandar e de submeter os outros à própria vontade. Podendo ser político, econômico, familiar ou de persuasão, esse elemento social acompanha a humanidade desde os seus primórdios. A fascinação com o poder rendeu boas teorias filosóficas, antropológicas e sociológicas na tentativa de desvendar o que há por trás dele.

Leia também: Minorias – grupos a quem é destinado pouco poder dentro da sociedade

O que é poder para a filosofia

Poder é potência, não é à toa que as duas palavras têm a mesma origem e praticamente o mesmo significado. A única diferença semântica de potência para poder é que a primeira denota uma capacidade futura, virtual, de transformar-se ou fazer-se. A palavra poder denota a capacidade presente de fazer.

O poder é força, capacidade e, ao mesmo tempo, autoridade. Trata-se da capacidade de imposição ou de conquista, seja pela força bruta, seja pelo convencimento. A capacidade de convencimento torna as pessoas poderosas, tanto pela argumentação, quanto pelo charme carismático e apaixonante.

O poder é a capacidade de domínio, de expressão da vontade ou até mesmo uma ação natural que se sobrepõe à vontade individual.
O poder é a capacidade de domínio, de expressão da vontade ou até mesmo uma ação natural que se sobrepõe à vontade individual.

Diante de tanto fascínio com algo tão singular e tão sedutor na humanidade, vários pensadores tentaram explicar, racionalizar, entender o poder. Nesse sentido, os filósofos Aristóteles, Nicolau Maquiavel, Friedrich Nietzsche, Karl Marx, Norberto Bobbio e Michel Foucault desenvolveram curiosas e intensas teorias sobre o poder, entendendo-o como artifícios do âmbito político e social e como um aspecto natural da vida.

Para o filósofo grego antigo Aristóteles, o poder é um elemento natural que permeia as relações animais, mas há um animal que transpassa o meio selvagem com o poder justamente por sua capacidade de falar: o ser humano. Nesse sentido, o poder não é somente o ato de dominação pela força, mas um atributo que o ser humano leva consigo como elemento-chave para o entendimento das relações sociais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • Conceito de poder na visão de alguns filósofos

O filósofo e teórico político renascentista Nicolau Maquiavel entendeu o poder como o principal elemento da política. A atitude política, na visão do pensador, deve visar à conquista e à manutenção do poder. Para o filósofo alemão Friedrich Nietzsche, poder é uma força natural que impulsiona a vida, e é a vontade de poder, não no sentido político, de simples dominação, mas num sentido ontológico, de querer viver, que faz com que todo o Universo movimente-se.

Karl Marx, filósofo, sociólogo e economista alemão vê o poder como um jogo de dominação política existente na humanidade, desde o seu princípio, por meio do embate entre classes diferentes, o que se evidenciou com o desenvolvimento do capitalismo industrial.

As teorias que explicam o poder de maneira mais próxima com a nossa sociedade parecem ser a de Norberto Bobbio, filósofo italiano, e a de Michel Foucault, filósofo francês (ambos contemporâneos). Para Bobbio, o poder é uma teia de relações entre elementos em diferentes posições na sociedade, enquanto, para Foucault, o poder é uma relação que se dá, na contemporaneidade, entre pessoas e instituições. A esse fenômeno, Foucault denominou microfísica do poder, pois, ao contrário do que ocorria no antigo regime, o poder deixa de ser central e dissolve-se na humanidade por meio das diversas relações.

Formas de poder

Max Weber formulou uma teoria do poder baseada na dominação.
Max Weber formulou uma teoria do poder baseada na dominação.

O poder tornou-se objeto central do pensamento político no renascimento, mas, antes disso, ele já era discutido na obra política dos autores clássicos. No entanto, as relações de poder passam a ser amplamente discutidas a partir do século XVII, em meio à crise e ao início do declínio do antigo regime (as monarquias absolutistas).

Os filósofos ingleses Thomas Hobbes e John Locke já discutiam esse tema em meio à situação em que se encontrava a Inglaterra naquela época (contexto da Revolução Gloriosa e da luta contra o absolutismo inglês). Hobbes defendia o poder total do Estado por um governo monarquista, enquanto Locke defendia um poder dissolvido nas instituições para garantir certos direitos à população. O poder, nesse caso, era iminentemente político e do âmbito do domínio pela esfera estatal.

Karl Marx, situado historicamente no século XIX, entendeu o poder como uma relação de dominação econômica. O pensador via na história da humanidade uma relação material e contraditória, de maneira dialética, que sintetizava a vida e o desenvolvimento na luta entre diferentes camadas da população. Isso se evidenciou na Europa industrializada de seu tempo, que dividiu as pessoas em duas classes sociais: burguesia (os donos dos meios de produção) e proletariado (os trabalhadores). A luta dessas classes mostrava o conflito de poder como uma relação essencialmente econômica.

Para o sociólogo alemão Max Weber, poder é a imposição da vontade de uma pessoa ou instituição sobre os indivíduos. Essa imposição é direta e deliberada e pode ter aceitação como força de ordem ou não. Quando as pessoas submetidas ao poder de alguém aceitam a ordem, há uma transição de forças do âmbito do poder para o âmbito da dominação, sendo que a pessoa que aceita a imposição de ordem fica submetida à autoridade da outra.

