Whatsapp icon Whatsapp

Operação Barbarossa

A Operação Barbarossa consistiu em um ataque do exército nazista contra a União Soviética em 1941.
Soldados alemães invadindo a URSS durante a Operação Barbarossa
Soldados alemães invadindo a URSS durante a Operação Barbarossa

Operação Barbarossa foi o nome dado à manobra militar da Wehrmacht (Forças Armadas da Alemanha) contra a União Soviética, que durou de 22 de junho a 5 de dezembro de 1941. A operação foi comandada pelo general Franz Halder e recebeu esse nome por referir-se ao Sacro Imperador Romano-Germânico do século XII, Frederico Barba Roxa (Barbarossa).

Ruptura do Pacto Germano-Soviético de não agressão

Para se compreender a razão pela qual o ataque nazista à União Soviética ocorreu em 1941, é necessário recordar que, nos dois anos anteriores, Stalin e Hitler haviam firmado um pacto de não agressão, o Pacto Germano-Soviético (ou Ribentropp-Molotov, nomes dos respectivos diplomatas que assinaram o documento). Esse tratado foi assinado em 23 de agosto de 1939, oito dias antes de a Alemanha invadir a Polônia e, portanto, dar início à Segunda Guerra. O objetivo era garantir que as duas potências não entrariam em guerra, caso houvesse uma reação das potências ocidentais às manobras militares da Alemanha na Polônia.

O Pacto, no entanto, foi rompido quando a Alemanha começou a traçar aliança com os japoneses, que, por sua vez, ameaçavam a URSS no front oriental. Além disso, era sabido que o pacto de “paz” entre nazistas e soviéticos era temporário, pois tanto uma quanto outra potência planejavam sua própria forma de dominação territorial do continente europeu. O plano nazista, por exemplo, previa a transformação do Leste Europeu em um grande “celeiro” de abastecimento de alimentos para o Império Alemão. Para tanto, toda a população eslava deveria ser escravizada, e todo o aparato industrial soviético, destruído.

Desenvolvimento da operação

A Operação Barbarossa foi coordenada pelo general Franz Halder, que era comandante do OKH (alto-comando militar alemão). A definição do ataque ficou da seguinte forma: ao norte, as tropas comandadas pelo marechal Ritter von Leeb marchariam em direção a Leningrado. No centro, em direção a Moscou, marcharam as tropas do marechal Fedor von Bock. O sul ficou a encargo do marechal Gerd von Rundstedt, que se encarregaria de conquistar a capital da Ucrânia, Kiev.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Toda a operação mobilizou cerca de 4,5 milhões de soldados alemães. A URSS não esperava uma mobilização militar tão grande e teve partes consideráveis de seu território invadidas pelos alemães. A defesa soviética ficou concentrada nas zonas de influência de Moscou e Stalingrado. As batalhas arrastaram-se por meses a fio, sem que a operação pudesse completar seu objetivo, de modo que outros desdobramentos ocorreram. Um desses desdobramentos foi a sangrenta Batalha de Stalingrado, iniciada em 1942.

A imposição da fome e a “Shoa pelas balas”

Duas entre as muitas consequências nefastas do enfrentamento entre alemães e soviéticos no front oriental foram: 1) a imposição da fome aos habitantes de Kiev, na Ucrânia, que foram obrigados a fornecer todo o mantimento que tinham às tropas alemãs. Esse método já havia sido aplicado pela própria URSS à população rural da Ucrânia no início dos anos 1930, levando milhões de pessoas à morte; 2) o extermínio de judeus soviéticos e poloneses por meio de fuzilamento. Isso foi levado a cabo pelos Einsatzgruppen (grupos especiais de extermínio), como narra o historiador Antony Beevor:

[…] Durante a Barbarossa, o marechal de campo von Brauchitsch, o comandante em chefe do Exército, trabalhou de perto com Heydrich na ligação entre a força terrestre e a SS. O exército alemão abasteceria os Einsalzgruppen e faria a ligação com ele mediante o oficial de inteligência sênior de cada quartel-general. Deste modo, no nível de comando e do Estado-Maior do Exército, ninguém poderia alegar que ignorava as suas atividades. [1]

Alguns autores nomeiam esse episódio como “Shoa pelas balas”, lembrando que “Shoa” é um termo hebraico para designar o holocausto.

NOTAS

[1] BEEVOR, Antony. A Segunda Guerra Mundial. Trad. Cristiana Cavalcanti. Record: Rio de janeiro, 2015. p. 241.

Publicado por Cláudio Fernandes
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Brasil na Segunda Guerra Mundial
Entenda a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial com o envio de 25 mil soldados da Força Expedicionária Brasileira.
Causas da Segunda Guerra Mundial
Saiba quais foram as principais causas que favoreceram a ascensão do nazismo e do fascismo, antecedentes da Segunda Guerra Mundial.
Entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial
Venha conhecer a história da entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial, os fatos que levaram os norte-americanos a participarem do conflito bélico.
Fases da Segunda Guerra Mundial
Conheça a trajetória da Segunda Guerra Mundial no continente europeu em suas duas fases.
Máquinas criptográficas da Segunda Guerra Mundial
Fique sabendo como funcionavam as máquinas criptográficas da Segunda Guerra Mundial.
Partisans na Segunda Guerra Mundial
Entenda a atuação dos partisans na Segunda Guerra Mundial e que impacto eles tiveram sobre os exércitos convencionais.
Tratados da Segunda Guerra Mundial
Tratados da Segunda Guerra Mundial, Carta do Atlântico, Conferência de Teerã, Conferência de Yalta, Organização das Nações Unidas, Conferência de Potsdam, Tribunal de Nuremberg.
video icon
Texto"Matemática do Zero | Congruência de triângulos" em fundo azul.
Matemática do Zero
Matemática do Zero | Congruência de triângulos
Nessa aula veremos que para dois triângulos serem congruentes, os seus lados homólogos e os ângulos correspondentes devem ser congruentes. Porém, ao invés de analisar os três lados e os três ângulos, veremos que é necessário analisar apenas alguns casos de congruência de triângulos: LAL (Lado, Ângulo, Lado), LLL (Lado, Lado, Lado), ALA (Ângulo, Lado, Ângulo) e LAAo (Lado, Ângulo, Ângulo Oposto).