Whatsapp icon Whatsapp

Ultrarromantismo

O ultrarromantismo é um movimento literário marcado pelas temáticas do sofrimento amoroso e da morte. Álvares de Azevedo é o principal poeta ultrarromântico brasileiro.
Coração partido sobre livro, em alusão ao ultrarromantismo.
A principal temática do ultrarromantismo é o sofrimento amoroso.

Ultrarromantismo é como ficou conhecida a segunda fase do romantismo no Brasil e em Portugal. As obras ultrarromânticas manifestam o sofrimento amoroso, além da idealização do amor e da mulher. Também apresentam morbidez, melancolia e pessimismo. Dessa fase, são bastante famosos os escritores Álvares de Azevedo (no Brasil) e Camilo Castelo Branco (em Portugal).

Leia também: O que marcou a terceira fase do romantismo no Brasil?

Resumo sobre ultrarromantismo

  • O ultrarromantismo é a segunda fase do romantismo no Brasil e em Portugal.

  • Suas principais características são o exagero sentimental, a melancolia e o pessimismo.

  • As duas principais temáticas dessa fase romântica são o amor e a morte.

  • No Brasil, merecem destaque os poetas ultrarromânticos Álvares de Azevedo e Casimiro de Abreu.

  • Em Portugal, Camilo Castelo Branco e Soares de Passos são dois importantes autores desse movimento.

O que é ultrarromantismo?

Ultrarromantismo é um movimento literário referente à segunda fase do romantismo português e brasileiro.

Videoaula sobre a geração ultrarromântica

Contexto histórico do ultrarromantismo

Em Portugal, a segunda regência de Maria II (1819-1853) — iniciada em 1834, após uma guerra civil que durou dois anos — foi marcada por conflitos políticos na transição entre o absolutismo e o constitucionalismo. Com a morte da rainha, em 1853, assumiu o poder o rei Pedro V (1837-1861), que conseguiu certa harmonia política no país.

O ultrarromantismo chegou ao Brasil durante o Segundo Reinado, quando o país era governado por D. Pedro II (1825-1891). Seu governo foi marcado pela centralização política, pela economia agroexportadora e pela Guerra do Paraguai, um fator importante para a decadência da monarquia brasileira.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Diante da realidade política desses países, alguns autores românticos optaram pelo escapismo e pela alienação social. Abandonaram os anseios coletivos para se centrarem na dor individual. Eram escritores que valorizavam a inadaptação social inspirada pelo personagem Werther, de Goethe.

Veja também: Características e fases do romantismo em Portugal

Características do ultrarromantismo

  • Spleen ou melancolia

  • Expressão do tédio

  • Temática da morte

  • Amor impossível

  • Caráter sombrio

  • Extrema subjetividade

  • Individualismo

  • Fuga da realidade

  • Aspecto saudosista

  • Visão pessimista

  • Angústia existencial

  • Sofrimento amoroso

  • Exagero sentimental

  • Defesa do amor e da liberdade

  • Idealização do amor e da mulher amada

  • Descrição do locus horrendus ou lugar tempestuoso

Exemplo de poesia ultrarromântica

Leia o poema “Por que mentias?”, do livro Lira dos vinte anos, de Álvares de Azevedo:

Por que mentias, leviana e bela,
Se minha face pálida sentias
Queimada pela febre?... e minha vida
Tu vias desmaiar... por que mentias?

Acordei da ilusão! a sós morrendo
Sinto na mocidade as agonias.
Por tua causa desespero e morro...
Leviana sem dó, por que mentias?

Sabe Deus se te amei! sabem as noites|
Essa dor que alentei, que tu nutrias!
Sabe este pobre coração que treme
Que a esperança perdeu porque mentias!

Vê minha palidez: a febre lenta...
Este fogo das pálpebras sombrias...
Pousa a mão no meu peito... Eu morro! eu morro!
Leviana sem dó, por que mentias?

Toda aquela mulher tem a pureza
Que exala o jasmineiro no perfume,
Lampeja seu olhar nos olhos negros
Como, em noite d’escuro, um vaga-lume...

Que suave moreno o de seu rosto!
A alma parece que seu corpo inflama...
Simula até que sobre os lábios dela
Na cor vermelha tem errante chama...

