Contrarreforma

O movimento reformista católico, também conhecido como Contrarreforma, desenvolveu-se desde a Idade Média quando os clérigos já percebiam a necessidade de uma revisão nas práticas eclesiásticas. No entanto, a tomada de ações mais incisivas contra a fragmentação do poder religioso só se desenvolveram com o aparecimento das religiões protestantes. Uma das primeiras medidas tomadas pela Igreja foi restabelecer o Tribunal do Santo Ofício, que atuou na Idade Média contra os movimentos heréticos.

Durante o mandato do papa Paulo III (1468 – 1549), foi organizado um dos mais importantes eventos da história católica: o Concílio de Trento. Essa reunião teve como principal objetivo buscar uma definição da Igreja frente ao estabelecimento das religiões protestantes. Após os debates, foi definida a reafirmação dos dogmas católicos, a preservação de todos os atos litúrgicos, a confirmação da transubstanciação, do celibato e da hierarquia clerical.

Com relação à crise moral vivida no interior da Igreja, os participantes do Concílio reprovaram a venda de indulgências e incentivaram a criação de seminários teológicos responsáveis por aprimorar a formação religiosa dos futuros integrantes da Igreja. Em uma das reuniões realizadas pelos líderes católicos, ficou definido o “Index Librorum Proibitorum”, que consistia em uma relação de obras que não deveriam ser apreciadas pelos verdadeiros católicos cristãos.

Entre outros livros relacionados estavam o “Elogio da Loucura” (Erasmo de Roterdã), as traduções protestantes da Bíblia, as obras do italiano Boccaccio e o Livro da Oración (Frei Luís de Granada). Outra ação que marcou o movimento da Contrarreforma foi a criação das ordens religiosas. A mais importante delas foi a Companhia de Jesus, criada pelo clérigo Inácio de Loyola, fundada em 1540. Seu papel foi de grande importância na conversão religiosa dos povos colonizados no continente americano.

A partir de então, a Igreja conseguiu fortalecer os seus laços e conter o galopante avanço da religião protestante. No entanto, o novo contexto de diversidade religiosa criou um mundo marcado por diferentes concepções de fé e vida. Dessa forma, a identidade do homem moderno calcava-se em um leque de possibilidades que, antes de tudo, realçava a sua individualidade e seu poder de escolha.

Apesar disso, podemos ver que a sensação de liberdade oferecida pelo próprio protestantismo foi combatida por seus líderes. A intolerância religiosa e o combate à bruxaria também foram responsáveis por um movimento inquisidor entre os protestantes.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

O Concílio de Trento reformulou as posições da Igreja Católica frente ao avanço protestante.
O Concílio de Trento reformulou as posições da Igreja Católica frente ao avanço protestante.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Huldrych Zwingli e João Calvino: os principais líderes da reforma no interior da Suíça.
Calvinismo
Calvinismo, Reforma Calvinista, Genebra, Zurique, Basiléia, Berna, Huldrych Zwingli, zwinglianismo, Paz de Kappel, João Calvino, “Instituições da religião cristã”, Teoria da Predestinação Absoluta.
Gravura de Thomas Müntzer (1488-1525)
Thomas Müntzer e a Reforma Protestante
Conheça os posicionamentos religiosos de Thomas Müntzer e sua participação nas lutas dos camponeses alemães no século XVI.
Jan Huss sendo queimado em uma fogueira, em representação do século XV
Jan Huss e os primórdios da Reforma
Conheça as principais ideias de Jan Huss e os motivos que o levaram a ser queimado na fogueira.
Retrato de Jan Zizka, principal líder dos hussitas
Revolução Hussita e a crise do catolicismo
Conheça a Revolução Hussita e sua importância para a Reforma Protestante.
A reunião do Concílio de Trento foi importante para o processo de ação contrarreformista da Igreja Católica
Concílio de Trento
Saiba mais sobre o Concílio de Trento e as suas consequências para o contexto da Europa do século XVI.
Estátua de Santa Teresa de Ávila em um convento português
A mística católica de Santa Teresa e São João da Cruz
Saiba que importância teve e ainda tem a mística católica de Santa Teresa e São João da Cruz para a história intelectual e religiosa moderna.
John Wycliffe é considerado um dos precursores da Reforma Protestante na Europa
John Wycliffe, precursor da Reforma
Saiba quem foi John Wycliffe e que importância ele teve para as teses reformistas do cristianismo.
Guerra dos Trinta Anos
Clique no link e veja como as disputas religiosas motivaram a Guerra dos Trinta Anos. Acompanhe os períodos da guerra, os principais países em disputa e como acabou.
Os interesses pessoais e políticos motivaram Henrique VIII a romper relações com a Igreja Católica.
Anglicanismo
Reforma Protestante, Reforma Anglicana, anglicanismo, Henrique VIII, Ana Bolena, Catarina de Aragão, papa Clemente VII, Carlos V, Sacro Império Romano Germânico, Elizabeth I, Ato de Supremacia, Segundo Ato de Supremacia.
Anabatistas e a igualdade social
Pregando a igualdade social, os anabatistas se revoltaram contra a nobreza e foram duramente reprimidos. Saiba mais!