Para o sociólogo francês Pierre Bourdieu, o poder é compreendido em uma esfera social e coletiva permeada pelo que o pensador chamou de habitus. O habitus é um conjunto de valores, normas, regras, gostos e elementos culturais, como religião, arte etc., que moldam a sociedade e têm a capacidade de juntar e de separar as pessoas. O habitus é completamente inconsciente, e a sua assimilação dá-se por meio das representações culturais a que somos submetidos e pela interiorização e imitação dessas representações.

Para Bourdieu, há um poder por trás disso tudo que faz com que as pessoas, inconscientemente, busquem consumir, gostar, adequar-se a certos elementos em detrimento de outros. O comando coletivo e inconsciente dessas preferências confere a certos atores um poder econômico ou social no sentido em que criam representações simbólicas a serem seguidas por outras pessoas.

Veja também: Anarquismo – teoria política que visa a supressão das formas de poder institucionais

Formas de exercício do poder

Essa imagem sintetiza o poder para Marx. Os piões (peças fracas e de poucos movimentos) juntos formam uma rainha (peça mais estratégica do xadrez).
Essa imagem sintetiza o poder para Marx. Os piões (peças fracas e de poucos movimentos) juntos formam uma rainha (peça mais estratégica do xadrez).

O poder é, na sociedade atual, classificado e entendido de diversas maneiras, de acordo com o modo como ele é exercido e o meio em que ele se encontra. Norberto Bobbio classificou-o em três formas, sendo elas:

  • Poder econômico: é exercido por quem possui a propriedade privada. Quem tem terras, dinheiro e bens exerce influência sobre os despossuídos.

  • Poder ideológico: é exercido por quem pode criar e influenciar as massas com suas criações, seja no âmbito midiático, seja no religioso. Geralmente, os atores desse tipo de poder trabalham para os atores dos outros dois poderes: o político e o econômico.

  • Poder político: é exercido pelas instituições oficiais, ligadas ao Estado. Pode ser legítimo, quando visa a finalidade da vida política, ou ilegítimo, quando é usurpado para gerar uma situação de dominação simples de certas classes ou pessoas.

Acesse também: Instituições sociais – corpos sociais detentores de diversas formas de poder

Exemplos de poder

Ficou exposto que o poder dá-se, em nosso tempo, como uma relação que passa pelos âmbitos públicos e privados da vida. Nesse sentido, ter poder é exercer mando sobre alguém por meio da posse (material ou imaterial) de algo.

Então podemos encontrar exemplos de poder nas seguintes relações:

  • Chefe de família e filhos: uma mãe ou um pai que chefia uma família exerce poder sobre seus filhos. Durante muito tempo, a nossa sociedade entendeu esse poder como pátrio (patriarcal, delegado naturalmente ao homem). No entanto, hoje percebemos que em muitos lares é uma mulher quem exerce poder sobre a prole.

  • Patrão e empregado: nessa relação, temos uma força poderosa de poder emanada por quem detém a posse (patrão) sobre quem trabalha para o que possui (empregado).

  • Professor e aluno: professor (entendido como uma autoridade no assunto, não necessariamente alguém que ensina no âmbito acadêmico ou escolar) é alguém que detém o poder pela posse do conhecimento. O aluno (também não necessariamente um aprendiz formal matriculado na escola ou na universidade, mas alguém que não detém aquele conhecimento da autoridade) é quem tem menos força, portanto, menos poder nessa relação. O conhecimento é poder, do mesmo modo que, em nossa sociedade, diplomas e chancelas emitidas por instituições oficiais conferem a certas pessoas uma posição de poder.

  • Governante e governado: no âmbito político, aquele que governa e os que são governados têm poderes distintos. Para solucionar o problema da falta de distribuição do poder nessa relação, as democracias contemporâneas deram aos governados a capacidade de escolher seus governantes.

Publicado por Francisco Porfírio
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Aristóteles, à esquerda, conversando com seu pupilo, Alexandre, imperador da Macedônia.
Aristóteles
Clique aqui e aprenda um pouco sobre Aristóteles, o grande filósofo grego que iniciou o Período Sistemático da Filosofia.
O filósofo alemão Friedrich Nietzsche.
Friedrich Nietzsche
Clique aqui e conheça a biografia e a trajetória intelectual de Friedrich Nietzsche, filósofo alemão contemporâneo que escreveu Assim falou Zaratustra.
Guerra das Rosas
Saiba os motivos que ocasionaram a Guerra das Rosas. Entenda o porquê do nome desse conflito. Acompanhe as disputas pelo poder inglês entre os York e os Lancaster.
Instituições sociais
Clique aqui para entender o que são instituições sociais, quais são elas, como estão organizadas e como afetam a organização das sociedades.
Karl Marx foi um dos principais sociólogos clássicos. [1]
Karl Marx
Clique aqui para conhecer um pouco mais sobre a biografia, a produção intelectual e algumas frases ditas pelo filósofo e sociólogo alemão Karl Marx.
Max Weber
Acesse este link para descobrir mais sobre a vida e a produção intelectual do sociólogo clássico alemão Max Weber, o formulador da teoria da ação social.
Neoliberalismo
Clique aqui para entender o que é neoliberalismo, como surgiu, quais são as suas aplicações e quais as críticas possíveis sobre essa doutrina econômica.
video icon
Português
Alguma poesia I Análise literária [Fuvest]
Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais da obra “Alguma poesia”, do poeta brasileira Carlos Drummond de Andrade. Confira nossa análise!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas