Queda da Bastilha

A queda da Bastilha tornou-se o símbolo do início da Revolução Francesa quando o poder absolutista foi contestado e o Terceiro Estado rebelou-se contra os privilégios dos outros dois estados componentes da sociedade francesa da época. Iniciava-se então a revolução que marcaria a história da França e teria consequências em todo o mundo.

A Bastilha era uma prisão localizada em Paris onde ficavam os presos políticos, aqueles considerados inimigos do rei francês. Em 14 de julho de 1789, a Bastilha foi tomada pela população parisiense insatisfeita com a crise socioeconômica que a França atravessava no final do século XIX. Durante a invasão, a prisão tinha apenas sete presos, porém servia de depósito de armas e pólvoras. A população revoltosa pegou o armamento e insurgiu-se contra as tropas reais.

Leia também: Antecedentes históricos da Revolução Francesa

Contexto histórico da queda da Bastilha

Rei Luís XVI governou a França até 1789, quando começou a Revolução Francesa.
Rei Luís XVI governou a França até 1789, quando começou a Revolução Francesa.

Até 1789, a França foi uma monarquia absolutista. O rei tinha poderes absolutos e governava de acordo com as suas vontades e seus interesses. A sociedade francesa era estamental, ou seja, dividida em estados, e não havia mobilidade social. O Primeiro Estado era formado pelo clero, alta cúpula da Igreja Católica. A nobreza, detentora de grande parte das terras francesas, compunha o Segundo Estado. Já a burguesia e os camponeses, que de fato trabalhavam e sustentavam os estados superiores, faziam parte do Terceiro Estado e eram a maioria da população.

A monarquia francesa vivia uma crise fiscal, ou seja, gastava-se mais do que arrecadava. Era preciso fazer uma reforma tributária para equilibrar as finanças. No entanto, nem o rei e muito menos os dois primeiros estados estavam dispostos a reduzir os custos dos seus privilégios ou pagar mais impostos. O Terceiro Estado foi, então, o alvo de mais cobranças. No final do século XVIII, a França enfrentou uma crise econômica, afetando diretamente a burguesia e os camponeses. Dessa vez, as ordens vindas das classes superiores não seriam cumpridas pelas classes subalternas.

As ideias iluministas influenciaram o questionamento das ordens reais. O iluminismo posicionou-se contra o absolutismo do poder real e a favor da elaboração de uma Constituição na qual todos os cidadãos fossem iguais perante a lei. Na França pré-revolucionária, não existia a igualdade entre os cidadãos, mas sim privilégios concedidos àqueles que pertenciam às classes superiores. O francês era julgado mediante a sua origem. Essa crise econômica e as ideias contestatórias do poder absoluto colaboraram para que o Terceiro Estado se rebelasse contra os privilégios e as desigualdades de classe.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Causas da Revolução Francesa

As causas da Revolução Francesa foram as influências das ideias iluministas, pois questionavam o poder absolutista do rei e os privilégios dos primeiro e segundo estados, que, apesar da crise econômica vivida pelos franceses no final do século XVIII, não queriam abrir mão deles e muito menos pagar impostos para equilibrar-se as finanças estatais. Se fosse mantida a estrutura sociopolítica da França, não haveria mudanças que beneficiariam o Terceiro Estado.

Participantes da queda da Bastilha

A população francesa, revoltada com a crise econômica, uniu-se ao Terceiro Estado para invadir e destruir a Bastilha. A prisão era o símbolo do Antigo Regime. Como a maioria da população considerava o rei e seus aliados como responsáveis pelo caos vivido pela França, ao atacar a Bastilha, ela enviava o recado de que o poder absoluto do rei e os privilégios dos estados superiores não seriam apenas questionados, mas destituídos.

Veja mais: Rousseau – filósofo iluminista que contribuiu teoricamente com Revolução Francesa

Estados Gerais e Assembleia Constituinte

Logo após a queda da Bastilha, o rei Luís XVI convocou a Assembleia dos Estados Gerais a fim de discutir soluções para a crise francesa. O sistema de votação já demonstrava que não haveria mudanças. O voto era por estado, ou seja, os três estados tinham direito a um voto. O Terceiro Estado sempre saía em desvantagem, porque o primeiro e o segundo concordavam com os votos, mas, em 1789, isso mudou. Aproveitando a recente manifestação popular na Bastilha, o Terceiro Estado também questionou o sistema de votação.

A proposta era a votação por cabeça, ou seja, o estado que mais representasse a população teria a maioria. Clero e nobreza prontamente recusaram. Após o impasse, o Terceiro Estado retirou-se da Assembleia dos Estados Gerais e abriu outra assembleia, a Constituinte, que elaborou a primeira Constituição francesa.