E quem dirá, meu Deus! que a lira d’alma
Ali não tem um som — nem de falsete!
E, sob a imagem de aparente fogo,
É frio o coração como um sorvete!

No poema, a voz poética expressa seu amor por uma mulher e o sofrimento causado pela falsidade de sua amada. Nele, é possível apontar algumas características ultrarromânticas, tais como:

  • sofrimento amoroso: “Sinto na mocidade as agonias”, “Por tua causa desespero e morro...”;

  • individualismo: o eu lírico está centrado em sua própria dor;

  • exagero sentimental: “Pousa a mão no meu peito... Eu morro! eu morro!”;

  • idealização da mulher: “Toda aquela mulher tem a pureza/ Que exala o jasmineiro no perfume,/ Lampeja seu olhar nos olhos negros”, “Que suave moreno o de seu rosto!”.

No entanto, de forma atípica, o eu lírico realiza um desvio da idealização romântica, ao mostrar que a mulher, apesar de bela, é falsa e fria: “Simula até que sobre os lábios dela/ Na cor vermelha tem errante chama...”, “E, sob a imagem de aparente fogo,/ É frio o coração como um sorvete!”. E, assim, ele mostra a causa de seu sofrimento.

Ultrarromantismo no Brasil

Capa do livro Lira dos vinte anos, principal obra do ultrarromantismo brasileiro
Capa do livro Lira dos vinte anos, publicado pela editora L&PM, principal obra do ultrarromantismo brasileiro.[1]

Autores brasileiros do ultrarromantismo

Obras do ultrarromantismo no Brasil

  • Lira dos vinte anos (1853), de Álvares de Azevedo.

  • Inspirações do claustro (1855), de Junqueira Freire.

  • As primaveras (1859), de Casimiro de Abreu.

  • Cantos e fantasias (1865), de Fagundes Varela.

Principais autores do ultrarromantismo

Em Portugal, os principais autores ultrarromânticos são:

  • Camilo Castelo Branco (1825-1890);

  • Soares de Passos (1826-1860).

E, apesar de o Ultrarromantismo ser um movimento literário tipicamente português e brasileiro, o poeta inglês Lord Byron (1788-1824) foi o grande inspirador da segunda geração romântica no Brasil. Já o autor alemão Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832) legou aos ultrarromânticos a ideia de spleen (melancolia).

Principais obras do ultrarromantismo

  • Os sofrimentos do jovem Werther (1774), de Johann Wolfgang von Goethe.

  • Poemas (1816), de Lord Byron.

  • Poesias (1856), de Soares de Passos.

  • Amor de perdição (1862), de Camilo Castelo Branco.

Saiba mais: O que é a poesia condoreira?

Exercícios resolvidos sobre ultrarromantismo

Questão 01 (Enem)

Soneto

Já da morte o palor me cobre o rosto,
Nos lábios meus o alento desfalece,
Surda agonia o coração fenece,
E devora meu ser mortal desgosto!

Do leito embalde no macio encosto
Tento o sono reter!... já esmorece
O corpo exausto que o repouso esquece...
Eis o estado em que a mágoa me tem posto!

O adeus, o teu adeus, minha saudade,
Fazem que insano do viver me prive
E tenha os olhos meus na escuridade.

Dá-me a esperança com que o ser mantive!
Volve ao amante os olhos por piedade,
Olhos por quem viveu quem já não vive!

AZEVEDO, A. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000.

O núcleo temático do soneto citado é típico da segunda geração romântica, porém configura um lirismo que o projeta para além desse momento específico. O fundamento desse lirismo é

A) a angústia alimentada pela constatação da irreversibilidade da morte.

B) a melancolia que frustra a possibilidade de reação diante da perda.

C) o descontrole das emoções provocado pela autopiedade.

D) o desejo de morrer como alívio para a desilusão amorosa.

E) o gosto pela escuridão como solução para o sofrimento.

Resolução:

Alternativa B.

A morte de que trata o poema é metafórica, já que se refere ao sofrimento amoroso. Tal sofrimento gera a melancolia do eu lírico, o que o impede de reagir diante da perda da pessoa amada.