A queda da Bastilha

A queda da Bastilha foi o marco inicial da Revolução Francesa. A principal característica do poder absolutista era a não contestação e a pronta adesão aos mandos do rei. Desse modo, a queda da Bastilha teve mais um sentido simbólico, de contestação ao Antigo Regime em crise. A prisão parisiense tinha poucos presos, mas, durante muitos anos, foi local para os inimigos do rei cumprirem as condenações.

A invasão popular da Bastilha e a retirada de armamentos que ali estavam guardados representaram um ataque aos poderes do rei e à sua defesa, já que esse armamento era para os guardas que o defendiam.

A queda da Bastilha aconteceu em 14 de julho de 1789 e deu início à Revolução Francesa.
A queda da Bastilha aconteceu em 14 de julho de 1789 e deu início à Revolução Francesa.

Consequências das queda da Bastilha

O Terceiro Estado embarcou na revolta popular em Paris e exigiu mudanças no sistema de votação dos Estados Gerais. A estrutura do Antigo Regime começava a ruir. Os anos seguintes foram decisivos porque os revolucionários prenderam o rei Luís XVI, que foi condenado e morto na guilhotina. A revolução aberta pela queda da Bastilha modificou a França. De monarquia absolutista, o país transformou-se em uma república, e a burguesia assumiu o poder com a chegada de Napoleão Bonaparte, encerrando-se a revolução.

Resumo sobre a queda da Bastilha

  • A queda da Bastilha, em 14 de julho de 1789, foi o estopim para a Revolução Francesa.

  • Como era uma prisão para inimigos do rei, a Bastilha era o símbolo do Antigo Regime.

  • Logo após a destruição da Bastilha, o Antigo Regime francês foi derrotado pela revolução.

Acesse também: A crítica de Edmund Burke à Revolução Francesa

Exercícios resolvidos

Questão 1 – A principal característica da sociedade francesa no período anterior à Revolução Francesa era ser:

A) igualitária, todos eram iguais perante a lei.

B) religiosa, somente os cristãos tinham direitos.

C) dividida em estados, sem mobilidade social.

D) republicana, cidadãos com direito ao voto.

Resolução

Alternativa C. A sociedade francesa pré-revolução não criava condições para a ascensão social. Os privilégios eram concedidos de acordo com a origem de cada um. O clero e a nobreza eram os mais privilegiados, enquanto a burguesia e os camponeses, sem privilégio algum, sustentavam os demais estados pagando altos impostos.

Questão 2 – Assinale a alternativa correta sobre a queda da Bastilha:

a) A Bastilha era a prisão onde o rei Luis XVI ordenou que os revolucionários de 1789 ficassem presos.

b) A Bastilha foi construída após a Revolução Francesa para abrigar o rei e seus súditos.

c) A queda da Bastilha foi uma rebelião de presos contra as péssimas condições da prisão.

d) A invasão popular da prisão representou o início da Revolução Francesa.

Resolução

Alternativa D. A queda da Bastilha foi o estopim da Revolução Francesa. A população invadiu a prisão real, libertou os poucos presos que ali estavam, e tomou as armas para lutar contra a guarda que protegia o rei Luís XVI. Foi o primeiro sinal de contestação contra os desmandos absolutistas do Antigo Regime.

Publicado por: Carlos César Higa
Assuntos relacionados
A reunião no Salão da Péla e a Queda da Bastilha: dois momentos cruciais da Revolução Francesa.
Crise pré-Revolução Francesa
Entenda a crise que deu espaço para o desenrolar da Revolução Francesa!
Luis XVI: o rei que vivenciou algumas das tensões que antecederam a Revolução Francesa.
Antecedentes da Revolução Francesa
Antecedentes da Revolução Francesa, Absolutismo, Antigo Regime, Iluminismo, Revolução Francesa, Guerra dos Sete Anos, Independência dos Estados Unidos, tributos, impostos, economia feudal, crise de abastecimento, processo revolucionário francês.
Absolutismo: o regime que marcou a passagem da Idade Média para a Idade Moderna.
Absolutismo
Absolutismo, Idade Média, Idade Moderna, entraves comerciais, centralização do poder político, sociedade feudal, ampliação comercial, Estado Absolutista, nobreza, burguesia, rei, autoridade monárquica, monarquia.
Jacques Bossuet, Thomas Hobbes e Nicolau Maquiavel: expoentes do pensamento absolutista.
Teóricos do Absolutismo
Os princípios e questões que nortearam a teoria absolutista.
Napoleão Bonaparte com os trajes de sua coroação como Imperador.*
Império Napoleônico e a consolidação burguesa
Com o Império Napoleônico, Bonaparte pretendeu dominar a Europa e difundir o poder da burguesia.