Questão 02

Leia o seguinte trecho do poema Meus oito anos, de Casimiro de Abreu:

[...]
Como são belos os dias
Do despontar da existência!
— Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é — lago sereno,
O céu — um manto azulado,
O mundo — um sonho dourado,
A vida — um hino d’amor!

Que auroras, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar!
O céu bordado d’estrelas,
A terra de aromas cheia,
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar!

Oh! dias da minha infância!
Oh! meu céu de primavera
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã!
Em vez das mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã!
[...]

Naqueles tempos ditosos
Ia colher as pitangas,
Trepava a tirar as mangas,
Brincava à beira do mar;
Rezava às Ave-Marias,
Achava o céu sempre lindo,
Adormecia sorrindo
E despertava a cantar!
[...]

ABREU, Casimiro de. As primaveras. 2. ed. São Paulo: Martin Claret, 2014.

No poema de Casimiro de Abreu, um dos principais autores ultrarromânticos brasileiros, sobressai:

A) o saudosismo.

B) a sensação de tédio.

C) o aspecto sombrio.

D) o pessimismo.

E) a ironia.

Resolução:

Alternativa A.

No poema, o eu lírico relembra, com saudade, a sua infância, que é por ele idealizada.

Créditos da imagem

[1] L&PM Editores (reprodução)

Fontes

ABAURRE, Maria Luiza M.; PONTARA, Marcela. Literatura: tempos, leitores e leituras. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2015.

AZEVEDO, Álvares de. Lira dos vinte anos. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

COSTA, Edson Tavares. Licenciatura em Letras/ Português: literatura portuguesa. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

INFOPÉDIA. D. Maria II. Infopédia, Porto Editora. Disponível em: https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$d.-maria-ii

INFOPÉDIA. D. Pedro V. Infopédia, Porto Editora. Disponível em: https://www.infopedia.pt/apoio/artigos/$d.-pedro-v

HIGA, Carlos César. Segundo reinado. Mundo Educação. Disponível em: https://mundoeducacao.uol.com.br/historiadobrasil/segundo-reinado.htm

SILVA, Tallyson Tamberg Cavalcante Oliveira da. Das reminiscências trovadorescas na poesia de Álvares de Azevedo: um estudo do aspecto amoroso na “Lira dos vinte anos”. 2021. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Ciências, Educação e Linguagens, Universidade Federal do Maranhão, Bacabal, 2021.  

Publicado por Warley Souza

Artigos Relacionados

Casimiro de Abreu
Conheça o poeta Casimiro de Abreu: sua vida, sua obra, e características que marcam sua literatura. Leia alguns de seus principais poemas.
Goethe
Clique aqui, descubra quem é o autor alemão Johann Wolfgang von Goethe e saiba quais são as principais características de suas obras.
Lord Byron
Saiba quem foi o poeta inglês Lord Byron. Conheça as características de suas principais obras literárias. E leia algumas frases desse autor.
Primeira geração do Romantismo brasileiro
O Romantismo no Brasil: Clique e conheça os principais traços que definem a primeira geração do Romantismo brasileiro.
Romantismo
Acesse para descobrir o que foi o Romantismo. Leia suas principais características e conheça seu contexto histórico, os principais autores e obras do movimento.
Romantismo no Brasil
Entenda as características do Romantismo brasileiro. Saiba mais sobre as gerações românticas e seus principais autores.
Álvares de Azevedo
Saiba quem foi Álvares de Azevedo e conheça as características de suas obras. Leia poemas e frases desse poeta a fim de compreender melhor sua literatura.
video icon
Texto"Hibridismo Cultural" próximo a uma representação do que é Hibridismo Cultural.
Sociologia
Hibridismo Cultural
Hibridismo cultural é um fenômeno comum ao se pensar as culturas no mundo. Aprenda isso e muito mais nesta videoaula.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Pessoa com as pernas na água
Saúde e bem-estar
Leptospirose
Foco de enchentes pode causar a doença. Assista à videoaula e entenda!
video icon
fone de ouvido, bandeira do reino unido e caderno escrito "ingles"
Gramática
Inglês
Que tal conhecer os três verbos mais usados na língua inglesa?
video icon
três dedos levantados
Matemática
Regra de três
Com essa aula você revisará tudo sobre a regra de três simples.